sexta-feira, 24 de março de 2017

Se passa a vida a dizer que não tem tempo, então nunca terá tempo!

video
À conversa com um Tuaregue...

Neve em grande nas redes sociais

Foto de Susana Gouveia.
Foto de Carlos Lopes.
Neste momento, segundo acabo de ler, a temperatura nesta zona  é negativa (-1 grau)
Ontem à tarde, de noite, e hoje nevou. De manhã o panorama era o das fotos.
Lembramos que a primavera é um bebé acabado de nascer. Recordamos que os últimos dias de inverno apresentaram uma temperatura de veraneio.
 Não admira, por isso, que as redes sociais estejam pejadas de fotos da neve. Por um lado, a neve proporciona paisagens lindíssimas; por outro, é a surpresa, já que nesta altura não se esperava que o manto branco envolvesse a natureza.
Neste momento o que era espectável era o branco das cerejeiras que, já de si, proporciona um belo espetáculo visual. Como se a natureza quisesse mostrar-se solidária com a floração, ampliando o manto branco.
O pior são o gelo e as geadas que podem deitar a perder todo o esforço florido das árvores.
Manto branco de paz. Quando atentados terroristas surgem em Londres, quando as armas atroam e troam em tantas zonas do planeta, a natureza vem convidar-nos para o noivado da paz.
Seremos capazes de escutar o seu convite?

quarta-feira, 22 de março de 2017

PROGRAMA DO CONGRESSO


PROGRAMA DO CONGRESSO
INSCREVA-SE
AQUI

"OS MONUMENTOS E A HERÁLDICA DO MUNICÍPIO DE TAROUCA"


A apresentação pública do Livro realizar-se-á no dia 04 de Junho de 2017, pelas 14h30, no Mosteiro de Santa Maria de Salzedas.

terça-feira, 21 de março de 2017

A primavetra começou no dia 20 de março, às 10h29


A primavera não é apenas uma estação exterior, nem se resume a um assunto climático ou botânico, mas tem uma aceção inevitavelmente humana. A primavera é tanto uma questão de fora como de dentro.
Veja aqui

São José


domingo, 19 de março de 2017

Feijoada Solidária em favor do Centro Paroquial Santa Helena da Cruz

Em 19 de março, no Centro Paroquial, a Associação Intergeracional ELAS dinamizou um almoço - Feijoada Solidária - em favor do Centro Paroquial Santa Helena da Cruz.
A esta Associação coube a iniciativa que implementou com sucesso, já que foram muitas as pessoas que marcaram presença.
As senhoras ligadas à  Associação Intergeracional ELAS foram inultrapassáveis na preparação deste almoço, na sua confeção e na maneira delicada e ágil como o serviram.
A refeição estava realmente boa, a "pinga" era igualmente boa, havia outras bebidas e, para quem não gostasse de feijoada, tinha a alternativa frango. As sobremesas, de sabor tradicional, agradaram aos paladares.
As dezenas de pessoas presentes mostraram-se contentes com o serviço e reinou um ambiente de calma e de são convívio entre todos.
Porque o tempo revestiu o melhor fato, as pessoas não se demoraram por lá, o que é mais do que compreensível.
Para os elementos da Associação, o trabalho continuou pela tarde dentro, pois era preciso deixar tudo limpo e arrumadinho.
Parabéns às pessoas que aceitaram o convite e estiveram presentes.
Parabéns à Associação Intergeracional ELAS pela iniciativa, pelo trabalho e pela competência com que levaram a efeito este almoço.
O Centro Paroquial agradece-lhe o gesto generoso, agradecimento extensivo a quem, de uma forma ou de outra, deu a sua colaboração.

quinta-feira, 16 de março de 2017

Uma Cooperativa-Restaurante?


