segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Faz este ano 30 anos que faleceu o sr. P.e Duarte Fernandes dos Santos

Foi em 1990, dezembro, que faleceu.
Se estivesse entre nós, faria anos em 22 de janeiro. Assim, acreditamos, festejá-los-á no Céu.
Como "um povo sem memória é um povo sem futuro", é salutar lembrar aquele que, natural desta Paróquia, aqui foi Pároco até falecer. Nos primeiros 10 anos de sacerdócio, auxiliando o Abade Castro; depois Pároco até à partida deste mundo. Concluímos que, tirando os anos em que esteve no Seminário, toda a sua vida foi Tarouca!
Claro que, fruto de carências e circunstâncias várias, paroquiou cumulativamente outras Paróquias. Primeiro, Dalvares; mais tarde, S. João de Tarouca; por fim, Várzea da Serra. Por períodos limitados.
Quando passei por Dalvares, no alvor do meu sacerdócio, muitas pessoas me falaram do sr. Padre Duarte, do que lhe custou deixar a Paróquia do que custou ao povo vê-lo partir. Os dalvarenses  acabaram por se encantar com o sacerdote que veio a seguir, o P.e Sílvio de que também diziam maravilhas.
O P.e Duarte marcou o seu tempo.
Quem não recorda o seu amor por Santa Helena e as Colónias de Férias que ele proporcionou a crianças e jovens da Paróquia?
A vinda do "santo" P.e Cruz, transportado em cadeirinha de Teixelo até ao Santuário?
Os trabalhos que ele promoveu para abrir a estrada e mantê-la transitável? (Naquela altura não estava alcatroada).
No plano agrícola, foi pioneiro e mestre. Foi o primeiro a fazer e fomentar a plantação de pomares, a criar vacarias, a plantar morangueiros em escala, a criar perus, a desenvolver o gosto por viveiros de trutas... O seu papel no Grémio foi importantíssimo.
Veio a adquirir a quinta de que seus pais primeiro e depois ele foram caseiros. Claro que isso lhe exigiu esforço e denodo económico...
Muita gente ganhou o seu pão trabalhando naquelas quinta e casa.
As colónias eram sustentadas, em grande parte, com produtos da quinta.
Havia ainda o célebre "queijo da Cáritas" que ele recebia para distribuir por quem precisava e servia também para apoiar os que trabalhavam na estrada e os miúdos em colónias de férias...
Homem prático, era um bom conselheiro, amigo do seu amigo.
Para já não falar das "Procissões da Semana Santa", dos Congressos Eucarísticos, dos Concursos de Catequese...
Bom colega. Disponível para ajudar.
Amigo de Tarouca.
Que descanse na Mão de Deus. Que junto do Eterno interceda por nós.

domingo, 19 de janeiro de 2020

Sensações muito fortes atravessaram-me a alma...


Resultado de imagem para sacrário da Igreja de tarouca
Visto que as obras de requalificação e valorização da Igreja de São Pedro Tarouca começarão amanhã, hoje, no fim da Eucaristia das 11h, o Santíssimo Sacramento foi retirado da Igreja e levado para a Capela da Misericórdia (ao lado da Igreja). A assembleia aplaudiu com serena e devota salva-de-palmas o seu Senhor enquanto era levado.
Durante um ano, prazo previsto para as obras, Jesus Sacramentado não estará no seu e nosso templo.
Sensações muito fortes atravessaram-me a alma. Se a alegria e a esperança me entusiasmaram pelo facto de podermos dar dignidade à Casa de Deus e do seu povo; a tristeza, o vazio, o sentimento de perda e de ausência cravaram-se-me no coração. Olhei para a velha Igreja de oitocentos anos e parecia-me um corpo sem alma. Inerte, fria, sem vida. E não me levem a mal, a custo sustive uma lágrima que teimava em soltar-se.
Que diferença! Com Jesus Sacramentado o vetusto templo é vida, encanta, eleva, seduz, enche a alma, é comunidade; sem Ele, sabe a museu…
Numa Paróquia com 11 povoações, a Igreja Paroquial, casa comum de todos os discípulos de Cristo pelo Batismo, é a referência da fé da comunidade, a Casa-Mãe, a maternidade espiritual, o centro e fonte de unidade, a nossa CASA, onde trazemos a vida e de onde partimos para a vida.
 
