terça-feira, 30 de março de 2010

Quando a víbora sai da toca

Quando se lê aquilo que vem na imprensa sobre a Igreja nestes últimos tempos, ninguém de bom senso pode deixar de ter direito à indignação.
Ao contrário de outras instituições, a Igreja sempre teve coragem de se assumir. Ela é santa e pecadora. Santa em Cristo que a sustenta; pecadora nos seus membros. Daqui aquele gesto profético de João Paulo II quando publicamente pediu perdão ao mundo dos pecados da Igreja cometidos ao longo do tempo. Que outra instituição o fez???

A propósito da pedofilia cometida por membros da Igreja, tem sido um regabofe.
1. Claro que a pedofilia é um crime hediondo, horrendo, seja quem for que o cometa. Como horrendos são outros ataques vis à dignidade da criança. Tráfego de crianças para:
- extracção e comercialização de órgãos;
- exploração sexual, prostituição e manipulação;
- fins bélicos;
- correios da droga;
- escravatura;
- etc
Igualmente é horrendo que 11 mil crianças morram de fome a cada dia. E isto perante a indiferença (salvo raras excepções) da comunicação social.

2. As pessoas impressionam-se com os números. Contudo um só caso que fosse já seria uma calamidade.
Mas se falarmos em número, então descobriremos que a percentagem de pedófilos ligados à Igreja é ínfimo em relação à pedofilia praticada por outras pessoas (pais, padrastos, irmãos, primos, vizinhos, conhecidos, colegas e outros grupos sociais, como artistas, políticos, médicos, professores, etc, etc).

3. Então qual o motivo desta fixação nos elementos ligados à Igreja?
- Claro que à Igreja se exige um superior estofo moral em virtude dos valores em que acredita e que transmite.
- Como diz o cardeal José Saraiva Martins, "também há uma maquinação" para atacar a Igreja", fruto de uma mentalidade contra os valores cristãos, muito em voga na sociedade ocidental.

4. Em muitas questões éticas a Igreja é a voz que mais se faz ouvir a remar contra a maré. Basta ver questões como o aborto, a eutanásia, o divórcio, os casamentos homossexuais...
Para os que alinham na maré, é preciso desautorizar, amesquinhar, manietar a voz incómoda da Igreja. Nada melhor do que "chapar" com escândalos nascidos no seio da própria Igreja, certos de que a melhor defesa é o ataque.
E como quem o faz tem poderosos meios económicos e de comunicação, há que assar em lume brando, trazendo cada dia para as manchetes dos jornais casos de pedofilia mesmo que já tenham passado há décadas e tenham sido julgados. Ou fazendo julgamento público de pessoas antes da voz da justiça. Ou, pior ainda, lançando a suspeição atrás de suspeição...

6. Aqui fico-me pela impressão pessoal. Mas penso que há lobbies poderosos que nunca aceitaram com bons olhos a eleição de Joseph Ratzinger como Papa e que recorrem a todos os meios para o desacreditar.

7. A Igreja é semper reformanda, necessitada de contínua purificação e de perene renovação, na força do Espírito que opera nela.
Atenta aos sinais dos tempos, aberta à voz do Espírito de Cristo Ressuscitado, humilde e disponível, a Igreja, reconhecendo humildemente o seu pecado, abre-se ao perdão de Deus e dos homens, aberta à dinâmica da esperança que não engana.

O DECÁLOGO

Os Dez Mandamentos da Lei de Deus, como aprendíamos na catequese, não são mais que a presença de Deus dentro de cada consciência huma­na. Não é preciso ser praticante de nenhuma religião para que cada ho­mem sinta dentro de si o imperativo dessa lei fundamental que, segundo os crentes, Deus entregou a Moisés no Monte Sinai.
Todas as civilizações tomaram consciência da necessidade de obe­decer a essa lei fundamental ainda que não tivessem consciência da sua origem. As nossas sociedades modernas ,em especial a nossa socie­dade ocidental vão-se aperfeiçoando no sentido de, sem disso terem no­ção, dotar os Estados de leis que no fundo dão cumprimento a essa lei fundamental escrita nos nossos corações. Assim é de louvar a institui­ção dos Direitos Humanos, as leis que protegem os mais fracos e de­fendem a família, a protecção no desemprego, etc, etc. Infelizmente, as nossas sociedades aplicam ou procuram aplicar o segundo mandamento da Lei de Deus "Amar o próximo como a si mesmo", mas esquecem-se do pri­meiro "Amar a Deus sobre todas as coisas".
De certo, alguns poderão dizer que foi o estado laico que mais se esforçou por aplicar o segundo mandamento. A Igreja, apesar de pregar todos os mandamentos, esqueceu-se muitas vezes de os praticar e sobre­tudo de ser mais exigente na sua aplicação. Achava que a esmola e a caridade eram suficientes embora houvesse cristãos de eleição que, nas suas vidas, mostravam o esplendor dos Dez Mandamentos da Lei de Deus. E hoje parece que os poderes laicos e, muitas vezes, ateus são aqueles que mais se batem pela igualdade, pela solidariedade, pela justiça e pelo amor. Então se tudo isto é verdade porque é que vemos cada vez mais desigualdades, mais injustiças, mais desamor, mais crueldade, mais guerras? A resposta parece estar no primeiro mandamento: "amar a Deus sobre todas as coisas". Os homens podem aperfeiçoar as leis, as insti­tuições, a solidariedade social, mas sem o reconhecimento do Amor de Deus, o homem e o Estado julgam-se a origem de tudo e tudo degeneram. Olhemos à nossa volta. Temos hospitais, centros de saúde, médicos e en­fermeiros, mas falta a humanidade, o respeito, o amor para com os doen­tes, com algumas excepções.
Temos direitos sociais, protecção no desemprego, jardins de infância, escolas, universidades mas falta o empenho, a dedicação e a humil­dade que só o amor de Deus pode dar.
A prática de segundo mandamento sem o primeiro arrasta consigo o lado feio e horroroso das nossas sociedades. Protege-se a criança, mas matam-se muitos inocentes; protege-se a família, mas apregoa-se o divórcio; cada um de nós tem um pai e uma mãe, mas agora querem impor à criança dois pais ou duas mães num desequilíbrio perigoso e mortal; a ONU procura resolver os conflitos entre os povos sem guerra, mas nunca vimos tantas guerras como agora. O primeiro mandamento é claro e fon­te de toda a humanidade, mas hoje até há quem o utilize para odiar, para matar, para praticar as maiores crueldades de que há memória!
0 homem pode fazer as leis mais belas e justas, mas sem o amor de Deus, só criará desumanidade, egoísmo, acenando sempre com o mito do paraíso na terra.
Carlos A.Borges Simão

Nota de falecimento!

video

segunda-feira, 29 de março de 2010

domingo, 28 de março de 2010

Pergunta que me deixou a pensar...

Numa curta conversa com uma pessoa desta comunidade que também gosta de fazer umas incursões pela internet, a propósito da vindo do Papa a Portugal, perguntou:
- Mas afinal quem é que nós, católicos, adoramos? Cristo ou o Papa?
E continuou sem se deter:
- Quando ouço alguns bispos e padres ou quando visito certos sites e blogues na internet, fico com muitas dúvidas... Falam muito mais do papa e do que ele diz do que de Cristo e da Sua mensagem!

Veja AQUI o Programa da Visita do Papa a Portugal.

Os principescos vencimentos de alguns gestores de empresas.

"A maioria destes quadros de que estamos a falar não chegaria a ocupar na Alemanha, em Inglaterra ou em França os cargos que ocupa aqui. Alguns dos nossos presidentes de empresas não seriam mais do que chefes de secção no estrangeiro."

"Estes quadros não representam uma mais-valia para as empresas – as empresas é que representam uma mais-valia para eles. Se alguns deles saíssem, as empresas não perderiam nada e eles perderiam muito."

"...para uma pessoa que trabalha oito horas todos os dias e leva para casa 500 euros ao fim do mês deve custar muito ver, na mesma empresa, pessoas que passam o dia de costa direita receberem todos os meses 70 ou 80 mil euros – e mais um milhão ao fim do ano.
Estas situações geram um clima que funciona como uma panela de pressão – e se arrisca um dia a explodir."


"Em lugar de ser a sociedade a dever-lhes o contributo do seu saber, do seu empenho, da sua dedicação, são elas que devem à sociedade um nível de vida artificial, que não está de acordo com o que produzem.