Existe nesta zona uma boa porção de gente que tem muito jeito para a cozinha. Homens e mulheres que são excelentes cozinheiros.
Quando os sabores tradicionais correm risco de apagamento face aos novos paladares (quase sempre importados), precisamos de preservar o que é nosso, a riqueza e variedade da nossa dieta alimentar, por sinal saudável.
Além disso, é o tradicional que os que nos visitam procuram, já que as ementas da moda eles têm-nas nos seus locais de origem. Mesmo entre nós há quem tenha saudades do "Tasquinho do sr. Beto" onde sempre se podia usufruir de um lanche ou de uma refeição bem à portuguesa.
A criação de um restaurante- cooperativa daria emprego a muita gente que já não tem idade de procurar um emprego, mas que ainda está muito válida e com muito para dar e ensinar. Possibilitaria ainda a formação de gente nova que pudesse continuar depois o projeto.
Com este projeto, conseguir-se-ia:
- Dar trabalho e remuneração a gente que os não têm;
- Fazer um levantamento de pratos típicos nas freguesias do Concelho;
- Escoar produtos regionais, estimulando assim a agricultura e pecuária;
- Recolher as melhores variedades de vinho locais, estimulando a preservação da qualidade do mesmo;
- Preservar a genuinidade dos sabores tradicionais locais;
- Criar emprego às novas gerações que gostam da restauração;
- Desenvolver o espírito de cooperação e de entreajuda;
- Atrair mais gente ao concelho, aumentando a capacidade financeira do mesmo;


Adquirir uma casa antiga num Centro Histórico das nossas localidades, conservando-a e readaptando-a para o efeito, era uma maravilha... Desde que tivesse local de estacionamento e fácil acesso às  estradas.
Não haverá possibilidade de candidatura a fundos europeus ou outros para este efeito?

quarta-feira, 15 de março de 2017

D. Manuel Martins felicita o Sopé da Montanha


Via email, recebemos de D. Manuel Martins, Bispo Emérito de Setúbal, o texto que aqui publicamos.
Obrigado, senhor Bispo, pela palavra de apoio, pelo incentivo, pela atenção ao nosso humilde jornal. Procuraremos ser dignos deste incentivo, vindo de tão ilustre cidadão.

"Senhor Diretor,

Quero agradecer uma vez mais o vosso mui interessante SOPÉ DA MONTANHA.

Hoje, de forma especial o artigo  QUE CAMPANHA AUTÁRQUICA QUEREMOS?, que devia ser difundido por todo o país. Impossível viver com esta incompreensível e inaceitável desordem.



               Votos de Santa Páscoa.  
    
M. Martins "

terça-feira, 14 de março de 2017

I love the spring!



 
Foi bom e foi belo ver a Primavera a sorrir quando tanto Outono da vida nos ameaça com invernos de dor, isolamento e sofrimentos...
A Primavera afirma o poder da vida sobre a morte, a alegria da esperança sobre a dor, a policromia das cores sobre a monocromia da limitação, a elegância da ressurreição sobre os escombros da dor, o triunfo da solidariedade sobre os invernos do egoísmo, a diversidade dos odores sobre o tétrico odor do desespero.
Foi este o abraço  da  natureza  que nos  os evolveu neste dia de visita aos doentes.

segunda-feira, 13 de março de 2017

domingo, 12 de março de 2017

GASPTA - Lanche da Solidariedade


 

O GASPTA promoveu um Lanche Solidário que se realizou no dia 12 de Março  às 16 horas  no Centro Paroquial Santa Helena da Cruz. Teve como principal objetivo angariar fundos para a compra de cadeiras de rodas para serem emprestadas às pessoas que delas precisam e não têm meios para as comprar.

Durante o lanche foram servidos várias espécies de crepes, de acordo com o gosto de cada um. Havia ainda várias bebidas.
Saliente-se o trabalho, dedicação e boa disposição dos elementos do GASPTA que prepararam, confecionaram e serviram o lanche.
Saliente-se igualmente a afabilidade, simpatia e  boa convivência que se sentiram entre as pessoas que marcaram presença.
O artista que tocou e cantou  encantou pela simplicidade, pela música e pelo sentido de presença.

