terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Iceberg

A nossa vida é como um iceberg: “só vemos o terço que está à superfície mas são os outros dois terços que estão debaixo de água que fazem mover todo o bloco”.
Imagem relacionada
É assim na vida pessoal, familiar e social.
Podemos gostar (ou não) daquilo que uma pessoa é, diz ou faz. Isso é apenas a ponto do iceberg. O esforço que faz, o treino que realiza, as reflexões que executa, esses não se veem.
Apreciamos a refeição. Mas nem ligamos à preocupação da dona de casa para a imaginar, arranjar os precisos, a confecionar e servir...
Apreciamos uma obra pública. Mas nem nos apercebemos das dores de cabeça, das reuniões, da papelada, das burocracias, das angústias económicas de quem teve a iniciativa e a superentende...
Aplaudimos um espetáculo. Mas nem ligamos a quem o preparou, ensaiou, trabalhou. As horas que perdeu e as enervações que teve.
Somos assim. Ficamos apenas no terço do iceberg que se vê. São-nos indiferentes os 2/3 do iceberg que, invisíveis (porque debaixo de água) o movimentam.
O mais importante é sempre aquilo que  não se vê!
Então precisamos todos de arregalar os olhos do coração para enxergarmos o importante.

Concerto solidário


Foto de José Damião.
Na tarde do último domingo, decorreu no Auditório Municipal de Tarouca um concerto solidário. Apoiado por um coro lindo de crianças, Valdemar Pereira cantou e encantou. Cantou maioritariamente canções da sua autoria.
A muita gente presença deu por bem empregue o tempo.
Com as ofertas em géneros das pessoas e com a receita do espetáculo, criaram-se fundos que visam apoiar famílias mais carenciadas do concelho.
Por motivos pastorais, não pude estar presente. Mas iniciativas destas merecem sempre o meu apoio a quem as toma.

domingo, 10 de dezembro de 2017

Arciprestado Armamar/Tarouca: Conselho Pastoral Arciprestal


Decorreu na tarde deste dia 10 de dezembro, em Salzedas, uma reunião do Conselho Pastoral Arciprestal, sob a presidência do Arcipreste, P.e Mergulhão.
Depois de um momento de oração, o Arcipreste, servindo-se do power point, fez a apresentação da Carta Pastoral do nosso Bispo, Sr. D. António Couto.
Seguidamente, fez-se a enumeração das principais ações pastorais inseridas no Plano de Pastoral Diocesano.
Em trabalho de grupo, estudaram-se as ações pastorais que se possam realizar, neste ano de 2017/2018, no Arciprestado e (ou) nas Zonas Pastorais de acordo com o Plano Pastoral Diocesano ou outras, concluindo-se com o plenário.
Apesar do tempo chuvoso e das diversas atividades que este tempo antes do Natal sempre propicia, esteve presente um número significativo de leigos e muitos párocos.
O Conselho Pastoral, seja paroquial, arciprestal ou diocesano, oferece-nos sempre a riqueza do pulsar da Igreja, com pontos de vista diferentes,  experiências variadas, caminhadas e sensibilidades diversas, carismas e talentos  complementares. Assim se constrói a unidade, na atenção "àquilo que o Espírito diz à Igreja."






quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Muitos querem a Missa quando lhes apetece, mas poucas vezes lhes apetece quando deveriam querê-la