"Numa linguagem crua, mas verdadeira, estas pessoas são parasitas da sociedade."
Alguns desgraçados (e desgraçadas) que ganham 500 euros por mês, e levam uma vida inteira a trabalhar sem passarem da cepa torta, têm de contribuir para sustentar o nível de vida desses senhores que se passeiam em carros de luxo, vão para hotéis de 6 estrelas, viajam de avião em primeira classe e vivem em casas de cinco ou mais milhões de euros.
Isto é que é chocantemente imoral.
E nenhum regime o deve aceitar."

Leia aqui o artigo todo.

Ele pagou por nós


Ao reflectir sobre a Paixão do Senhor, alguém referia que afinal éramos nós que estávamos lá a aclamar e logo depois a condenar Jesus. Eu hoje recordo essa aplicação e concluo que afinal nós é que devíamos estar, não no lugar da multidão mas no lugar de Jesus. Porque Ele pagou por todos nós.
A redenção de Cristo assemelha-se à pedagogia de uma certa avozinha. O seu neto tinha a fama e o proveito de recolher aquilo que não era seu. A pobre senhora chamava a atenção ao neto mas nada servia de correcção. Então um dia, alguém foi uma vez mais fazer-lhe queixa da falta de respeito do rapaz pelo alheio. A avó chamou o acusado, levou-o até junto à lareira. Tirou uma brasa incandescente, segurou na mão do neto e prometeu-lhe:
- Esta brasa vai fazer aquilo que as minhas recomendações nunca conseguiram. Vai recordar-te para sempre que não podes usar as tuas mãos para roubar.
O miúdo já tremia a pensar como ficariam as suas mãos queimadas. Então a senhora, cheia de determinação, pôs o carvão na sua própria mão, dizendo:
- Faço isto porque te amo.
E diz a história que aquele rapaz, chorando, beijou as mãos da avô e nunca mais roubou nada a ninguém.O episódio é dramático tal como dramática é a paixão de Jesus cujo mistério celebramos nesta semana. Ele também sofreu por nós porque nos ama.
Pe. José David Quintal Vieira, scj

sábado, 27 de março de 2010

Esta criança põe a cabeça em água aos pais!

Sobre a Páscoa
Uma criança perguntadeira
- Pai, o que é a Páscoa?
- Ora, Páscoa é ...... bem... é uma festa religiosa!
- Igual ao Natal ?
- É parecido. Só que no Natal comemora-se
o nascimento de Jesus, e na Páscoa, se não me
engano, comemora-se a sua ressurreição.
- Ressurreição?
- É, ressurreição. Maria, vem cá!
- Sim?
- Explica lá ao puto o que é ressurreição
para eu poder ler o meu jornal descansado.
- Bom, meu filho, ressurreição é tornar a
viver após ter morrido. Foi o que aconteceu
com Jesus, três dias depois de ter sido
crucificado. Ele ressuscitou e subiu aos céus.
Entendido?
- Mais ou menos ... Mãe, Jesus era um coelho?
- Que parvoíce é essa? Estás-te a passar!
Coelho? Jesus Cristo é o Pai do Céu! Nem parece
que foste baptizado! Jorge, este menino não pode
crescer assim, sem ir à missa pelo menos aos
domingos. Até parece que não lhe demos uma
educação cristã! Já pensaste se ele diz uma
asneira destas na escola? Deus me perdoe!
Amanhã vou matricular esta criança na catequese!
- Mãe, mas o Pai do Céu não é Deus?
- É filho! Jesus e Deus são a mesma coisa.
Vais estudar isso na catequese. É a Trindade.
Deus é Pai, Filho e Espírito Santo.
- O Espírito Santo também é Deus?
- É sim.
- E Fátima?
- Sacrilégio!!!
- É por isso que na Trindade fica o Espírito Santo?
- Não é o Banco Espírito Santo que fica na
Trindade, meu filho. É o Espírito Santo de Deus.
É uma coisa muito complicada, nem a mãe entende
muito bem, para falar a verdade nem ninguém,
nem quem inventou esta asneira a compreende.
Mas se perguntares à catequista ela explica
muito bem!
- Bom, se Jesus não é um coelho, quem é o coelho da Páscoa?
- (Aos gritos no meio da casa) Eu sei lá! É uma
tradição. É igual ao Pai Natal, só que em vez de
presentes, ele traz ovinhos.
- O coelho põe ovos?
- Chega! Deixa-me ir fazer o almoço que eu
não aguento mais!
- Pai, não era melhor que fosse galinha da Páscoa?
- Era, era melhor, ou então peru .
- Pai, Jesus nasceu no dia 25 de Dezembro,
não é? Em que dia é que ele morreu?
- Isso eu sei: na sexta-feira santa.
- Que dia e que mês?
- Gaita!!!! Sabes que eu nunca pensei nisso?
Eu só aprendi que ele morreu na sexta-feira santa e ressuscitou três dias depois, no sábado
de aleluia.
- Um dia depois portanto!
- (Aos berros) Não, filho - três dias!
- Então morreu na quarta-feira.
- Não! Morreu na sexta-feira santa... ou
terá sido na quarta-feira de cinzas? Ouve, já
me baralhaste todo! Morreu na sexta-feira e
ressuscitou no sábado, três dias depois!
- Como !?!? Como !?!?

- Pergunta à tua professora da catequese!
- Pai, então por que amarraram um monte
de bonecos de pano na rua?
- É que hoje é sábado de aleluia, e a aldeia
vai fingir que vai bater em Judas. Judas foi o
apóstolo que traiu Jesus.
- O Judas traiu Jesus no sábado?
- Claro que não! Se ele morreu na sexta!!!
- Então por que eles não lhe batem no dia certo?
- É, boa pergunta.
- Pai, qual era o sobrenome de Jesus?
- Cristo. Jesus Cristo.
- Só?
- Que eu saiba sim, por quê?
- Não sei não, mas tenho um palpite que o
nome dele tinha no apelido Coelho. Só assim
esta coisa do coelho da Páscoa faz sentido,
não achas?
- Coitada!
- Coitada de quem?
- Da tua professora de Moral !!!
(Enviado por email)

DIA MUNDIAL DA JUVENTUDE

O Dia Mundial da Juventude celebra-se todos os anos no Domingo de Ramos (neste ano a 28 de Março).

Para cada um, o Papa escreve uma Mensagem.



«Bom Mestre,
que devo fazer para alcançar a vida eterna?»
(Mc 10, 17)

Leia aqui toda a mensagem do Papa para o Dia Mundial da Juventude

sexta-feira, 26 de março de 2010

Não tenho pecados!

- Eu confesso-me a Deus directamente, não preciso de me ir confessar ao padre! - dizia alto e bom som aquela senhora, com a arrogância que a ignorância inflaciona.
O colega que isto ouviu, respondeu-lhe serenamente:
- Está bem! Então peça a Deus que lhe dê a Sagrada Comunhão!...

- Confessar-me para quê? Não mato nem roubo, não tenho pecados... - referia com ar de quem despacha a questão aquele homem.
- Ah, sim!? Então vamos fazer mais uma peanha para a nossa Igreja. Temos mais um santo... - respondeu com ironia um seu companheiro de cartas.
- Isso não, pá! Também tenho as minhas coisas... Não sou nenhum santo!

- Confessar-me a um homem como eu!? Estás doido ou quê? Os padres ainda são mais pecadores... - referia o cavalheiro, confiado em que a melhor defesa é o ataque.
- Tens razão! Só Deus perdoa os pecados. Mais nenhum homem o pode fazer. Mas diz-me uma coisa: ' Quem te dá a água que tens em casa? É o cano?'
- Essa agora! A água vem do depósito. O cano apenas a transporta para as nossas casas.
- E já reparaste que esse cano está enterrado, rodeado de lama, sujo, ferrugento?
- Bem me importa a mim! Logo que me traga a água em condições para casa...
- Pois, é como na confissão. Deus é esse depósito de graça e de perdão. O padre é o cano através do qual o perdão de Deus me chega.
- Uhm! És capaz de ter razão... Vou pensar nisso.

