quinta-feira, 3 de dezembro de 2020

 "Ingratidão é uma forma de fraqueza. Jamais conheci homem de valor que fosse ingrato."

Johann Goethe

terça-feira, 1 de dezembro de 2020

Uma frase de JOHN LENNON, que me arrepia absolutamente:

“Não interessa quem tu amas, onde é que amas, porque é que amas, quando é que amas ou como é que amas, o que interessa é que amas”.
Soa-me a um egoísmo atroz, inqualificável, desumano..
Como é possível amar, passando por cima de tudo e de todos''???
Mas alguém poderá ser feliz semeando dor, sofrimento, lágrimas, angústia, desolamento!?
Ninguém é Feliz sozinho. A não ser que seja um monstro, que transforma a infelicidade dos outros EM PSEUDO-FELICIDADE própria...
Ama, sofrendo; nunca há amor onde fazes sofrer aqueles que dizes que amas...

segunda-feira, 30 de novembro de 2020

NEM TUDO É MAU

«Se o meu filho muitas vezes não limpa o quarto e está a ver televisão, é porque está em casa.
Se há desordem depois de uma festa, é porque estivemos rodeados de familiares e amigos.
Se há roupas que me estão apertadas, é porque tenho mais do que o suficiente para comer.
Se tenho trabalho a limpar a casa, é porque a tenho.
Se oiço queixas acerca do governo, é porque tenho liberdade de expressão.
Se não encontro estacionamento, é porque tenho carro.
Se me incomodam os gritos das crianças, é porque posso ouvir.
Se sinto cansaço no final do dia, é porque posso trabalhar.
Se o despertador me acorda todas as manhãs, é porque estou vivo».
In Facebook

sábado, 28 de novembro de 2020

Advento é tempo de “mudança e de esperança”

 

“O Deus do Advento vem para o meio desta pandemia, pega na nossa mão, muda o nosso coração e envia-nos a mudar a situação. Está aberta a oficina do Advento: enquanto uns se afadigam na vacina, outros nos hospitais, outros nos lares, nas farmácias, na padaria, empenhemo-nos todos em encher este mundo de Paz, de Esperança e de ‘Bom-Dia’, à imagem e sob a proteção maternal de Maria”.

(Bispos Portugueses)

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

Entendamos que não se cura um amor com um novo amor... Cura-se com amor-próprio...



quinta-feira, 26 de novembro de 2020

APROVADO O ORÇAMENTO DE ESTADO

 

Orçamento do Estado 2021: As principais medidas que podem afetar a sua carteira: AQUI

quarta-feira, 25 de novembro de 2020

 


segunda-feira, 23 de novembro de 2020

*Piadas Atuais*

🦜- Troco massa, arroz e açúcar por papagaio. Preciso de falar com alguém.

🏃🏻‍♂- Se virem que saí do Grupo, adicionem-me outra vez. É o desespero para sair para algum lado.

🦸🏻‍♂- Nem nos meus sonhos mais loucos imaginei entrar mascarado no Banco.

✋🏻🤚🏻- Nunca pensei que as minhas mãos iam consumir mais álcool do que o meu fígado. Nunca...

💀- A Quarentena parece uma série da NETFLIX: Quando parece que vai acabar, vem mais uma temporada.

😷- A máscara até tem coisas boas... No supermercado passei por 2 tipos a quem devo dinheiro e nem me reconheceram.

📆- Queixaram-se que 2020 tinha poucos feriados. Como estão agora?

😜- Preciso de manter distância social com o frigorífico. Testei positivo para gordura abdominal.

👨‍👩‍👧‍👦 Alguém sabe se a segunda quarentena se repete com a mesma família? Ou podemos trocar?

🖥 Faltam duas semanas para que nos digam que faltam duas semanas para nos dizerem que faltam duas semanas...

⏳ Não vou acrescentar 2020 à minha idade. Nem sequer usei!

😟 Queremos nos desculpar publicamente com 2019 por tudo o que falamos mal dele.

🙎🏻‍♀ Essas mulheres que pediam a Deus que os maridos ficassem mais tempo em casa... Como estão?