A Missa é o centro da vida cristã, mas ainda é mais importante a vida cristã.
Para muitos, a Missa é apenas um número da festa. Mas a festa é que deveria ser um número em relação à Missa.
Um casal celebra as suas Bodas de Ouro ou de Prata? Quer Missa.
Uma  associação qualquer está em festa? Quer Missa.
Há um acontecimento relevante? Quer Missa.
Um povo quer realizar uma festa popular? Quer Missa.
Uma pessoa nunca pôs os pés na Igreja enquanto viva? Pois, mas quando morre tem que ter Missa de Corpo Presente e de 7º dia...
Etc, etc.
Às vezes parece que a única coisa que as pessoas sabem solicitar ao padre é a celebração da Missa.
Mesmo quando ao domingo, quando deveriam todos querê-la, não apareçam.
As pessoas pedem encontros de formação? Não. As reuniões de formação cristã são tidas por muitos como "uma seca".
As pessoas procuram o sacerdote para a confissão? Raramente, porque "eu não tenho pecados."
As pessoas procuram fazer experiência de oração? Não, isso também não tem grande procura.
As pessoas preocupam-se e querem analisar com outros novos caminhos pastorais a percorrer? Quase nunca.
Nem a questão bíblica merece grande atenção....
Parece que muitos se contentam com uma religião de fachada e de tradições, como procissões... Noutras ocasiões, querem a cerimónia religiosa "como mero nº da festa".
Uma fé à medida dos gostos de cada um, como um fato que se veste ou tira conforme os momentos.
Um fé sem exigências, meiguinha e melíflua, que não mexa com a vida, mas que diga amen a cada situação.
Dito de outra maneira, uma fé que pouco ou nada tem de Evangelho.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

domingo, 3 de dezembro de 2017

"Não passem o dia inteiro ao telemóvel"

Foto de Carlos Lopes.
Falando a jovens universitários, o Papa Francisco convidou-os a dar mais atenção à família e às gerações mais antigas.
"Falem com os vossos pais e avós, não passem o dia inteiro ao telemóvel , ignorando o mundo à vossa volta", pediu o Papa.

sexta-feira, 1 de dezembro de 2017

43º Aniversário da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Tarouca

1 de dezembro, com muito frio.  A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Tarouca comemora o seu 43º aniversário.
O hastear das bandeiras deu "início oficial às comemorações. Após a Eucaristia, teve lugar a receção às entidades oficiais, seguindo-se a sessão solene e o desfile motorizado e apeado do Corpo de Bombeiros. O almoço de confraternização encerrou a comemoração aniversária.
Estiveram presentes, como habitual, os bombeiros de Bucelas, representantes de outras corporação de Bombeiros, entidades distritais e da Liga de Bombeiros. Autoridades civis concelhias, vários associados e algum público. Saliente-se ainda a presença de ex-responsáveis pelo Associação, entidades empresariais  e outros beneméritos.



Foto de José Damião.
 
Bombeiros...
Homens e mulheres que sempre que soa o alerta dizem “presente”, e sem questionarem o perigo ou perguntarem a quem vão fazer bem, avançam de forma destemida.
São assim os bombeiros, os nossos bombeiros em especial, gente simples, mas com enorme orgulho na farda que vestem e na causa que defendem.
Este é um dia de cerimónias e de um conjunto de situações protocolares, mas é para os nossos bombeiros um dia de festa, um dia de sincero convívio e partilha.
 Parabéns, caros Bombeiros! Obrigado pela vossa entrega e pela capacidade de todos dias tentardes fazer ainda melhor.
 
(Um agradecimento sincero ao Paulo Chaves e ao Zé Américo pela cedência da maioria das fotos aqui publicadas.) 

quinta-feira, 30 de novembro de 2017

Com a pressa do tempo, nunca vivemos o tempo

Foto de Carlos Lopes.
Quem frequentar as novas tecnologias ou reparar nos espaços comerciais, parece que já estamos no NATAL!!!
Olhem que não, só domingo é que se inicia o Advento!

 
Deixamos que o Natal se transforme numa feira e num espetáculo!
Já há gente a desejar Boas Festas!
Árvores de Natal por todo o lado!
Ceias de Natal marcadas em tudo o que é sítio ao longo destas semanas!
O messenger a ser invadido de temáticas natalícias!

 
Tudo fora de Tempo! E quando chegar o tempo, o tempo já não diz nada...
  