- Eu nem sei que vou fazer à confissão! Os meus pecados são sempre os mesmos...
- desabafava aquela senhora para a sua amiga.
- Olha, amiga! Tu só lavas as tuas toalhas e a tua roupa quando têm nódoas grandes?
- Ó mulher, vira para lá essa boca! Eu sou uma pessoa asseada. Gosto de lavar a minha roupa frequentemente...
- Então é como na confissão. Mesmo que não tenhamos pecados mortais, precisamos de "lavar a alma" frequentemente, recebendo o perdão de Deus que nos branqueia a vida.
- Pois, isso eu entendo. Mas os pecados são sempre os mesmos!...
- Não te esqueças que faz parte da confissão o propósito firme de emenda... Não é só fazermos o exame de consciência, dizermos os nossos pecados ao confessor e cumprirmos a penitência... Precisamos de olhar para dentro de nós, descobrirmos o que é mais urgente corrigir e comprometermo-nos, confiados na ajuda divina, a lutar para para corrigirmos esse aspecto menos bom da nossa vida....
Já viste? É como um escadório... Não se sobem as escadas todas de uma passada, mas escada a escada.
- Sim, mas às vezes não consigo levar em frente o meu compromisso, sou fraca.... Sabes como é!
- Deus não vê como os homens. Estes ligam à aparência; Deus julga pelo coração. Se cem vezes caíres no mesmo pecado, mas cento e uma vez lutares para dele saíres, estás a caminho do Reino de Deus.

MAIS UM ALERTA PARA A FAMÍLIA

Quase metade dos jovens já cometeu actos delinquentes
Perto de metade dos jovens das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto admitiu já ter cometido actos delinquentes, segundo um estudo apresentado hoje nas Jornadas de Segurança, em Lisboa.
O estudo do Instituto de Criminologia da Universidade do Porto, de maio de 2008, baseia-se em três mil inquéritos feitos em escolas do 3.º ciclo do ensino básico e secundário, à inquirição de jovens com 18 ou mais anos fora da escola e numa análise da delinquência juvenil registada pelas forças de segurança.
O documento refere que 47,7 por cento dos inquiridos assumem que praticaram actos delinquentes, dos quais 33,6 por cento foram cometidos há menos de um ano.
http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/10849008.html

Pois...

- Os filhos têm de se sentir amados pelos pais por testemunhos explícitos de actos e palavras ao longo das suas vidas.
Numa sociedade em que os miúdos são profundamente carentes em termos afectivos, são tratados tantas vezes sem a mínima pachorra pelos familiares em "modo contínuo", que podemos esperar?

- Os filhos têm de ter a plena consciência de que as prevaricações são fortemente castigadas.
Ora sabendo eles que ninguém os apanha se eles cometerem pequenos/médios crimes poder-se-á alguma vez esperar um futuro promissor?

- Os jovens são por natureza uns prevaricadores de regras. É comum dos jovens entre os 10 e os 16 anos não cumprir regras e prevaricar, quando não o fazem abertamente, fazem-no às escondidas dos pais, professores e outros adultos. Embora muitos destes jovens já tenham algum sentido de responsabilidade, a verdade é que a maioria é mesmo inconsequente. Não é por acaso que os jovens adolescentes são rebeldes,destemidos e alguns mesmo revoltados. Agora se após a adolescência continuarem a manifestar a mesma rebeldia, isso sim passa a ser um caso de delinquência.
Não defendo de forma alguma a delinquência juvenil, ela existe e deve ser corrida pela sociedade, para prevenção de situações extremas e graves. Porém, não devemos nunca considerar os adolescentes absolutamente responsáveis pelas suas atitudes ... mas devemos responsabilizá-los e não deixar passar os seus actos sem advertências ou castigos ajustados.
http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/10849008.html

Não passo pela vida...

video

quinta-feira, 25 de março de 2010

Viseu registou um aumento de 14,5 por cento da criminalidade participada

___
Criminalidade
Crime violento baixa mas aumenta o terror
O Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) de 2009, ontem apresentado, revela uma quebra de 0,6% do crime violento comparativamente ao ano anterior (menos 154 crimes do que em 2008). No entanto, a carga de terror para as vítimas é agora maior. Quem o reconheceu foi o juiz-conselheiro Mário Mendes, secretário-geral do Sistema de Segurança Interna, (SSI), que relatou um caso concreto. 'Recentemente, ocorreu um crime na zona de Lisboa, em que três homens armados assaltaram uma mulher para lhe roubar uma pastilha e um iogurte'.
Socorrendo-se das estatísticas, Mário Mendes revelou que dos '420 mil crimes participados em 2009' (menos 4979 crimes do que em 2008), apenas 21 mil foram considerados 'graves ou violentos' (5,8% do total registado). No entanto, acrescentou o secretário--geral do SSI, 'a carga de violência que existe em cada crime torna discrepante a relação entre os números da criminalidade e a insegurança das pessoas'.
Apesar de reflectir mais violência no crime, o RASI reflecte, segundo Rui Pereira, 'uma descida de grande parte dos índices criminais'. Estruturado, como o CM noticiou em primeira mão, por distritos, concelhos e freguesias, o relatório faz sobressair a descida de crime em Setúbal (-7,6% face a 2008), e em Aveiro (menos 1618 ocorrências, o que representa uma queda de 6,1%). Em Lisboa, o crime caiu também, desta feita 1,9% em comparação com 2008.
Dos 18 distritos, só o Porto e Viseu subiram no crime participado. O RASI será hoje disponibilizado na íntegra.
In Correio da Manhã
O RASI, hoje aprovado em Conselhos de Ministros, refere que Viseu registou um aumento de 14,5 por cento da criminalidade participada, com mais 1280 casos em 2009 do que em 2008, seguido de Viana do Castelo (mais 11,4 por cento) e Vila Real (mais 10,8 por cento).
In Lusa
Criminalidade juvenil e os crimes sexuais disparam
Segundo dados do Relatório de Segurança Interna (RASI) de 2009 a que o DN teve acesso, dois crimes a registar aumentos, foram a criminalidade juvenil (cometida por menores de 16 anos) e os crimes sexuais. No primeiro caso houve um aumento de 10%, o que confirma a tendência de subida que estes casos vinham a registar e que só foi travada no ano passado, com uma diminuição brutal - e nunca bem esclarecida - de 42% deste tipo de criminalidade.
Em relação aos crimes de natureza sexual, o RASI indica um aumento de 13%. As participações dos casos de violação subiram 21%, com um total de 375 casos registados, um valor que só foi ultrapassado, na última década, em 2002, como 404 casos, e em 2003, com 391. Houve ainda um crescimento das participações de abuso sexual a crianças de 14%.
In Diário de Notícias
Crime baixa!?
As pessoas não acreditam nestes relatórios. Veja AQUI a reacção dos leitores à notícia publicada pelo Correio da Manhã.
Eu também não acredito. Só quem não vê televisão ou não lê jornais. Depois perguntem às pessoas que vivem nas grandes cidades e suas periferias se o crime está a baixar... Dirão que só pode ser gozo...
Tanto em Viseu como em Vila Real o crime aumentou. Em Viseu, bastante.
Estejamos atentos e que as forças de segurança redobrem a vigilância.

Sugestão

Visite também este blog:
http://viriatus15.blogspot.com/

Diferente. Às vezes mais atrevidote. Mas também tem o seu lugar...

Quem foi o melhor?

video

Veja AQUI o "Testamento de Cristo"

E ainda AQUI: "Ir à Igreja ... Porquê?"

E depois Aqui o testemunho do pai de um jovem deficiente

Não existe melhor ensino que a adversidade

O fraco foge daquilo que é difícil e árduo; alimenta-se daquilo que recebe dos outros; ama o que é fácil e cómodo. O homem nobre vive do que dá; enfrenta as dificuldades; não tem receio de ir contra corrente. (Paulo Geraldo)

As adversidades são como as facas, que nos podem ser úteis ou ferir-nos, conforme as seguremos pela lâmina ou pelo cabo. (James Russel Lowell, escritor norte-americano)

quarta-feira, 24 de março de 2010

Castigos de Hulk e Sapunaru reduzidos para 3 e 4 jogos

O Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol reduziu hoje para três (Hulk) e quatro (Sapunaru) jogos os castigos de quatro e seis meses impostos pela Comissão Disciplinar da Liga, após os incidentes no final do jogo Benfica-FC Porto, de 20 de Dezembro de 2009.