🚰 A minha máquina de lavar roupa só aceita pijamas... Coloquei umas calças de ganga e ela mandou-me a mensagem #ficaemcasa 😷🏠.

🎉 O primeiro que eu vir 👁 em 31 de Dezembro a chorar pelo ano que se vai, vou enchê-lo de porrada.

💉 Depois de passar por toda esta angústia, só nos falta dizerem que a vacina será um supositório.

👨‍🦱👩🏼‍🦱 Sinto-me como se tivesse 15 anos novamente: Sem dinheiro na carteira, com o cabelo comprido, pensando no que fazer com a minha vida e sem permissão para sair.

domingo, 22 de novembro de 2020

 


sexta-feira, 20 de novembro de 2020

Paixão cega, arrebatadora, envolvente, hipnotizante.

Imagem relacionada
A princípio umas conversas, umas brincadeiras, contactos por telemóvel e internet...Depois surgiu a paixão que é sempre cega. Arrebatadora, envolvente, hipnotizante. Ele só via aquela pessoa, não existiam olhos nem coração para mais ninguém. O resto era paisagem.Em casa iam surgindo as mentiras, cada vez mais requintadas para parecerem mais autênticas. Claro, a vítima era o trabalho. Na atividade profissional buscava e rebuscava desculpas para ausências físicas e anímicas. Tornara-se numa autêntica máscara de si mesmo. Mas que lhe interessava isso se se sentia uma labareda? A paixão, a que chamava amor, dominava-o, envolvia-o, queimava-o, cegava-o.Naquele domingo à noite, a esposa pedira-lhe que levasse a filha mais nova ao comboio no regresso à Universidade. Que não, que não podia, que estava à espera de um contacto importantíssimo da empresa, assunto inadiável...
A filha abraçou-o, beijou-o e murmurou: "Gosto muito de ti, papá! Amo-te muito". Ouviu mas não escutou. Respondeu com um leve gesto como quem despacha a cena. Estava em brasas.
Mal o carro que a esposa conduzia saiu da garagem em direção à estação do comboio, ligou, frenético, o computador. Aproveitar até ao tutano cada segundo para estar, conversar, ver a pessoa por quem estava apaixonado.
Durante o dia, de longe em longe, irrompia do fundo da sua alma a frase da filha: "Gosto muito de ti, papá!" Procurou afastar rapidamente essa memória. Era perturbante para o fogo "amoroso". E isso ele não queria. O que lhe agradava era sentir-se imerso na espuma fofa da paixão.
Mas à medida que o dia avançava, a lembrança das palavras e gesto da filha tornavam-se mais persistentes como espinho que se vai cravando na carne. A noite foi complicada. Deu voltas e voltas na cama, levantou-se várias vezes, tomou uma bebida, deitou as mãos á cabeça. Parou junto do espelho da sala e olhou-se. Discretamente a esposa, envolvida no roupão, apareceu, colocou-lhe suavemente as mãos à volta do pescoço e sussurrou: "Que tens, meu querido!?" Instintivamente recorreu à carapaça da mentira: "Nada, problemas no trabalho!" Então olhou-se no espelho e, pela primeira vez desde que o caso começou, experimentou vergonha de si mesmo, sentiu-se um fantoche, sentiu o ridículo da máscara.
Nos dias imediatos, bailou-lhe na alma uma frase que ouvira à sua avó há muitos anos: "As paixões são como a chuva de trovoada, encharcam, mas não molham."
Começou a sentir-se menos bem nos contactos com a pessoa por quem se apaixonara, embora lhe continuasse a ser agradável. O dilema punha-se. Ou largava a mulher e os filhos que o amavam ou largava a sua paixão e regressava à família. Já não suportava mais a máscara da mentira. Sabia até que, mais cedo ou mais tarde, tudo seria conhecido e sabe Deus com que consequências.
Não, não se imaginava afastado da sua família, abandonado por esta, desprezado. Não aguentaria tal. Seria um infeliz. Por mais agradável, chamariz, queimante que fosse a pessoa por quem se apaixonara, o gelo da sua infelicidade viria a acabar com o fogo da paixão. E então seria ainda mais infeliz e deixaria mais alguém infeliz.
Tomou uma decisão. Não queria mais ser barco ao sabor das vagas alterosas da paixão. A partir de agora, tomaria o leme do seu próprio barco.
Não foi fácil para ele acabar a relação com a pessoa. Nem por ele nem pela pessoa que aperfeiçoou estratégias para o segurar. Primeiro, afetivamente; depois, vitimizando-se; por fim, ameaçando...
Pássaro livre, amadurecido e corajoso, seguiu o seu caminho. Terminou!
Nesse dia, sensibilidade partida, chegou a casa, abraçou a mulher, beijou-a e disse-lhe com todo o sentir do seu ser: "Amo-te!" Depois pegou no telemóvel e ligou a cada filho: "Amo-te, filho (a)!"
Algum tempo depois, recebe um telefonema da pessoa com quem tivera uma relação apaixonada. Tentou não atender. Mas estava tão ciente do que queria que atendeu. Do outro lado da linha, a voz quente que lhe havia queimado os sentidos, surpreendeu-o: " Dou-te os parabéns pela coragem e pela decisão. Sofri muito como calcularás. Mas compreendo agora que jamais me poderias fazer feliz, sendo tu infeliz!" Sê feliz na tua família que eu procurarei o meu rumo. Até sempre!"