Vivamos o Advento, com empenho entusiasmo. Então depois saborearemos o encanto do Natal.
Esta sociedade apressada, nunca tem pressa de estar no presente!
Calma, não queime etapas! Deixe o Natal para o Natal. Agora é a hora do ADVENTO!

quarta-feira, 29 de novembro de 2017

UMA EXCELENTE NOTÍCIA: OS SEM-ABRIGO NO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2018

Foto de Joaquim Correia Duarte.
A Rede Europeia Anti-Pobreza - EAPN Portuga,l saudou hoje a aprovação do Plano de Ação 2017-2018 da Estratégia Nacional para a Integração da População em Situação de Sem Abrigo.
O objectivo do plano é a “melhoria da qualidade das respostas sociais existentes e o envolvimento ativo das próprias pessoas em situação de sem abrigo, no âmbito de uma avaliação participada da intervenção que é realizada”.
Com mais de 100 medidas, que serão suportadas por um orçamento de cerca de 60 milhões de euros, este Plano de Ação 2017-2018 da Estratégia Nacional para a Integração da População em Situação de Sem Abrigo pretende ajudar esta população mais desfavorecida no acesso a “alojamento” e “reforçar o alojamento já existente”.
Quer também dar uma “atenção específica à promoção do acesso à saúde, emprego e proteção social”.
No mês de abril, o presidente da República tinha pedido a agilização do processo de aprovação do referido plano, de modo a trabalhar na erradicação do problema das pessoas que caíram na vida da rua, e que se encontram sem qualquer perspetiva de reintegração social.
Marcelo Rebelo de Sousa manifestou a sua convicção de que este drama poderá ser resolvido até 2023.
Atualmente, embora os números estejam sempre em mudança, estima-se que existam em Portugal cerca de quatro mil pessoas em situação de sem-abrigo.

Fonte: aqui

segunda-feira, 27 de novembro de 2017

NEM TODOS OS AMIGOS VIRTUAIS SÃO CONFIÁVEIS! Cuidado!

Foto de Carlos Lopes.
  (Alguém me enviou há dias esta mensagem, com pedido de publicação.  É realmente muito importante! Todos devemos tê-la em conta.)

Guarde bem guardados os dados de alguém que é (ou foi) apenas "amigo virtual" e a quem forneceu informações pessoais. Nunca se sabe quando poderá ter necessidade de apresentar à competente autoridade esses dados.... O mundo virtual esconde muito lobo com máscara de cordeiro.
Lembre-se que esse tal "amigo virtual" pode usar os seus dados para lhe fazer mal por meio de terceiros....
É preciso que alguém de absoluta confiança possa ter acesso imediato a esses dados guardados caso lhe aconteça alguma coisa, seja o que for.

domingo, 26 de novembro de 2017

Na Capela de Cristo, no dia da Solenidade de Jesus Cristo, Rei do Universo

Foto de Jose Lopes.


26 de novembro. Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo.
Neste dia, é usual haver a celebração da Eucaristia na Capela de Cristo Rei. Também este ano.
Pelas 14.30h, foi rezado o terço, seguindo-se, às 15h, a Eucaristia.
Como em todas as outras Eucaristias deste fim-de-semana, as comunidades, no contexto do Dia dos Leigos, foram desafiadas a:
- Reconhecer, agradecidamente, o trabalho, entusiasmo, empenho, dedicação de tantos leigos e leigas que, fiéis à vocação batismal, exercem no mundo e na Igreja um serviço indispensável à implantação do Reino de Deus.
- Interiorizar que os leigos, cristãos batizados que vivem no meio do mundo (família, emprego, associações, desporto, política, escolas, convívio, etc), são o coração, os pés e a mãos para Cristo chegar ao palco  do mundo de hoje. Um laicado empenhado e formado é indispensável à nova evangelização.
-Tomar consciência de que os leigos são  na Igreja a maioria esmagadora. No dia em que os leigos tomem consciência de que são Igreja, assumam essa consciência e ajam em conformidade, então a Igreja muda mesmo.