REACÇÕES:

- Hermínio Loureiro apresentou hoje, quarta-feira, o pedido de renúncia à presidência da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, na sequência da decisão do Conselho de Justiça da Federação de reduzir os castigos aos futebolistas do FC Porto Hulk e Sapunaru.
"Apresentei ao senhor presidente da Mesa da Assembleia Geral da Liga a minha renúncia ao mandato de presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional", disse Hermínio Loureiro à agência Lusa.
A decisão do Conselho de Justiça da FPF está na base da decisão de Hermínio Loureiro, que considera ter "implicações que ultrapassam a justiça desportiva".
"Sem prejuízo de considerar que a justiça desportiva está a funcionar nos órgãos próprios, entendo que o facto de o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol ter hoje dado, em parte, provimento aos recursos dos jogadores da FC Porto, Futebol SAD, Hulk e Sapunaru, tem implicações que ultrapassam a justiça desportiva".


- Antero Henrique, director geral da SAD do FC Porto, comentou hoje, quarta-feira, o pedido de renúncia de Hermínio Loureiro à presidência da Liga Portuguesa de Futebol, afirmando que "mais vale muito tarde do que nunca".
"Será que se demitiu depois de ter cumprido a missão?", questionou Antero Henrique, em declarações à Lusa, depois do pedido de demissão de Hermínio Loureiro na sequência da redução pelo Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Futebol dos castigos dos futebolistas do FC Porto Hulk e Sapunaru.


- O FC Porto anunciou, hoje, quarta-feira, que vai intentar acções judiciais de responsabilização e indemnização à Comissão Disciplinar da Liga de Clubes e à própria Liga.
Em comunicado, a SAD portista diz que a decisão da Federação confirma a "perseguição" ao FC Porto e a "cegueira persecutória de Ricardo Costa, ratificada, ao melhor estilo de Pôncio Pilatos, pelo presidente da Liga, Hermínio Loureiro".
O comunicado do FC Porto considera que a decisão da Comissão Disciplinar da Liga relativamente a Hulk e Sapunaru "será o facto mais marcante do mandato" e acrescenta que " o futebol não esquecerá o péssimo serviço que lhe prestaram nesta matéria". A única saída, acrescenta o comunicado do Porto, é a demissão: "Obviamente, demitam-se!".


- O jurista José Guilherme Aguiar, adepto do FC Porto, anteviu hoje, quarta-feira, que o clube vá exigir uma indemnização "muito vultuosa" à Liga de clubes devido à redução dos castigos aos futebolistas "azuis e brancos" Hulk e Sapunaru em sede de recurso.
"Não é susceptível de consequências desportivas. Os jogadores foram impedidos ilegítima e ilegalmente de participar nos jogos que já ocorreram, mas não há retroactividade. Não se vai poder repetir os jogos em que eles não alinharam. As consequências só podem ser de natureza pecuniária. O FC Porto, naturalmente, irá pedir uma indemnização muito vultuosa à Liga", disse o antigo diretor executivo da Liga de clubes, citado pela Agência Lusa.
Guilherme Aguiar descartou qualquer cenário de tentativa de impugnação do campeonato por parte dos "dragões" porque "um plantel tem muitos jogadores", classificando apenas o sucedido como uma "decisão de um órgão jurisdicional que prejudicou o FC Porto".
"A Comissão Disciplinar (CD) e sobretudo o seu presidente (Ricardo Costa) tinham tomado, intencionalmente, uma decisão errada, que, além de uma enorme injustiça, era uma leitura completamente errada da legislação em vigor", afirmou, reiterando ter estado sempre "convicto da revogação da decisão por parte do Conselho de Justiça" (CJ) da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), ressalvando "não conhecer os seus fundamentos".

Fonte: Jornal de Notícias

Esta justiça desportiva...
- A demora na justiça é escandalosa. Também na justiça desportiva.

- Como é que a C0missão Disciplinar da Liga aplica um castigo de 4 meses a Hulk e depois o Conselho de Justiça da Federação Portuguesa reduz para 3 jogos? Alguém consegue entender isto? Que justiça é esta?

- Como é que o Dr. Ricardo Costa e o Conselho Disciplinar da Liga ainda não pediram a demissão? Há que tirar consequências dos actos praticados...

- O FCPorto foi seriamente afectado pela decisão do Conselho Disciplinar da Liga. Desde fins de Dezembro que não tem podido conter com a contribuição destes dois seus atletas, com tudo o que tal acarreta. Quantos jogos perdeu ou empatou o FCP e que poderia não ter perdido ou empatado se tem podido contar com estes jogadores, mormente Hulk? E as consequências a nível de desgaste psicológico que estes desaires despotivos acarretaram para o Porto?

- Claro que o Benfica tem jogado bem e tem demonstrado dentro do campo valor futebilístico. Mas a sua provável vitória neste campeonato ficará sobre suspeita. Penalizações que aconteceram e não deviam ter acontecido... problemas nos túneis envolvendo sempre a equipa encarnada... despenalizações de atletas de equipas concorrentes quando estas já estão praticamente fora da luta pelo 1ª lugar... penalizações (que se mantêm) de atletas que integram equipas que ainda são sérias concorrentes da equipa encarnada- caso do Vandinho, do Braga - ...

- Acho muito bem que o FCP exija uma pesadíssima indemnização pecuniária àqueles que injustamente o prejudicaram. Até para memória futura.

Irmãos e amigos

Há amigos que são irmãos e há irmãos que não são amigos.

terça-feira, 23 de março de 2010

D. Óscar Romero, o profeta-mártir


(Carregue na imaginem para ler melhor)
Veja AQUI!

Uma pessoa ímpar! Um cristão fantástco e um bispo profeta! Um mártir!
Mesmo sem estar ainda canonizado pela Igreja, D. Romero já é santo no coração dos pobres!
Precisamos muito, mas muito de cristãos do calibre de Óscar Romero.

Quando será que a Igreja canoniza D. Óscar Romero? Se tivesse grupos e movimentos fortes e poderosos a apoiar na retaguarda , será que já não teria sido canonizado?

CARTA DE UMA MÃE PARA OUTRA MÃE (ASSUNTO VERÍDICO).

____
Carta enviada de uma mãe para outra mãe no Porto, após um noticiário na TV:
---
De mãe para mãe...
---
'Vi o seu enérgico protesto diante das câmaras de televisão contra a transferência do seu filho, menor, infractor, das dependências da prisão de Custoias para outra dependência prisional em Lisboa.
Vi você se queixando da distância que agora a separa do seu filho, das dificuldades e das despesas que passou a ter, para visitá-lo, bem como de outros inconvenientes decorrentes daquela mesma transferência.
Vi também toda a cobertura que os média deram a este facto, assim como vi que não só você, mas igualmente outras mães na mesma situação que você, contam com o apoio de Comissões Pastorais, Órgãos e Entidades de Defesa de Direitos Humanos, ONG's, etc...
Eu também sou mãe e, assim, bem posso compreender o seu protesto. Quero, com ele, fazer coro. No entanto, como verá, também é enorme a distância que me separa do meu filho.
Trabalhando e ganhando pouco, idênticas são as dificuldades e as despesas que tenho para visitá-lo.
Com muito sacrifício, só posso fazê-lo aos domingos porque labuto, inclusive aos sábados, para auxiliar no sustento e educação do resto da família. Felizmente conto com o meu inseparável companheiro, que desempenha, para mim, importante papel de amigo e conselheiro espiritual.
Se você ainda não sabe, sou a mãe daquele jovem que o seu filho matou cruelmente num assalto a um vídeo-clube, onde ele, meu filho, trabalhava durante o dia para pagar os estudos à noite.
No próximo domingo, quando você estiver abraçando, beijando e fazendo carícias ao seu filho, eu estarei visitando o meu e depositando flores na sua humilde campa rasa, num cemitério da periferia...
Ah! Já me ia esquecendo: e também ganhando pouco e sustentando a casa, pode ficar tranquila, pois eu estarei pagando de novo, o colchão que seu querido filho queimou lá, na última rebelião de presidiários, onde ele se encontrava cumprindo pena por ser um criminoso.
No cemitério, ou na minha casa, NUNCA apareceu nenhum representante dessas 'Entidades' que tanto a confortam, para me dar uma só palavra de conforto, e talvez indicar quais "Os meus direitos".
Para terminar, ainda como mãe, peço "por favor": Faça circular este manifesto! Talvez se consiga acabar com esta (falta de vergonha) inversão de valores que assola Portugal e não só... Direitos humanos só deveriam ser para "humanos direitos" !!!
(Enviado por email)

FICO SEM PALAVRAS!