Não vives só no mundo. Não és o centro da história. Ninguém é feliz sozinho. Na vida não vale tudo! Por isso tem em conta quem tu amas, onde é que amas, porque é que amas, quando é que amas ou como é que amas.

 


quinta-feira, 19 de novembro de 2020

NÓS NÃO TEMOS FÉ; A FÉ É QUE NOS TEM


1. Quem não falha uma romaria, mas falta sempre à Eucaristia, terá fé?
Quem venera as imagens de Nossa Senhora e dos Santos, mas sem parar diante do Sacrário, terá fé?
2. O problema reside precisamente aqui, em «ter» fé. É que na fé não se trata de «ter», mas de «ser tido».
Quem «tem» fé propende a fazer a sua vontade, mesmo em relação a Deus. Já quem «é tido» pela fé procura dar prioridade à vontade de Deus (cf. Mt 6, 10).
3. É a diferença entre uma qualquer promessa e participar na Eucaristia.
No primeiro caso, estamos diante de uma decisão pessoal. No segundo, encontramo-nos perante a resposta a uma proposta: «Fazei isto em memória de Mim» (1Cor 11, 23).
4. Os sentimentos religiosos de cada um merecem, sem dúvida, o maior respeito.
Mas a fé é outra coisa: é fazer, não necessariamente o que nos apraz, mas o que Deus — em Cristo pela Sua Igreja — nos indica.
5. A fé não é possessiva, mas oblativa.
Assim, sendo, não somos nós que temos a fé; a fé é que nos tem, a nós.
6. Não é o homem que se impõe a Deus; é Deus que Se propõe a nós.
Até Roger Garaudy percebeu que «a fé está em nós, mas não é de nós». É por isso que, na fé, não existe «autarquia», mas uma «autonomia teónoma».
7. A iniciativa não nos cabe a nós; quem toma a iniciativa é Deus (cf. Ap 3, 20).
Neste sentido, a fé consiste em viver «ad Deum» (para Deus), «secundum Deum» (segundo Deus) e «in Deo» (em Deus).
8. A Igreja é fundamental para a fé.
Aliás, é o que os nossos lábios afirmam. No Credo, proclamamos que «cremos em Deus» e professamos que «cremos em Igreja».
9. O latim estabelece uma distinção que nos ajuda a compreender o que estamos a dizer.
Enquanto Deus é precedido de «in» («Credo in Deum»), a Igreja aparece logo a seguir a «Credo» («Credo Ecclesiam). Isto significa que «cremos em Deus “dentro” da Igreja».
10. Duas palavras bíblicas ilustram a solidez da fé: «emunah» e «ámen». Com a primeira, expressamos firmeza e lealdade. Com a segunda, sinalizamos adesão e disponibilidade.
Jesus é o grande «ámen» do Pai, a «testemunha fiel e verdadeira» (cf. Ap 3, 14). Que, em Jesus, vivamos sempre para Deus!
João António Teixeira, Facebook

quarta-feira, 18 de novembro de 2020

Tarouca é Natal com o Comércio Tradicional

 



















O objetivo é incentivar os munícipes para que escolham o comércio local para realizar as suas compras, onde existem mais condições de segurança.