 
 
 


 





 
 


 
  
 
  

 


Foi um belo momento marcado pela disponibilidade, serenidade, amizade e partilha, já que "quando todos ajudam, tudo se torna mais fácil.
Parabéns ao GASPTA pela iniciativa solidária, pelo trabalho e competência postos ao serviço dos que acorreram, pela preocupação pelos que mais precisam.
Obrigado ao músico.
Obrigado a todos os que marcaram presença, afirmando por atos que a Quaresma é também caridade.
Foto de Gaspta.


Algumas pessoas, sobretudo vindas de fora da freguesia, mas não só, quiseram visitar todo o Centro Paroquial que lhes foi apresentado pelo Pároco.
Os visitantes admiraram o edifício, deram os parabéns ao pároco e à comunidade paroquial pelas valências que o mesmo apresenta e valorizaram o expecto construtivo.
Obrigado a todos pelo incentivo.

sábado, 11 de março de 2017

SÓ E A SÓS


A solidão!

Quantas pessoas sós! Quantas pessoas a enfrentarem sozinhas situações complicadas na vida.

 Há momentos em que a solidão nos pode surpreender mais dolorosamente.

Aquela mãe perdeu o filho ainda tão novo. E ficou uma grande ferida no seu coração. Uma ferida que custa a curar. Ninguém sente a dor daquele vazio como ela.

Aquele homem perdeu a esposa; aquela mulher perdeu o marido. E lá ficam os últimos anos da vida carregados de solidão…

 Foi a criança, o adolescente, o jovem… Perderam o pai, ou a mãe, ou os pais… Tão cedo… Apesar de tanta gente amiga e de muitas ajudas, às vezes sentem-se muito sozinhos a enfrentar a vida.

A solidão é uma cruz. É pesada a cruz da solidão.

Estas situações de solidão facilmente as percebemos. Mas há outros tipos de solidão, que podem ser também bem dolorosas.

 Sim! Por exemplo a solidão dos justos que se esforçam pelo bem e são maltratados.

A solidão de quem erra e se sente rejeitado. A solidão de quem feriu ou se sente ferido pelo coração do amigo que lhe fez tanto bem.

A solidão de quem está no meio de muita gente, mas pressente que está só. Poucos amigos tem.

A solidão de quem tem de tomar decisões difíceis para o bem de todos na fidelidade à sua consciência.

A solidão de quem está a abrir caminhos novos, de futuro.

A solidão da vida em família, quando as pessoas habitam o mesmo espaço físico, mas os corações parecem distantes.

A solidão dos lares desfeitos, que deixam corações magoados e ressentidos e põem os filhos a andar do pai para a mãe e da mãe para o pai, buscando migalhas de segurança e carinho.

A solidão é uma cruz. É pesada a cruz da solidão.

 Na verdade, a solidão é uma realidade na nossa vida. Mas estará ele condenada a destruir-nos? Tornará ela fatalmente a nossa vida demasiado dura e pesada?

Não! Sabemos que não! Há um outro modo de olhar a solidão.

 Precisamos de momentos em que nos sintamos a “sós”. É importante para mergulharmos no sentido mais profundo da nossa existência.

 O estar a “sós” pode ajudar-nos a:

- amadurecer na nossa identidade como pessoas;

- percecionar melhor o valor dos outros e a reconhecer a sua importância benfazeja na nossa vida;

- reconhecer e aceitar melhor os nossos limites e fragilidades;

-  acolher e interiorizar melhor a Deus como a grande e fiel presença amiga em todas as situações da vida;

- voar no sonho, idealizar projetos, amadurecer decisões;
- encontramo-nos connosco mesmos num mundo de ruído e confusão.

"Não vou só. Tenho um Amigo a meu lado. Eu sei que Deus vai comigo."

A SOLIDÃO DESAFIA-NOS:
- à solidariedade, à presença, à ajuda;
- a termos cuidado  com os nossos olhares, gestos e palavras para que ninguém se sinta abandonado, ferido , sozinho;
- a sermos criativos na maneira de abordarmos os outros para evitar que se fechem;
-  Evitar sempre o Bullying, denunciando a quem de direito quem o pratica;
- à caridade que ajuda a levar a cruz do irmão que está em solidão;
- à abertura aos outros, a sair do nosso mundo fechado, a encontro.