Uma palavra. No fim da Eucaristia, pediu-se à comunidade que ajudasse na mudança. Era preciso levar coisas para o Centro Paroquial. Era preciso levar outras coisas para a capela da Misericórdia. Uma multidão de pessoas, de todas as idades, compareceu e ajudou. Com serena alegria e entusiasmo. Quando Tarouca quer é inexcedível! Parabéns.

sábado, 18 de janeiro de 2020

A sete pontos...

Resultado de imagem para fcporto Benfica"
Aí vão sete pontos… E ainda não começou a 2ª volta!
Como não acredito no Pai Natal, o campeonato para o meu Clube é uma miragem. Se um portista acredita sempre, a realidade impõe-se, nua e crua.
Uma equipa que perde com o Gil Vicente, empata em casa do Marítimo e do Belenenses e perde em casa com o Braga, que pode esperar? Até porque o principal concorrente está fortíssimo a nível nacional.
Este Porto é "um credo na boca"! Mesmo quando começa a ganhar, nunca se sabe o que aquilo vai dar. A defesa parece apostada em dar brindes aos adversários, sem mostrar que aprende com os erros. O ataque falha oportunidades sobre oportunidades (então penaltis…).
Raramente pratica um futebol que deixe os adeptos de sorriso aberto. Se ao menos fosse resultadista!...
Lançar jovens não passa de palavras bonitas. Entram, espreitam (quando têm tempo para tal...) e saltam.
Jogadores importantes saíram a custo zero e os reforços chegaram em cima da hora.
A equipa parece intranquila, nervosa, inconsistente.
Aparecem opções tácticas difíceis de explicar.
E já não tenho paciência para desculpas como a arbitragem, a relva, o autocarro, o anti-jogo dos adversários. Isso cheira-me sempre a "desculpas esfarrapadas",  fuga à realidade.
O problema está dentro de nós. Uma direcção decrépita, incapaz, sem fulgor, sem dinamismo, sem ousadia. Que só aparece em palco nos bons momentos (nos últimos anos, poucos infelizmente).
Um treinador que teimosamente insiste e persiste nos mesmos erros. Não se é eficaz por ser portista, mas é preciso ser eficaz para ser treinador portista.
Dir-me-ão que o Benfica, na época passada estava, em janeiro, a sete pontos e foi campeão. É verdade. Muito por incompetência do FCPorto! Sinceramente, de modo nenhum acredito que os da Luz cometam os mesmos erros este ano.
Já que nem passámos a fase grupos no acesso à Liga dos Campeões, já que muito provavelmente iremos perder este campeonato, que ao menos lutemos digna, competente  e bravamente nas provas em que participamos, tentando ganhar o que for possível.
O futuro não se afigura risonho. Basta ver a reeleição do velho presidente…. A história recente diz-nos que iremos continuar a perder pontos em relação ao adversário direto… E os sócios a ver passar a banda que se parte em pedaços...
Quanto a S. Conceição, penso - eu que o apoiei desde o início - que estará em fim de ciclo. Este treinador faz-me lembrar o ditado que diz: "Muita parra e pouca uva."

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Uma trapalhada triste, feia e a roçar o absurdo

Polémica sobre o livro do Cardeal Sarah sobre o celibato…
Veja aqui.

segunda-feira, 13 de janeiro de 2020

"Mas as pessoas vão à Igreja por causa do padre ou por Jesus Cristo?"

