segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Ontem fiquei feliz por ter um aparelho de televisão

Muitas vezes dou comigo a refilar contra a televisão que, por norma, me aparece como a anunciante de más notícias: violências, mortes, corrupção, conflitos, querelas, crises e mais crises, misérias... Já chateiam os programas sobre economia, tantos eles são! E que se conclui? Projectos? Ideias novas para vencer a crise?

Pois ontem um canal de televisão ofereceu-nos um programa excelente. Sem querer, dei comigo a bater palmas quando ele acabou. Não me recordo do nome do programa, mas foi num canal da RTP.
Um dos casos referidos teve lugar no distrito de Viseu. Duas senhoras, ambas professoras. Salvaram uma instituição que acolhe pessoas deficientes. Não foi nem é fácil. Acarretou, inclusive, penhoramento de bens próprios.  O que estas senhoras lutaram! A quantas portas bateram! Mas nada as fez recuar face a uma justíssima causa: a solidariedade, exactamente para com quem mais precisa, a pessoa deficiente.
Gostei de ver que os doentes estavam bem, que eram tratados com enorme humanidade. Gostei de ouvir os funcionários afirmar que se sentiam bem naquela instituição. Todos disseram que a melhor recompensa eram os doentes que serviam.
A serenidade e felicidade no rosto e nas declarações daquelas duas professoras são uma lufada de ar fresco nesta sociedade que nem sempre esconde o ar fétido do egoísmo.

Outra situação passava-se no Minho, tendo como protagonista um médico. Não ficava pelo consultório. Nada disso. Tantas vezes que o seu consultório eram as casas dos alcoólicos e dos drogados! O seu carro aparecia também como o táxi dessa gente  a quem levava a tratamentos de vários tipos. Foi belíssimo ver a alegria reconhecida de pessoas e famílias a quem o médico ajudou a libertar das amarras das dependências, permitindo-lhes ter acesso à mesa da liberdade e da realização.

Nos casos que observei, uma constante. As pessoas que ajudaram eram felizes, serenas, de bem com a vida.
Quanto mais nos damos, mais recebemos.

1 comentário:

Ab imo corde disse...

Portugueses Extraordinários, vai para o ar todos os domingos após o telejornal! ;) Eu que abomino televisão, também concordo que nem tudo é mau! ;)
Beijinho sereno