Esta é a oportunidade para que cada um dos tarouquenses devolva a merecida confiança ao comércio local, usufruindo de mais segurança e de pura empatia e alavancando também o sentimento de pertença e identidade territorial.

Com esta iniciativa ambiciona-se aumentar a atividade do comércio local, objetivo que assume particular importância neste contexto de crise pandémica, em que temos o dever cívico de permanecer no domicílio, evitar deslocações desnecessárias e aglomerados de pessoas.

Este ano, consequência desta crise pandémica, o comércio local arrecadou perdas muito significativas, colocando mesmo em causa a sustentabilidade de algumas estruturas comerciais, pelo que urge repensar cada uma das políticas e estratégias que têm vindo a ser desenvolvidas.

É neste sentido que o executivo municipal decidiu premiar aqueles que optam por fazer as suas compras no comércio tradicional, atribuindo um voucher de 25€ por cada 100€ em compras realizadas (pode ser valor acumulado de várias compras), de 21 de novembro a 31 de dezembro de 2020, nas lojas aderentes. O voucher poderá ser utilizado até ao dia 31 de março de 2021 num restaurante aderente do Concelho de Tarouca.

Esta iniciativa pretende funcionar como um balão de oxigénio para a restauração, um dos setores que tem sido fortemente fustigado pelos efeitos colaterais da pandemia COVID19, alavancando em simultâneo o incentivo às compras no comércio tradicional, motor essencial para o desenvolvimento da economia local.

Os vouchers poderão ser levantados na Loja Interativa de Turismo de Tarouca, mediante a apresentação dos talões de compra. 
Município de Tarouca, Facebook

segunda-feira, 16 de novembro de 2020

O Vasco e o gato....

 




Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa



A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.
Em declarações à agência Ecclesia, Rita Valadas considerou que o novo cargo, no contexto da actual pandemia, é um trabalho com um desafio acrescido, por não conseguir “chegar tão perto” das pessoas como seria desejável.
“O maior benefício da Cáritas é chegar muito perto das pessoas e agora não o podemos fazer. Mas equacionaremos todas as hipóteses e soluções” para poder servir quem precisa, afirmou Rita Valadas.
A nova presidente da Cáritas é licenciada em Política Social e trabalhou no Departamento de Ação Social na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.

domingo, 15 de novembro de 2020

Balada da Caridade

terça-feira, 10 de novembro de 2020

MENSAGEM DO SANTO PADRE FRANCISCO PARA O IV DIA MUNDIAL DOS POBRES - 15 DE NOVEMBRO DE 2020

 «Estende a tua mão ao pobre» (Sir 7, 32)


«Estende a tua mão ao pobre» (Sir 7, 32): a sabedoria antiga dispôs estas palavras como um código sacro que se deve seguir na vida. Hoje ressoam com toda a densidade do seu significado para nos ajudar, também a nós, a concentrar o olhar no essencial e superar as barreiras da indiferença. A pobreza assume sempre rostos diferentes, que exigem atenção a cada condição particular: em cada uma destas, podemos encontrar o Senhor Jesus, que revelou estar presente nos seus irmãos mais frágeis (cf. Mt 25, 40).

1. Tomemos nas mãos o Ben-Sirá, um dos livros do Antigo Testamento. Nele encontramos as palavras dum mestre da sabedoria que viveu cerca de duzentos anos antes de Cristo. Andava à procura da sabedoria que torna os homens melhores e capazes de perscrutar profundamente as vicissitudes da vida. E fê-lo num período de dura prova para o povo de Israel, um tempo de dor, luto e miséria por causa da dominação de potências estrangeiras. Sendo um homem de grande fé, enraizado nas tradições dos pais, o seu primeiro pensamento foi dirigir-se a Deus para Lhe pedir o dom da sabedoria. E o Senhor não lhe deixou faltar a sua ajuda.