Realmente muita da comunicação social que temos é de uma hipocrisia enojante! Depois muitas das organizações sociais governamentais e não governamentais (até algumas ligadas à Igreja) são de um cinismo arrepiante! Neste país - o povo tem razão - são dadas todas as garantias e apoios aos criminosos e a pessoas a eles ligadas, mas as vítimas e familiares são abandonados.

Direitos humanos? Todos para os transgressores. Porque para aqueles que procuram levar uma vida direita não há direitos. Chega! Bonda!!!

segunda-feira, 22 de março de 2010

A questiúncula

Lembro-me muitas vezes da história do porco-espinho.
Conta-se que estes animais haviam desistido de dormir juntos, porque se picavam. Então cada um foi para seu canto.
Só que, sozinhos, não aguentavam o frio e começaram a morrer. Então colocou-se-lhes um dilema: ou continuavam sozinhos e acabariam por desaparecer ou tinham a coragem de se juntar, mesmo sofrendo os picos uns dos outros, e sobreviveriam. Optaram, sabiamente, pela segunda via.

É o dilema que se põe hoje a Portugal face à grave crise que o país atravessa. Ou somos capazes de nos decidirmos por ultrapassar divergências e interesses para nos pormos em sintonia no que toca um plano para nos levantarmos do atoleiro em que caímos, ou, cada um para seu lado, acabaremos por nos atolar ainda mais e pormos em causa o nosso futuro como nação livre e independente.

É o que acontece com a Igreja. Face à crise que atravessa sobretudo nos países ocidentais, manifestada sobretudo na debandada silenciosa de gente e mais gente, ou nos unimos no essencial ou nos tornamos num dique que bloqueia a mensagem de Jesus Cristo, o único Salvador do homem.
Guerrilhas entre conservadores e progressistas, entre os mais papistas do que o Papa e os libertinos, entre os que contestam tudo o que a hierarquia diz e os que seguem caninamente, entre os que exploram as falhas da Igreja e os que as ocultam...
Já para não falar no deprimente espectáculo que os grupos cristãos oferecem ao mundo. Guerrilhas continuadas, incompreensões, "corte e costura continuados" no seio dos grupos e entre grupos, más vontades, falta de acolhimento, fechamentos, ausência de caridade e de aceitação do outro como diferente... Tantas vezes a obrigarem quem os observa a ler ao contrário o que se dizia dos primeiros cristãos: "Vede como eles se amam". Hoje: "vede como eles se detestam"!
Precisamos todos demasiado de conversão! Oh! Se precisamos...

domingo, 21 de março de 2010

Porto vive um período negativo em termos de saúde anímica

Um Benfica emocionalmente “por cima” venceu por 3 - 0 um FC Porto, que vive um período negativo em termos de saúde anímica. Aliás foi notório desde o início do jogo o contraste no estado emocional das duas equipas - os do FC Porto tensos e nervosos, os do Benfica a quem tudo saía com mais fluidez e espontaneidade -, factor que acabou por pesar muito nesta final.
Um "frango" ( eu diria, um "peru") do guardião Nuno ao 10 minutos de jogo complicou ainda mais a situação à equipa portista que bem tentou reagir, mas -lo sempre em esforço e sem discernimento. Tal foi notório em vários futebolistas azuis-e-brancos, com reacções “à flor da pele”, fosse ao mínimo contacto físico ou às decisões do árbitro. Os casos mais flagrantes do destempero emocional portista foram os de Ruben Micael, Raul Meireles e Bruno Alves, mas a equipa mostrou-se, toda ela, intranquila e nervosa.
Face à onde de lesões ( Mariano, Varela e Farias) e aos castigos (Hulk), o Porto não tinha grandes opções para a linha avançada. Mas tivera uma semana para preparar o jogo, enquanto o Benficara jogara na quinta-feira uma partida importante para as competições europeias.
O técnico benfiquista deu-se ao luxo de deixar no banco quatro titulares indiscutíveis, Javi Garcia, Ramires, Saviola e Cardozo, explorando o momento alto que a equipa vive em termos de autoconfiança e motivação depois da eliminação do Marselha nos oitavos-de-final da Liga Europa.

No cômputo geral, parece-me justa a vitória do Benfica, embora por números exagerados. Parabéns aos benfiquistas. De qualquer maneira, esperava mais dos encarnados ao nível de futebol-espectáculo, talvez pelas excelentes partidas que têm realizadas. Mas foram realistas, controlaram o jogo e exploraram bem as fraquezas alheias.

Hoje de manhã alguns portistas com quem me cruzei manifestaram muita confiança na vitória do Porto. A todos disse que não partilhava da mesma confiança e que o Benfica iria ganhar, embora sempre acrescentasse que ficaria feliz se os meus receios se não confirmassem.
1º - O porto está mal, atravessa um péssimo período. A equipa está sem confiança.
2º - Quantas finais ganhou Jesualdo quando defrontou "equipas grandes"? Quantas?

Quem põe estes adeptos na ordem?

Desacatos entre adeptos do FC Porto e Benfica em Alcácer do Sal
Veja AQUI.

Chegada tumultuosa de adeptos portistas ao estádio
AQUI.

Há tempos, foram apedrejados o autocarro do FCP e o carro de Pinto da Costa aquando da ida do FCP ao Estoril.

Assim vai o nosso futebol. A violência anda à solta. E parece que ninguém assume responsabilidades.
- Quando deixarão as direcções dos clubes de "sacudir a água do capote"? Perante estes desacatos, arrumam com a responsabilidade para cima das forças de segurança.
- Quando passarão a ser fortemente penalizados os clubes pela violência dos seus apaniguados?
- Para quando a coragem de escorraçar de todos os estádios os elementos perturbadores?
- Não quero acreditar naquilo que se vai dizendo: as direcções dos clubes servem-se de certos marginais que existem nas suas fileiras para realizar certos "actos de justiça"...
- Quando regressarão o respeito, o civismo e a educação ao coração da família e da escola?
- Não serão estes actos bárbaros consequência da bagunça moral em que os políticos mergulharam o país?

Meteu "a viola ao saco"!

Num grupo de amigas, uma melhor vangloriava-se da coça que tinha dado na amante do seu marido:
- Enxertei-lhe bem o canastro! Levou quantas pôde.
Uma das amigas, que permanecera séria diante das gargalhadas de apoio das outras, disse:
- Olha, amiga! Essa tal mulher pecou sozinha?
- Claro que não! Fez com o meu marido...
- E quem é que no casamento te prometeu fidelidade? - insistiu.
- Quem havia de ser! O meu homem, claro!
- Então quem merecia as palmadas não seria o teu homem!?
- As outras calaram-se. A fanfarrona corou e meteu a "viola ao saco".

sábado, 20 de março de 2010

Realizou-se hoje a Festa da Catequese

Pode ver AQUI.


O Pai, modelo e referência de valores - foi o tema da Festa da Catequese deste ano

Para uma freguesia do interior - embora seja a sede do concelho - o número de crianças é interessante. Temos cerca de 350 catequizandos do 1º ao 10º ano. Quando se sente a natalidade- inverno em tantas e tantas freguesias deste interior, tão pouco zelado pelo poder central, não posso deixar de me sentir contente com as crianças que ainda vamos tendo. Graças a Deus!

Gostei da festa. Pela presença de muitos pais. Sobretudo, pelo trabalho realizado pelas crianças e jovens. Um aplauso para eles do tamanho da Serra de Santa Helena! É justa uma palavra de enorme apreço pelo trabalho, dedicação, persistência dos catequistas. Muitos parabéns! São fantásticos!

Ficou-me na memória uma frase que ouvi numa das representações teatrais em que a mãe dizia para a filha que lhe perguntara onde estava o pai: "Filha, o teu pai vive para o trabalho. Depois vem o café e os amigos. De seguida, vem o futebol. Só no fim, vem a família. Por isso não sei quando chegará a casa..."
A pequena perguntara pelo pai, não só porque era o Dia do Pai e queria oferecer a sua prendita, mas também porque tinha saudades dele, pois há três dia que o não via.