Cristo Rei é sempre fascinante. Regala os olhos e lava a alma. Nesta altura do ano, o amarelo ainda ressalta.
Com o tempo quente e aconchegante que hoje lá se fazia sentir, sem neblinas, o horizonte envolveu-nos e abraçou-nos, desafiando-nos para os limites.
À medida que Sol se ia escondendo, a conversa mudou. O ar frio invadia a serra, convidando ao regresso ... Assinalando os riscos que se estendem para além dos limites.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Três veículos levam a Vouzela o abraço fraterno e solidário da comunidade tarouquense

Na próxima quarta-feira, querendo Deus, partem de Tarouca 3 veículos destinados a Vouzela, em apoio das vítimas dos incêndios.
- Um dos veículos transporta alimento para os animais, graças ao trabalho do sr. Manuel Gomes que tem conseguido levar até às zonas afetadas pelos incêndios vários carregamentos de alimentos para animais. Este senhor tem feito um trabalho notável, batendo às portas, angariando, transportando este tipo de alimentos!)
- Outro veículo transporta alimentos para as pessoas, oferecidos pela comunidade tarouquense no último fim de semana.
- Um terceiro veículo transporta roupas, brinquedos e outras utilidades, tudo oferta da comunidade tarouquense no último fim-de-semana.

Hoje foi um dia de trabalho intenso para elementos do GASPTA que recolheram nos vários locais da Paróquia os bens oferecidos, os organizaram e começaram com o carregamento. Amanhã a saga continua.
Trabalho cansativo mas feito com alegria, porque a caridade é sempre fonte de alegria.


domingo, 19 de novembro de 2017

Centro Paroquial: Grades e Festa da Catequese

Festa da Catequese
Está quase a completar-se um ano sobre a inauguração do Centro Paroquial Santa Helena da Cruz (27 de novembro de 2016).
Para assinalar a data, a Catequese Paroquial vai levar a efeito no próximo sábado a Festa da Catequese, com o seguinte programa:
- Missa vespertina com crianças às 14.30h no salão do Centro Paroquial
- Atuação dos 10 grupos da Catequese à seguir à Eucaristia, no mesmo espaço
A Festa da Catequese é sempre um momento de raro encantamento, ou não fossem as crianças o melhor que há.
Por isso, todos estão convidados. A Festa é para todos.


Grades


Numa obra da envergadura do Centro Paroquial, há sempre qualquer coisas que falta. Por exemplo, ainda faltava colocar as grades  naquele espaço de estacionamento para atividades, sobretudo escutas.
Não só por uma questão estética, mas sobretudo para proteção das crianças e jovens que ali desenvolvem atividades,  o gradeamento era uma necessidade.
Num ato de trabalho em equipa, envolvendo o Conselho Económico da Paróquia e a Câmara Municipal de Tarouca, foi possível a colocação das referidas grades.
Ao Conselho Económico coube comprar e pagar o material. À Câmara Municipal, todo o trabalho de transformar o material em grades e depois a sua colocação no terreno.
O espaço tem agora outra dignidade, como todos podem observar.
O Conselho Económico Paroquial agradece a gentileza colaborativa da Câmara Municipal, na pessoa do seu Presidente, enquanto expressa a sua satisfação por mais este passo dado na conclusão das obras. Ficam ainda a faltar pequenos pormenores...

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Não será a ignorância religiosa o maior problema dos católicos portugueses?