Desde as primeiras páginas do livro, Ben-Sirá propõe os seus conselhos sobre muitas situações concretas da vida, sendo a pobreza uma delas. Insiste que, na contrariedade, é preciso ter confiança em Deus: «Não te perturbes no tempo do infortúnio. Conserva-te unido a Ele e não te separes, para teres bom êxito no teu momento derradeiro. Aceita tudo o que te acontecer e tem paciência nas vicissitudes da tua humilhação, porque no fogo se prova o ouro, e os eleitos de Deus no cadinho da humilhação. Nas doenças e na pobreza, confia n’Ele. Confia em Deus e Ele te salvará, endireita os teus caminhos e espera n’Ele. Vós que temeis o Senhor, esperai na sua misericórdia, e não vos afasteis, para não cairdes» (2, 2-7).

2. Página a página, descobrimos um precioso compêndio de sugestões sobre o modo de agir à luz duma relação íntima com Deus, criador e amante da criação, justo e providente para com todos os seus filhos. Mas, a constante referência a Deus não impede de olhar para o homem concreto; pelo contrário, as duas realidades estão intimamente conexas.

Demonstra-o claramente o texto donde se tirou o título desta Mensagem (cf. 7, 29-36). São inseparáveis a oração a Deus e a solidariedade com os pobres e os enfermos. Para celebrar um culto agradável ao Senhor, é preciso reconhecer que toda a pessoa, mesmo a mais indigente e desprezada, traz gravada em si mesma a imagem de Deus. De tal consciência deriva o dom da bênção divina, atraída pela generosidade praticada para com os pobres. Por isso, o tempo que se deve dedicar à oração não pode tornar-se jamais um álibi para descuidar o próximo em dificuldade. É verdade o contrário: a bênção do Senhor desce sobre nós e a oração alcança o seu objetivo, quando são acompanhadas pelo serviço dos pobres.

3. Como permanece atual, também para nós, este ensinamento! Na realidade, a Palavra de Deus ultrapassa o espaço, o tempo, as religiões e as culturas. A generosidade que apoia o vulnerável, consola o aflito, mitiga os sofrimentos, devolve dignidade a quem dela está privado, é condição para uma vida plenamente humana. A opção de prestar atenção aos pobres, às suas muitas e variadas carências, não pode ser condicionada pelo tempo disponível ou por interesses privados, nem por projetos pastorais ou sociais desencarnados. Não se pode sufocar a força da graça de Deus pela tendência narcisista de se colocar sempre a si mesmo no primeiro lugar.

Manter o olhar voltado para o pobre é difícil, mas tão necessário para imprimir a justa direção à nossa vida pessoal e social. Não se trata de gastar muitas palavras, mas antes de comprometer concretamente a vida, impelidos pela caridade divina. Todos os anos, com o Dia Mundial dos Pobres, volto a esta realidade fundamental para a vida da Igreja, porque os pobres estão e sempre estarão connosco (cf. Jo 12, 8) para nos ajudar a acolher a companhia de Cristo na existência do dia a dia.

4. O encontro com uma pessoa em condições de pobreza não cessa de nos provocar e questionar. Como podemos contribuir para eliminar ou pelo menos aliviar a sua marginalização e o seu sofrimento? Como podemos ajudá-la na sua pobreza espiritual? A comunidade cristã é chamada a coenvolver-se nesta experiência de partilha, ciente de que não é lícito delegá-la a outros. E, para servir de apoio aos pobres, é fundamental viver pessoalmente a pobreza evangélica. Não podemos sentir-nos tranquilos, quando um membro da família humana é relegado para a retaguarda, reduzindo-se a uma sombra. O clamor silencioso de tantos pobres deve encontrar o povo de Deus na vanguarda, sempre e em toda parte, para lhes dar voz, defendê-los e solidarizar-se com eles face a tanta hipocrisia e tantas promessas não cumpridas, e para os convidar a participar na vida da comunidade.