A ideia mais repisada em todas as intervenções foi a do amor paternal. Pai, um amigo único e especial. Pai que brinca com os filhos. Pai que, mesmo quando chama a atenção, se nota que o faz por amor. Pai, uma voz grossa do tamanho do seu amor. Pai, uma presença desejada mesmo quando o filho não o demonstra. Pai, o primeiro no exemplo. Pai, modelo de apego ao trabalho. Pai, referência de respeito, de solidariedade, de coragem, de dedicação, de verdade.
Pai como São José.
Pai testemunha do amor do PAI.
Pai ... "Quero ser como o meu pai."

quinta-feira, 18 de março de 2010

DIA DO PAI

19 de Março. Dia de São José e Dia do Pai.
Parabéns a todos os pais!
--
PAI DE TODO JEITO
Tem pai que ama,
Tem pai que esquece do amor.
Tem pai que adopta,
Tem pai que abandona.
Tem pai que não sabe que é pai,
Tem filho que não sabe do pai.
Tem pai ...
Tem pai que dá amor,
Tem pai que dá presente.
Tem pai por amor,
Tem pai por acaso.
Tem pai que se preocupa com os problemas do filho,
Tem pai que não sabe dos problemas do filho...
Tem pai ...
Tem pai que ensina,
Tem pai que não tem tempo.
Tem pai que sofre com o sofrimento do filho,
Tem pai que deixa o filho esquecido.
Tem pai de todo jeito.
Tem pai que encaminha o filho,
Tem pai que o deixa no caminho.
Tem pai que assume,
Tem pai que rejeita.
Tem pai que acaricia,
Tem pai que não sabe onde está o filho
que precisa de carinho.
Tem pai que afaga,
Tem pai que só pensa em negócios.
Tem...
Tem pai de todo jeito.
E você???
Que tipo de pai você é?
Eu quero um pai,
apenas um pai que esteja consciente do amor
que tem para dividir...
Eu quero um pai,
apenas um pai que seja AMIGO!
A todos os Pais,
um carinhoso abraço!
Deus Pai os abençoe!
(autor desconhecido)
----
PAI, PERDOA-ME
Pai, perdoa-me
pelas vezes que sentei ao seu lado, mas não ouvi o que dizias...
Pai, perdoa-me pela visita rápida de fim de tarde, antes do jantar de domingo...
Pai, perdoa-me pela pouca paciência, quando querias aconselhar-me nos negócios...
Pai, perdoa-me por achar que tuas ideias já estavam ultrapassadas...
Pai, perdoa-me por ignorar tua experiência de vida...
Pai, perdoa-me pela minha falta de tempo para passar contigo...
Pai, perdoa-me pelo teu convite que recusei porque ia sair com meus amigos...
Pai, perdoa-me pela minha insensibilidade na hora da tua dor...
Pai, perdoa-me pelas vezes em que meus filhos não te trataram
com o respeito que merecias...
Pai, perdoa-me pelo abraço que não te dei, pelo carinho que não te fiz...
Pai, perdoa-me por não ter reconhecido em ti o próprio Cristo...
Pai, abençoa-me...
Autor Desconhecido.

CELIBATO E PEDOFILIA

Entrevista concedida ao Jornal i pelo padre José Luís Rodrigues e publicada em 17 de Março de 2010.
Leia AQUI.

Esta custa-me a entender...

Há 19 mil postos de trabalho que ninguém quer
O Instituto de Emprego e Formação Profissional tinha, no final de Janeiro, mais de 19 mil ofertas de emprego que não encontraram interessados entre os mais de 560 mil inscritos nos centros de emprego.
PORQUÊ?
- Porque as pessoas procuram emprego, mas não querem trabalho?
- Ficar em casa à sombra do ordenado mínimo ou do subsídio de desemprego é mais fácil?
- Os postos de trabalho oferecidos não oferecem garantias no tocante a estabilidade, dignidade e direitos sociais?
- Os postos de trabalho ficam muito longe de casa e o trabalhador não ganha sequer para pagar transportes e alojamento?
- Os ordenados oferecidos são tão baixos que não cativam ninguém?
- São trabalhos pesados e as pessoas não estão para esforços?
Uma coisa é certa. Um casal que viva numa grande cidade onde tenha que pagar tudo menos o ar que respira, não sei como consigue viver com dois ordenados mínimos (isto pensando que trabalham os dois...). É a alimentação, o vestuário, a renda de casa, as despesas com a educação dos filhos, os transportes, os impostos, tudo, tudo...
Depois a ideia que se tem do nosso patronato não favorece nada a economia e coesão social. Quando a empresa vinga, o empresário é um génio, um criativo; quando a empresa vai à falência, a culpa é dos trabalhadores. Muitos querem é enriquecer a toda a força e rapidamente, dentro de uma mania nacional de ostentação de riqueza. Existe ainda no subconsciente de muito do patronato nacional a ideia de que os ordenados baixos é a base da sustentação e prosperidade da empresa. Penso ser uma ideia bem retrógada. Quanto melhores forem os ordenados, mais motivação para trabalhar e produzir existe por parte dos trabalhadores. Claro que temos patrões modernos que já não alinham por esta bitola, honra lhes seja.
Mas o Estado dá algum exemplo? Reparemos nos ordenados dos funcionários públicos e dos trabalhadores das empresas tuteladas pelo mesmo Estado. As desiguladades nos ordenados são escandalosas. E depois vem ainda a pouca vergonha, a sem vergonhice da chapelada de mordomias de que beneficiam os altos quadros e os gestores públicos.
O Estado, pessoa de bem, devia ser uma referência também no campo laboral para as empresas privadas. Mas está quieto...

quarta-feira, 17 de março de 2010

"O senhor já está a trabalhar para a política?"

Ia ao volante do seu carro. De repente olhou e reparou num homem que seguia na berma com um saco às costas que o fazia vergar bem vergado. Tocado pelo sofrimento do homem, o condutor parou e ofereceu boleia que foi pronta e agradecidamente aceite. Aberta a mala do veículo, o carregador atirou aliviadamente o carrego lá para dentro.
Ao chegar ao centro do povoado, o condutor referiu que ia ficar por ali e ajudou o homem a tirar o saco. Era um peso bruto! Condoído, perguntou-lhe para onde ia. Ainda era longe dali. Então disse-lhe para voltar para dentro do automóvel, que o iria levar a casa.
Descarregado o saco, o homem agradeceu sentidamente e perguntou:
- Desculpe. O senhor já está a trabalhar para a política?

É isto que o povo interiorizou. Os políticos só se lembram das pessoas quando precisam delas... Por isso, ao ver tanta gentileza daquele condutor, o homem lembrou-se que seria um político em campanha...
Não era nada. Apenas um cidadão atento e solidário.

terça-feira, 16 de março de 2010

Teste os seus conhecimentos, resolvendo este jogo

1. Pegue numa folha de papel e numa caneta.

2. Veja as perguntas todas primeiro.

3. Responda no papel às perguntas de cada ronda , assinalando a ronda, o número e a letra da pergunta certa.

4. Não ligue às cores das perguntas, podem não querer dizer nada. Faça por si.

5. Em cada ronda estão indicados os pontos que correspondem à resposta certa.

6. Veja agora as respostas certas.

7. Veja também a classificação que obteve.

8. Nem se ensoberbeça nem fique abatido pela classificação obtida. Há que andar em frente. Podemos sempre melhorar.

9. Se concordar, divulgue este jogo. videoaprender.

VOCÊ E O SACRAMENTO DA CONFISSÃO

Quaresma, tempo penitencial.
Tendo em conta o mandamento da Igreja que diz que um cristão deve “confessar-se ao menos uma vez em cada ano”, as comunidades, tradicionalmente, escolhem este tempo quaresmal para o fazer.
Os sacerdotes ajudam-se mutuamente neste serviço ao povo de Deus. Aqui, neste arciprestado, salvas raras excepções, a Comunhão Pascal das várias comunidades acontece durante os sábados quaresmais.
Sendo um tempo cansativo, é também uma ocasião de enriquecimento. Porquê? Porque celebrar a festa do perdão de Deus é um dom inestimável. Porque só Deus tem o poder de chegar lá no fundo do coração humano para o refazer, o curar e o transformar. Porque Deus recebe o coração arrependido de braços abertos. Porque esse perdão divino nos chega em forma humana, sensível e presente através do sacerdote. Porque a Confissão nos reintroduz na comunhão dos “santos em Cristo” da qual nos afastamos pelo pecado.
Tantas vezes me sinto tão pequenino diante da fé, da saúde de consciência, da ânsia de perfeição de tantos irmãos! Já senti saudável ciúme diante da beleza interior de tanta gente!
No serviço da Confissão, reconheço, tantas e tantas vezes, a minha pequenez, o meu pecado, a minha limitação! E só posso bendizer o Deus da Misericórdia pela sua bondade, ternura e infinita sabedoria. Afinal Deus salva-nos porque nos tem amor.
A beleza de Deus! O Omnipotente a servir-se da fragilidade humana dos sacerdotes para tornar o seu perdão tão presente, tão visível, tão humano junto dos irmãos, reconhecendo, inúmeras vezes, que eles são menos santos do que os que se confessam…
E você? Mas não acha maravilhoso — e sumamente comovente — acolher o perdão divino
através de um instrumento tão frágil? Tão parecido consigo? Porque complica pois o que
Cristo simplificou?
Ser um ser humano como você a oferecer-lhe Deus, em forma de perdão, não achas que é um dos maiores prodígios que se pode conceber?