Resultado de imagem para padre e assembleia cristã na missa"
Naquela paróquia, o pároco falecera. A Diocese nomeou o sucessor. A paróquia  não aceitou a nomeação. Nestas e noutras coisas, alguns fazem-se passar pelo todo. Não sei se é o caso…
O Pároco nomeado tentou tomar passe da Paróquia. Foi impedido de o fazer.
Pode ver aqui.

Onde fica Cristo no meio disto tudo? As pessoas são cristãs por causa do Cristo ou por causa do padre? Adoram quem? Quem é a sua referência, caminho, verdade e luz? Quem salva?
Reparemos. Um cano pode estar enterrado, ferrugento, sujo, mas é por ele que a água chega às nossas torneiras. O Padre, como qualquer outro ser humano, tem defeitos, limitações, falhas, pecados. Ele não é anjo, é humano. Pode até ser como esse tal cano… Mas sem ele não há Eucaristia.  E a palavra do Mestre segue, ontem como hoje, plena e clara: "Quem vos recebe, a Mim recebe."
Já diz o ditado: "Cada mocho em seu galho." A quem compete a nomeação do Pároco é ao Bispo diocesano. Então não troquemos os serviços, cada um que exerça o seu. Ponto.
Vemos que cada vez é maior a escassez de sacerdotes, rareiam as vocações, os seminários têm pouquíssima gente, há padres com várias paróquia a encargo. E qual é a reacção de alguns leigos? Ostracizar, criar problemas, dividir, impedir… Não deveria ser antes acarinhar, apoiar, incentivar, desempenhar devidamente na paróquia e na Igreja os seus serviços laicais???
Se não há padres, acham as pessoas que é com atitudes assim que se desperta nos jovens o desejo de seguir a vocação sacerdotal?
Há bastante  tempo um senhor  contou-me que tivera alguns problemas 'chatos' com o padre da sua paróquia. Mas nunca deixou de participar na Missa. O caso era público, por isso as pessoas admiravam-se de ele continuar a participar na Eucaristia presidida por esse padre. O senhor respondia sempre: "Não venho à Igreja por causa de nenhum padre. Venho para adorar a Deus com os meus irmãos na fé."

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Hospitais transformados em ringues de boxe

Resultado de imagem para doentes em sala de espera no hospital"
Veja aqui.
Acompanhe também os comentários. Há para todos os gostos…

quarta-feira, 1 de janeiro de 2020

OBRIGADO, P.e JOÃO!


"A morte é apenas uma porta: do lado de cá é o limite da natureza, do lado de lá é a ternura de Deus" (Vítor Feytor Pinto)
Filho de Almofala, o P.e João Brás era Pároco de Alcabideche (Cascais), Patriarcado de Lisboa.
Faleceu na noite da última segunda-feira aos 58 anos. Na terça, presidida pelo Cardeal Patriarca,  realizou-se a celebração exequial na Paróquia que pastoreava.
Na manhã do dia 1 de janeiro, veio para Almofala, onde, à tarde, presidida pelo Bispo de Lamego, se celebrou a Santa Missa, com a presença do Bispo Emérito de Vila Real e alguns sacerdotes. A comunidade cristã de Almofala esteve em peso, bem como muitas pessoas das comunidades que ele servira no Patriarcado. Após a Eucaristia, realizou-se o cortejo fúnebre para o cemitério local, presidido pelo Administrador Paroquial de Almofala.
Na próxima segunda-feira, pelas 17.30h, será celebrada a Missa de 7º Dia a que presidirá o P. Vítor, muito amigo do falecido.
Os meus contactos com o P.e João Brás foram esporádicos e tiveram lugar quando passei por Almofala entre 2004/2005.
Mas sempre pressenti nos almofalenses uma grande estima e consideração por este seu conterrâneo. Pela sua proximidade às pessoas, pela disponibilidade que, nas férias, sempre demonstrava em apoiar, ajudar, colaborar pastoralmente, pelo interesse pela situação e problemas de cada um, pelo testemunho de vida, marcado pela simplicidade e pela fé.
Obrigado por tudo, P.e João!
Que os braços do Pai te acolham e neles sejas feliz para sempre.
Sabemos que estarás intercedendo por nós junto do Amor Eterno.

terça-feira, 31 de dezembro de 2019

FELIZ 2020, AMIGOS!