É verdade que a Igreja não tem soluções globais a propor, mas oferece, com a graça de Cristo, o seu testemunho e gestos de partilha. Além disso, sente-se obrigada a apresentar os pedidos de quantos não têm o necessário para viver. Lembrar a todos o grande valor do bem comum é, para o povo cristão, um compromisso vital, que se concretiza na tentativa de não esquecer nenhum daqueles cuja humanidade é violada nas suas necessidades fundamentais.

5. Estender a mão leva a descobrir, antes de tudo a quem o faz, que dentro de nós existe a capacidade de realizar gestos que dão sentido à vida. Quantas mãos estendidas se veem todos os dias! Infelizmente, sucede sempre com maior frequência que a pressa faz cair num turbilhão de indiferença, a tal ponto que se deixa de reconhecer todo o bem que se realiza diariamente no silêncio e com grande generosidade. Assim, só quando acontecem factos que transtornam o curso da nossa vida é que os olhos se tornam capazes de vislumbrar a bondade dos santos «ao pé da porta», «daqueles que vivem perto de nós e são um reflexo da presença de Deus» (Francisco, Exort. ap. Gaudete et exsultate, 7), mas dos quais ninguém fala. As más notícias abundam de tal modo nas páginas dos jornais, nos sites da internet e nos visores da televisão, que faz pensar que o mal reine soberano. Mas não é assim. Certamente não faltam a malvadez e a violência, a prepotência e a corrupção, mas a vida está tecida por atos de respeito e generosidade que não só compensam o mal, mas impelem a ultrapassá-lo permanecendo cheios de esperança.

6. Estender a mão é um sinal: um sinal que apela imediatamente à proximidade, à solidariedade, ao amor. Nestes meses, em que o mundo inteiro foi dominado por um vírus que trouxe dor e morte, desconforto e perplexidade, pudemos ver tantas mãos estendidas! A mão estendida do médico que se preocupa de cada paciente, procurando encontrar o remédio certo. A mão estendida da enfermeira e do enfermeiro que permanece, muito para além dos seus horários de trabalho, a cuidar dos doentes. A mão estendida de quem trabalha na administração e providencia os meios para salvar o maior número possível de vidas. A mão estendida do farmacêutico exposto a inúmeros pedidos num arriscado contacto com as pessoas. A mão estendida do sacerdote que, com o coração partido, continua a abençoar. A mão estendida do voluntário que socorre quem mora na rua e a quantos, embora possuindo um teto, não têm nada para comer. A mão estendida de homens e mulheres que trabalham para prestar serviços essenciais e segurança. E poderíamos enumerar ainda outras mãos estendidas, até compor uma ladainha de obras de bem. Todas estas mãos desafiaram o contágio e o medo, a fim de dar apoio e consolação.

7. Esta pandemia chegou de improviso e apanhou-nos impreparados, deixando uma grande sensação de desorientamento e impotência. Mas, a mão estendida ao pobre não chegou de improviso. Antes, dá testemunho de como nos preparamos para reconhecer o pobre a fim de o apoiar no tempo da necessidade. Não nos improvisamos instrumentos de misericórdia. Requer-se um treino diário, que parte da consciência de quanto nós próprios, em primeiro lugar, precisamos duma mão estendida em nosso favor.

Este período que estamos a viver colocou em crise muitas certezas. Sentimo-nos mais pobres e mais vulneráveis, porque experimentamos a sensação da limitação e a restrição da liberdade. A perda do emprego, dos afetos mais queridos, como a falta das relações interpessoais habituais, abriu subitamente horizontes que já não estávamos acostumados a observar. As nossas riquezas espirituais e materiais foram postas em questão e descobrimo-nos amedrontados. Fechados no silêncio das nossas casas, descobrimos como é importante a simplicidade e o manter os olhos fixos no essencial. Amadureceu em nós a exigência duma nova fraternidade, capaz de ajuda recíproca e estima mútua. Este é um tempo favorável para «voltar a sentir que precisamos uns dos outros, que temos uma responsabilidade para com os outros e o mundo (...). Vivemos já muito tempo na degradação moral, baldando-nos à ética, à bondade, à fé, à honestidade (...). Uma tal destruição de todo o fundamento da vida social acaba por colocar-nos uns contra os outros na defesa dos próprios interesses, provoca o despertar de novas formas de violência e crueldade e impede o desenvolvimento duma verdadeira cultura do cuidado do meio ambiente» (Francisco, Carta enc. Laudato si’, 229). Enfim, as graves crises económicas, financeiras e políticas não cessarão enquanto permitirmos que permaneça em letargo a responsabilidade que cada um deve sentir para com o próximo e toda a pessoa.