- Noutros tempos, a família era a maior escola de catequese. Ali se transmitiam as verdades da fé. Ali se rezava. Ali se incutia desde o berço a sensibilidade ao transcendente.
Por outro lado, a sociedade concorria para uma prática cristã, de modo que quem não fosse à missa era olhado de lado e marcado socialmente. Aliás a própria sociedade era marcada pelos ritmos e valores cristãos. Domingos e dias santas eram como que férias repartidas para quem não as tinha.  Pessoa que praticasse o divórcio ou o aborto era posta à margem da sociedade, olhada como  desnaturada, condenada no tribunal social.
Existia uma fé simples, sem grandes razões de acreditar, bastante sentimentalista, fortemente condicionada pela tradição. Mas a ligação ao divino mantinha-se e celebrava-se.
- Já Santo Agostinha dizia que "ninguém ama aquilo que não conhece". Numa sociedade aberta, plural e multifacetada, a pressão social doutros tempos esvaiu-se.  As referência ou se vão apagando ou são outras hoje. A família  vai perdendo o sentido cristão da vida, enredada no trama e no drama daquilo a que o Papa Francisco chama de "mundanismo".
Neste contexto, ou há razões de acreditar e as pessoas sentem necessidade de celebrar comunitariamente a sua fé ou então debandam e entregam-se a uma religiosidade de cunho intimista e individualista. Em alternativa (quando não concomitantemente) voltam-se para os deuses pagãos: poder, ter, prazer, etc.
- A ignorância religiosa entre a gente nova é confrangedora. A catequese paroquial é um oasis de uma  hora semanal num deserto sem Deus de 168 horas semanais... Na família, nas escola, nos grupos a quem pertence, na sociedade, o catequizando  mergulha noutras referências ou desreferências.
Num mundo de movimento e movimentos, imediatista, de sensações rápidas e variadas, a fé apela à interioridade, ao silêncio, à contemplação. Exatamente o oposto ao que a sociedade propõe ao jovem.
Depois, a começar pela família, prolongando-se pela vida social, o jovem não encontra o testemunho daquilo que aprendeu na catequese.
- Há muito a fazer e a hora é de esperança. Acredito que, para além das nuvens, o Sol continua a brilhar.

Há que estar atento aos sinais dos tempos e rever processos e métodos de catequese, de modo que a Mensagem libertadora e bela de Jesus chegue ao coração dos jovens do nosso tempo.
Há que motivar e envolver a família na dinâmica da formação e crescimento da fé.
A hora da grande cristandade foi-se. É a hora de grupos, comunidades de base, porventura mais pequenas, mas imbuídas da alegria do Evangelho, celebrantes e caritativas, dinâmicas, apostólicas e testemunhantes. Tudo ao estilo das primeiras comunidades cristãs que, por isto, tinham um só coração e uma só alma.

Tem algum sentido dizer-se "católico não praticante"???


No mundo da moda, no mundo do desporto, no mundo artístico, no mundo dos sub-grupos, está mesmo na moda:
- Eu sou católico (a) não praticante.
Ou então:
- Sou agnóstico(a).
Mais raramente:
- Sou ateu, ateia.

É sobretudo o mundo dos "católicos não praticantes" que mais problemas causa às comunidades cristãs. Com um pé dentro e outro fora, não são "frios nem quentes", aparecem quando lhes convém - normalmente nos baptizados, casamentos, funerais e algumas festas.
Mais, temos hoje pessoas que só entram nas igrejas porque os levam. No baptismo foram levados pelos pais e nos funerais são levados por outros.

Por norma, estes ditos "católicos não praticantes" são muito críticos para com a Igreja, não porque a amem, mas para desculpar a sua possível má consciência. Já se diz no futebol que a melhor defesa é o ataque...
Então dizem que não frequentam por causa do padre, do catequista, do vizinho, dos que lá vão... Sim, a culpa é sempre dos outros. Deles, claro que não! Ai, eles são um exemplo, uma referência, os melhores!!! Lá está, a melhor defesa é o ataque...
Centralidade de Cristo? Está quieto! Cristãos por causa de Cristo? Pois, mas isso é exigente...Então é mais fácil acusar outros para se desculpar.

Que diriam se fossem muito aflitos ao médico e este se negasse a atendê-los, dizendo que era médico não praticante? Ou se chamassem, numa emergência, os bombeiros e estes dissessem que não iam, porque eram bombeiros não praticantes? Ou se o treinador mandasse jogar o Cristiano Ronaldo e este se negasse, alegando que era futebolista não praticante? Que diriam? Então agora concluam... Cristão não praticante faz algum sentido???

Fugindo da comunidade, não crescem com a comunidade, não caminham com a comunidade, não fazem experiência de comunidade a qual passa a ser para os não praticantes um corpo estranho.

Urge ter a coragem de assumir as suas próprias responsabilidades. Urge a grandeza de não andar sempre a atirar pedras aos outros e de se desresponsabilizar com os outros.
A vida é bela. Assuma-a com alegria.