Ano novo, vida nova.
Mas a mudança só é possível se começar
dentro do coração de cada um…

domingo, 29 de dezembro de 2019

Não nos deixemos catalogar...

Resultado de imagem para Não nos deixemos catalogar...
Não se debatem ideias. Catalogam-se pessoas de acordo com o que está em voga, com o politica, social e comunicacionalmente correto. Não se debatem ideias, cataloga-se o mensageiro.
Pessoas manifestam-se a contra o aborto e a eutanásia? São da extrema-direita.
Para mim, a vida humana é sagrada desde a conceção até à morte natural. Vida humana. Sagrada. No ventre materno, bebé, criança, adolescente, jovem, adulto, velhinho, doente…
Se defender a vida, toda a vida, é ser da extrema-direita, então eu sou.
Se lutar pela dignidade do trabalho, por ordenados justos, por melhores condições laborais é ser comunista, então eu sou.
Se lutar por uma Banca ao serviço da comunidade, transparente, controlada, sem fugas nem corrupção,  com banqueiros a prestar contas do seu exercício, respondendo  perante a justiça quando for o caso e repondo o que retiraram é ser bloquista, então sou sou.
Se lutar pela integração humana e social de todos, sem racismos, pela igual dignidade de todos os cidadãos é ser do Livre, então eu sou.
Se lutar para  pura uma sociedade não estatizada, onde a iniciativa privada tenha lugar, onde os cidadãos possam livremente criar, investir, dar o seu contributo à sociedade é ser do CDS,  então eu sou.
Se lutar pelo direito de escolha quanto à educação dos filhos e à saúde, sem imposição do Estado, mas pela  livre opção de cada cidadão é ser do PSD, então eu sou.
Se defender os animais e a natureza, lutando contra a carbonização e a favor de um meio-ambiente despoluído é ser do PAN, então sou.
Se exigir uma sociedade segura, onde ladrões, criminosos, vigaristas e parasitas prestem contas a sério com a justiça é ser do Chega, então eu sou.
Se defender que, numa sociedade democrática e plural, o trabalho tem primazia sobre o capital é ser do PS, então eu sou.


Nenhum partido me esgota, nenhuma catalogação me apouca. Até porque catalogar pode ser uma forma de calar, de intimidar.

quarta-feira, 25 de dezembro de 2019

Messenger - Evite a tentação de transmitir mensagens formatadas e repletas de lugares-comuns.

Resultado de imagem para gifs de natal
MESSENGER DO FACEBOOK  … WHATSAPP … Outros
- Ele são gifs
- Ele são vídeos
- Ele são mensagens estereotipadas
- Ele são imagens mil vezes repetidas
- Ele são conteúdos pejados de lugares-comuns…
TUDO isto  se sucede e repete impiedosamente  no  Messenger que se vê invadido, matraquilhado, assaltado.
 
Uma sucessão interminável de mensagens iguais. Estilo, recebo e mando para o outro, mesmo que o outro receba  a mesma mensagens 500 vezes… Parece uma fábrica de laboração contínua!
 
- Zero pessoalidade (ou perto)
- Zero  mensagens pessoais
- Zero atenção à pessoa a quem é enviada a mensagem
 
Hoje tudo tende a ser formatado e o Natal é uma das maiores «vítimas» desta formatação pejada de lugares-comuns.
  
Há um gif, um vídeo, uma imagem, uma mensagem que gostava de partilhar com os outros?
É fácil. Coloque na sua página do facebook e assim toda a gente pode ver...
Invadir o messenger  do outro com coisas estereotipadas é falta de respeito para com esse outro.
 