PEC: O que muda no seu orçamento

Veja AQUI.

"As iludências aparudem"

Havia um galo garanhão, mas já velho, esposo competente das galinhas daquele galinheiro. No entanto, o dono comprou um galo jovem e forte para o galinheiro, pois pensava que tal levaria a mair produção de ovos por parte das galinhas. Claro que o velho não podia competir, e o novo pensava logo que eram todas só para ele.
Então vai o galo velho para o novo:
- Olha, eu sei que és vigoroso e forte, e só queria que me desses duas ou três galinhas, o resto é teu.
- Qual quê? É tudo meu, ó velhadas!
- Então fazemos assim: fazemos uma corrida. Vinte voltas ao galinheiro. Quem ganhar, pode ficar com as galinhas todas.
- Uma corrida, velhadas?! Ah, ah, ah! Até te dou 10 voltas de avanço! Podes começar!
Então começam os galos na corrida à volta do galinheiro. Quando o galo novo estava atrás do galo velho e pronto para ganhar a corrida, ouve-se um disparo.
O dono do galinheiro matou o galo novo e diz:
- Bolas, que chatice! É o quinto galo gay que compro este mês...

segunda-feira, 15 de março de 2010

Estamos bem entregues aos políticos que temos! Estamos, estamos...

A "lei da rolha"
Então a tão apregoada "asfixia democrática", de que o PSD tanto falou na última campanha para as legislativas, virou agora "lei da rolha" no interior deste mesmo partido?
Neste último congresso do PSD, foi feita uma alteração estatutária, aprovada pelos congressistas deste partido, que reforça as sanções para militantes que critiquem a sua direcção.
Proposta por Pedro Santana Lopes no congresso do PSD, esta norma pune com a suspensão de membro do partido até dois anos ou com a expulsão os militantes que violem o dever de lealdade para com o programa, estatutos, directrizes e regulamentos desta força política, especialmente se o fizerem nos 60 dias anteriores a eleições.
O PSD não cessa de "dar tiros nos pés". Pensar no país, voltar-se para o país, apresentar propostas válidas e mobilizadoras para Portugal sair do cadafalso a que o conduzira o governo Sócrates, parece que interessa menos ao maior partido da oposição. Continuamos a ver um partido voltado para si mesmo, envolto em guerrilhas de barões e baronetes, apostado em ajuste de contas, onde ódios intestinos não cessam de gerar intrigas, numa dinâmica antropófaga que parece não conhecer limites.
Santana Lopes, a "Fénix renascida" da política nacional, que sempre se afirmou pouco mobilizado para discutir estatutos internos, lançou no congresso do seu partido a questão que viria a ser para o público em geral a crista visível do iceberg e que foi baptizada como "lei da rolha". E mais, com aprovação maioritária dos congressistas!
Com decisões destas, o PSD mais não faz do que estender crescentes passadeiras a Sócrates.
---
Francisco Assis, líder parlamentar do PS, anunciou hoje que suscitará em plenário da Assembleia da República, na quarta feira, o debate sobre a alteração estatutária do PSD que reforça as sanções para militantes que critiquem a sua direcção.
Esta não lembra ao diabo!!
Fico-me pelo comentário feito a esta notícia por José de Valcarcel no Correio da Manhã:
"Assis discuta este assunto do PSD na AR. Até por ser mais importante que o OE, o PEC e todas as medidas altamente lesivas do bem estar do Povo e que são consequência da má governação de Guterres e de Sócrates. Vamos sofrer durante 10 anos? Que se lixe! Temos uma coisa perigosissima: os estatutos do PSD! Muito mais perigosos que o Freeport, os aterros da Cova da Beira, as "belas arquitectaras" da Guarda, a face Oculta, a compra de apartamentos por meio de offshores, as "licenciaturas" de universidades (?) que já não existem. Tudo caganitas ao pé dos malandros do PSD que pretendem acabar com os "cavalos de Tróia" do PS. Força sr. Assis. Não foi à guerra, como eu, mas sabe fazer manobras de diversão. Aprendidas com Maquiavel? Estupendo! Força sr. Assis, que o Povo não precisa de pão, de saúde, de ensino, de segurança, de justiça! Precisa de castigar os malandros dos PPDs que não gostam dos cavalos de Tróia. Força ... porque só isso é mau!"

Tudo é do Pai

A borra, os resíduos e a fuligem ficam sempre em nós mesmos

Um dia o Zeca regressou da escola cheio de raiva. Antes que o pai lhe perguntasse alguma coisa, gritou irritado:
- O Pedro não devia ter feito aquilo para comigo. Humilhou-me à vista de todos. Quero que ele sofra como eu. Quem me dera que ele parta uma perna...
O pai escutou tudo calado enquanto caminhou para o fundo do jardim onde guardava um saco cheio de carvão. O Zeca viu o saco aberto e o pai a propor-lhe:
- Filho, faz de conta que aquela camisa branca a secar no varal é o amigo que te ofendeu e cada pedaço de carvão é uma acusação que tens contra ele. Atira-lhe este carvão todo.
O miúdo achou a brincadeira divertida e descarregou assim a sua fúria mas a camisa estava longe demais e poucos pedaços acertaram o alvo. No final sentiu-se cansado mas satisfeito por ter conseguido alguma coisa. O pai levou-o então até ao espelho do quarto onde pôde ver a sua figura toda suja de carvão. Só enxergava os dentes e os olhos. O pai concluiu ternamente:
- Filho, viste que aquela camisa quase que nem se sujou mas, olha para ti. O mal que desejamos aos outros é aquilo que nos desfigura. Por mais que possamos atrapalhar a vida de alguém com as nossas acusações, a borra, os resíduos e a fuligem ficam sempre em nós mesmos.

domingo, 14 de março de 2010

"Grupite" - uma doença grave

1. Já lá vão muitos anos. Havia convidado aquele homem a participar na Missa dominical. Era uma pessoa séria que, por descuido e arrastamento, perdera o hábito da participação na Eucaristia. E agora, embora não se sentisse bem consigo próprio, faltava-lhe a coragem do regresso. Falámos longamente. Decidiu que iria voltar a participar. E foi duas vezes...
Uns tempos depois encontrei-o desiludido e frustrado. Disse-me que não voltaria. Nas duas vezes em que fora, sentira olhares de soslaio, sorrisos irónicos, uma ou outra frase agressiva. Não se sentira acolhido!

2. O grupo de jovens estava num magusto. Muita alegria e boa disposição. Apareceram três jovens que não faziam parte do grupo, mas que eram boa gente. O facto de apareceram já por si significava algum tipo de procura. Logo que os vi, procurei acolhê-los e que se sentissem bem. Mas o grupo fechou-se, não fez nada para os incorporar. Sentiram-se um corpo estranho e debandaram. Quando lhes saí ao encontro para os convidar a aparecerem mais vezes, disseram que não, que se sentiam "a mais", que o grupo não lhes ligou patavina...

3. Naquele ano, aparecera uma catequista nova a integrar o grupo de catequistas.O pároco saudou-a e deu-lhe as boas-vindas. Uma ou duas catequistas fizeram o mesmo. Os restantes nada disseram, mais, nenhum gesto tiveram. A pessoa sentiu-se mais, indesejada. Resistiu à tentação de debandar, porque sabia que o que ali a trouxera era a sua fé em Jesus e o seu amor pelas crianças.

Apenas e só três casos reais. Parece que não aprendemos nadinha com Jesus Cristo e continuamos a cultivar a DOENÇA da grupite. Fechamo-nos, não acolhemos calorosamente, não fazemos sentir a quem chega ou regressa a alegria que nos devia possuir o coração. Mostramo-nos frios, alheados e até contrários à chegada ou à regresso das pessoas.
Numa época em que muita gente se afasta, os cristãos continuam mergulhados no fechamento e nas lutinhas de grupos. Em vez de se abrirem com esperança e entusiasmo. E este é sem dúvida um pecado que brada aos céus! Onde está o "sal", "luz" e "fermento" que Jesus nos mandou ser??? Fechados, morremos; só quando nos abrimos, crescemos.