8. «Estende a mão ao pobre» é, pois, um convite à responsabilidade, sob forma de empenho direto, de quem se sente parte do mesmo destino. É um encorajamento a assumir os pesos dos mais vulneráveis, como recorda São Paulo: «Pelo amor, fazei-vos servos uns dos outros. É que toda a Lei se cumpre plenamente nesta única palavra: ama o teu próximo como a ti mesmo. (...) Carregai as cargas uns dos outros» (Gal 5, 13-14; 6, 2). O Apóstolo ensina que a liberdade que nos foi dada com a morte e ressurreição de Jesus Cristo é, para cada um de nós, uma responsabilidade para colocar-se ao serviço dos outros, sobretudo dos mais frágeis. Não se trata duma exortação facultativa, mas duma condição da autenticidade da fé que professamos.

E aqui volta o livro de Ben-Sirá em nossa ajuda: sugere ações concretas para apoiar os mais vulneráveis e usa também algumas imagens sugestivas. Primeiro, toma em consideração a debilidade de quantos estão tristes: «Não fujas dos que choram» (7, 34). O período da pandemia constrangeu-nos a um isolamento forçado, impedindo-nos até de poder consolar e estar junto de amigos e conhecidos atribulados com a perda dos seus entes queridos. E, depois, afirma o autor sagrado: «Não sejas preguiçoso em visitar um doente» (7, 35). Experimentamos a impossibilidade de estar junto de quem sofre e, ao mesmo tempo, tomamos consciência da fragilidade da nossa existência. Enfim, a Palavra de Deus nunca nos deixa tranquilos e continua a estimular-nos para o bem.

9. «Estende a mão ao pobre» faz ressaltar, por contraste, a atitude de quantos conservam as mãos nos bolsos e não se deixam comover pela pobreza, da qual frequentemente são cúmplices também eles. A indiferença e o cinismo são o seu alimento diário. Que diferença relativamente às mãos generosas que acima descrevemos! Com efeito, existem mãos estendidas para premer rapidamente o teclado dum computador e deslocar somas de dinheiro duma parte do mundo para outra, decretando a riqueza de restritas oligarquias e a miséria de multidões ou a falência de nações inteiras. Há mãos estendidas a acumular dinheiro com a venda de armas que outras mãos, incluindo mãos de crianças, utilizarão para semear morte e pobreza. Existem mãos estendidas que, na sombra, trocam doses de morte para se enriquecer e viver no luxo e num efémero desregramento. Existem mãos estendidas que às escondidas trocam favores ilegais para um lucro fácil e corruto. E há também mãos estendidas que, numa hipócrita respeitabilidade, estabelecem leis que eles mesmos não observam.

Neste cenário, «os excluídos continuam a esperar. Para se poder apoiar um estilo de vida que exclui os outros ou mesmo entusiasmar-se com este ideal egoísta, desenvolveu-se uma globalização da indiferença. Quase sem nos dar conta, tornamo-nos incapazes de nos compadecer ao ouvir os clamores alheios, já não choramos à vista do drama dos outros, nem nos interessamos por cuidar deles, como se tudo fosse uma responsabilidade de outrem, que não nos incumbe» (Francisco, Exort. ap Evangelii gaudium, 54). Não poderemos ser felizes enquanto estas mãos que semeiam morte não forem transformadas em instrumentos de justiça e paz para o mundo inteiro.