A Parábola do Filho Pródigo deste domingo, fala-nos de um Pai sempre em movimento. Sai para receber o filho desobediente; sai para receber o filho ressentido que não queria entrar na festa. Sai para acolher e festejar o regresso do filho "cabeça no ar" que na ânsia de "gozar a vida", trata o pai como “morto” e lhe pede a sua parte da herança; sai para ouvir o filho mais velho e procurar reacender nele, de novo, o amor apagado. Sai para os acolher a ambos na festa do perdão e do homem novo.
Há tanto em nós de filhos pródigos que fogem de Deus, revolando-nos no respeito humano, na imolação aos deuses do ter, poder e prazer...
Há tanto em nós de filhos mais velhos, rebolando-nos no cumprimento de deveres sem amor, no fechamento aos outros, na auto-convicção pútrida de que somos os melhores, de que já cá estamos há muito tempo, de que temos toda a verdade...

Para quando a alegria da festa, porque "porque este teu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’»?

sábado, 13 de março de 2010

sexta-feira, 12 de março de 2010

É esperada para breve uma carta de Bento XVI sobre pedofilia

Padres que abusaram sexualmente de crianças e jovens na Alemanha. Relatos de um ensino com alguma brutalidade no mesmo país...
Episcopado alemão que pede desculpa às vítimas de abusos físicos e sexuais do Clero...
PODE ler
AQUI


Só 94 dos 210 mil casos de abuso sexual (0,044 %) afectam pessoas ou instituições da Igreja católica na Alemanha.
Veja AQUI

O cardeal de Viena de Áustria reflecte sobre o celibato - Aqui e Aqui

Professor de Música atira-se ao rio para não enfrentar os alunos

Veja AQUI e AQUI


FNE defende responsabilização dos pais pelos actos dos alunos - Aqui

CDS-PP agenda debate de urgência sobre violência nas escolas - Aqui

quinta-feira, 11 de março de 2010

Leões que não "são lobo do homem"

Crianças escrevem a Jesus

Passse por AQUI e veja cartas que as crianças escreveram a Jesus. A inocência é mesmo uma maravilha!
Não perca! Solte a criança que continua a existir em si.

As maiores fortunas do planeta

Veja AQUI as vinte maiores fortunas do planeta.

O empresário da cortiça Américo Amorim ocupa a posição 212 na lista dos mil homens mais ricos do mundo, divulgada esta quinta-feira pela revista norte-americana 'Forbes' que revela que a fortuna avaliada de Amorim é de quatro mil milhões de dólares ou seja, quase três mil milhões de euros.
Por outro lado e na posição 655 aparece o homem forte da Sonae, Belmiro de Azevedo, cuja fortuna está avaliada nos 1,5 mil milhões de dólares o que representa cerca de 1, 1 mil milhões de euros. (Correio da Manhã)

O mexicano Carlos Slim, 70 anos, 53,5 mil milhões de dólares, é o homem mais rico do mundo.
Consegue imaginar o que são 53,5 mil milhões de dólares? (39,165 mil milhões de euros, penso eu, mas disto percebo pouco).
Não deixa de ser sintomático que, entre os vinte mais ricos do mundo, 7 sejam americanos, ou não fossem os Estados Unidos a pátria do capitalismo puro e duro...
No tocante à Europa, no rol dos 20 mais ricos, figuram 2 franceses, 2 suecos, um alemão, um espanhol, e um do Reino Unido. Aqui surpreendeu-me a Alemanha, motor económico da Europa. Só um?

Muitos destes colossos económicos custeiam programas humanitários ( Bill Gates, o 2º mais rico do planeta, tem mantido programas contra a fome em África) ou investem em programas de desenvolvimento científico...
Alguns vieram do nada ou do quase nada e fizeram-se. Graças ao trabalho, ousadia empresarial, inteligência.
Milhares e milhares de pessoas estão bem na vida graças aos postos de trabalho gerados por estas fortunas.

Mas num planeta onde diariamente morrem 100.000 pessoas de fome ou de consequências directas da desnutrição, justifica-se tamanha exuberância concentracionista? Afinal a terra é para todos ou só para alguns? Não açambarcarão uns tantos o lugar que pertence a milhões de pessoas à mesa da criação?

quarta-feira, 10 de março de 2010

Falar claro aos pais de hoje

"Sou catequista há 10 anos, comecei aos 18. Gosto muito deste meu serviço, que faço por Jesus Cristo e pelos meus catequizandos. No presente, estou com o 1º ano, já que, no ano passado, estive com o 10º. No meu grupo de catequese, é assim. Salvo raras excepções, um catequista pega nos meninos no 1º ano e acompanha-os até ao 10º ano.
Confesso que cada ano que passa se torna mais difícil. Os miúdos mais irrequietos e barulhentos, menor capacidade de concentração e bastante amorfos a toda a motivação. Dentro das minhas limitações, procuro preparar bem as sessões de catequese, tendo o cuidado de seleccionar os materiais que acho adequados.
Mas o que está a piorar mais a situação é a posição de muitos pais, não todos felizmente. Ou não colaboram, ou aparecem para criticar, barafustar, exigir e até denegrir.
Já tive a tentação de desistir. " Então uma pessoa está aqui gratuita e generosamente, a quer colaborar com os pais na educação humana e cristã dos seus filhos, e depois recebe como recompensa a indiferença, a crítica baixa e o insulto!? Hum, não vale a pena! Eles que catequizem os filhos, que a primeira obrigação pertence-lhes!"
Mas depois pensei que desistir era covardia. Os problemas não se vencem, desistindo, mas enfrentando-os. Que eu estava ali por causa de Cristo. Que ser baptizada era ser apóstola. Que a comunidade precisava de mim neste serviço. E continuo com a melhor vontade."

O testemunho desta catequista leva-me a enunciar uma série de pinceladas rápidas.

- Os primeiros e principais responsáveis pela educação cristã de seus filhos são os pais. Foi isso que assumiram quando celebraram o seu matrimónio e quando baptizaram os filhos.

- A catequese paroquial vem em auxílio dos pais, ajudando-os a cumprir a sua missão de educadores da fé.

- "Quem meu filho beija, minha boca adoça", diz o povo. A gratidão dos pais para com quem ajuda os filhos a crescer humana e espiritualmente deve ser permanente. Ainda mais quando se trata de catequistas, porque o fazem gratuitamente.

- Chega de "papás" e de "mamãs"! Precisamos - e os filhos ainda mais- de PAIS E DE MÃES a sério. Pais que assumem o seu papel de adultos junto dos filhos. Pais que educam. E EDUCAR É MUITAS VEZES CONTRARIAR!!! Pais que amam mesmo, e porque amam, educam na e para a exigência.

- Enquanto os catequistas tentam formar cristãos, do outro lado temos alguns pais que apenas querem "coleccionar" sacramentos (comunhões, crisma, etc). Sacramentos sem muita catequese são como visitas aos museus de olhos vendados!

- Meninos que vão à catequese e depois não participam na Eucaristia. São como jogadores que treinam, treinam, treinam, mas depois se recusam a jogar... Para quê o treino então??? Claro que se os pais não vão, não os acompanham à Eucaristia, o esforço da catequese para que os mais novos frequentem cai por terra. É que o exemplo é tudo...

- Muitos pais vivem hoje o "complexo da psicologite". "Ai, não se pode olhar com olhar ameaçador para a criança!... Ai, não se pode ralhar com a criança... Ai não se pode aplicar um castigo à criança!... Pode ficar traumatizada!" Está bem. Continuem assim! Amanhã quando "elas vos cairem no lombo", acordareis. Mas então só recebereis o que semeates. Pena é dos que sofrem pela vossa incúria.

- Pais que só aparecem na escola para saber as notas e na catequese para saber se o menino faz as comunhões. Nunca se preocupam com o importante! Se o filho falta ou não falta, que apoio é preciso dar, se ele se comporta bem, se é colaborante, se é educado... Esquecem que pode ter muitos cursos superiores, mas se não tem educação, poderá ser um monstrozinho... Os casos não faltam na comunicação social.