10. «Em todas as tuas obras, lembra-te do teu fim» (Sir 7, 36): tal é a frase com que Ben-Sirá conclui a sua reflexão. O texto presta-se a uma dupla interpretação. A primeira destaca que precisamos de ter sempre presente o fim da nossa existência. A lembrança do nosso destino comum pode ajudar a conduzir uma vida sob o signo da atenção a quem é mais pobre e não teve as mesmas possibilidades que nós. Mas existe também uma segunda interpretação, que evidencia principalmente a finalidade, o objetivo para o qual tende cada um. É a finalidade da nossa vida que exige um projeto a realizar e um caminho a percorrer sem se cansar. Pois bem! O objetivo de cada ação nossa só pode ser o amor: tal é o objetivo para onde caminhamos, e nada deve distrair-nos dele. Este amor é partilha, dedicação e serviço, mas começa pela descoberta de que primeiro fomos nós amados e despertados para o amor. Esta finalidade aparece no momento em que a criança se cruza com o sorriso da mãe, sentindo-se amada pelo próprio facto de existir. De igual modo um sorriso que partilhamos com o pobre é fonte de amor e permite viver na alegria. Possa então a mão estendida enriquecer-se sempre com o sorriso de quem não faz pesar a sua presença nem a ajuda que presta, mas alegra-se apenas em viver o estilo dos discípulos de Cristo.

Neste caminho de encontro diário com os pobres, acompanha-nos a Mãe de Deus que é, mais do que qualquer outra, a Mãe dos pobres. A Virgem Maria conhece de perto as dificuldades e os sofrimentos de quantos estão marginalizados, porque Ela mesma Se viu a dar à luz o Filho de Deus num estábulo. Devido à ameaça de Herodes, fugiu, juntamente com José, seu esposo, e o Menino Jesus, para outro país e, durante alguns anos, a Sagrada Família conheceu a condição de refugiados. Possa a oração à Mãe dos pobres acomunar estes seus filhos prediletos e quantos os servem em nome de Cristo. E a oração transforme a mão estendida num abraço de partilha e reconhecida fraternidade.

Papa Francisconcisco

quarta-feira, 4 de novembro de 2020

Não há padres perfeitos

 Estamos na Semana dos Seminários (1 a 8 de novembro). Altura também para repensarmos a nossa ideia de padre a partir da humanidade e do Evangelho.

O padre é um ser humano com tudo o que isso acarreta de luz e de sombras. O povo diz isso quando afirma: "O padre é um homem como os outros". Ama, sofre, ilude-se e desilude-se, trabalha, sente, sonha, adoece, peca, tem defeitos e virtudes, cria hábitos, é capaz de ousadias e de estagnação, envelhece, precisa de momentos a sós e de comunicar com os outros, enerva-se, acalma-se, ri, chora... Não é nenhum super-homem, nem nenhum ser angelical. É HUMANO! O Sacramento da Ordem que fez dele sacerdote não lhe destruiu a humanidade.

Jesus não escolheu discípulos perfeitos. Pedro negou-o, Judas traiu-o, João e Tiago eram "filhos do trovão". No momento mais difícil da sua vida, viu-se abandonado por todos...

A todos - leigos, religiosos e padres - o Senhor lança os desafios, claros e sucintos: "Sede santos como o Pai do Céu é Santo"; "Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho"; "Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei". A cada um segundo o seu modo de vida, segundo a graça recebida, segundo o caminho que o Mestre indica.

Às vezes, hierarquia e povo de Deus exigem tanto do padre como se ele fosse um super-homem angélico. Não é nem tem de ser. Penso que uma atitude mais compreensiva e misericordiosa, mais humana e realista, ajuda muito mais ao crescimento humano, sacerdotal e eclesial do sacerdote. Mãos que levantam e erguem têm muito mais poder do que mãos que empurram e esmagam.

Queremos leigos, sacerdotes e religiosos que lutam com alegria pela santidade, pelo amor, pela missão. Cabe-nos a todos, na comunhão da Igreja, ajudarmo-nos uns aos outros, no acolhimento da diversidade de caminhos.