Use o messenger para.
- Tratar de assuntos que tenham a ver com a pessoa a quem o messenger pertence
- Comunicar pessoalmente com a pessoa
- Ser uma forma bonita de proximidade, amizade, presença
 
EVITE SEMPRE a tentação de transmitir pelo messenger mensagens formatadas e repletas de lugares-comuns.

segunda-feira, 23 de dezembro de 2019

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

“Não há festa nem festança a que não vá a dona Constança”

"Já nem posso ouvir falar em "ceias de Natal!" - dizia  uma pessoa minha amiga.
Resultado de imagem para ceia de natal da empresa
Há pessoas que têm quase todos os dias "almoços de Natal" e "ceias de Natal".
Há pessoas que, no mesmo dia "passam por duas ou mais "ceias de Natal"...
Não há instituição, grupo, empresa, associação que não faça a sua "ceia de Natal".
E se a isto somarmos actuações, músicas, peças de teatro, concertos, exibições,... Então a panóplia é  basta.
CLARO, TUDO ISTO ANTES DO NATAL. Trocam-se os tempos, antecipam-se os tempos. Para não estarmos em tempo nenhum.


Por que razão há-de ser tudo nesta altura? Por que razão não se distribuem as festas e os convívios pelo ano fora? Será que o ano só tem o mês de dezembro!?
Começa a haver, felizmente, empresas e instituições que vão nesta linha. Poucas, mas começam a existir.
Um empresário amigo dizia que na sua empresa a festa/convívio havia sido deslocada desta época para outra altura do ano.
Na Paróquia de Tarouca, a festa da Catequese há muito que foi deslocada da época natalícia.


Gosto do convívio. A festa faz parte da vida. Mas nesta altura só vou mesmo àquelas em que tenho de estar. Não só por falta de tempo, mas também por saturação.
Penso que nada haveria de tirar a magia que a Consoada possui. Com tantas "ceias de Natal", a Consoada  acaba por ser mais uma...

quarta-feira, 18 de dezembro de 2019

CONCURSO MONTRAS DE NATAL - VOTE NA SUA PREFERIDA


Nenhuma descrição de foto disponível.
Até 6 de janeiro pode eleger a sua montra favorita, colocando gosto na foto com a sua decoração preferida. Tarouca é Natal com o Comércio Tradicional! 

Pelo envolvimento nas redes sociais, percebe-se que esta iniciativa tem recebido bom acolhimento, não só do comércio tradicional como dos cidadãos.
Aplicando o provérbio inglês “charity begins at home”, podemos inferir que ajudar o comércio tradicional local é não só um acto de são bairrismo como uma maneira de fazer com que o nosso dinheiro fique entre nós em vez de o despejar nas grandes superfícies com partida garantida para outros locais. Também é desta maneira que se colabora com o desenvolvimento regional.

terça-feira, 17 de dezembro de 2019

sexta-feira, 13 de dezembro de 2019

Então que decresçam os natais para que cresça o NATAl!



Ele são peditórios de todo o lado e pelas mais diversas formas... telefone, email, carta, redes sociais, à porta...
Ele são as famosas  ceias de Natal por todo o lado, associação, grupo, empresa...
Ele são todo o tipo de corridas por tudo o que é sítio...
Ele são as agressividades do comércio que não olha a meios para "dourar a pílula"...
Ele são as prendas como obsessão da época…
Ele são as iluminações públicas e das montras…
Ele são os preparativos obsessivos para a Consoada e a passagem de ano...
Azáfama... corre-corre...efervescência….Tanto que em outubro já se fala de Natal como se não houvesse outras etapas a percorrer.

O Advento resume-se a viver antecipadamente o Natal…

O presépio foi chutado para canto ou remetido a mero objeto de adorno…
As referências bíblicas ao nascimento de Jesus ficam esquecidas na gaveta.
A contemplação do Deus da Paz que se faz Menino não tem espaço no coração da correria.
A solidariedade como um natal de todos os dias é despejada nesta altura como quem alivia a consciência.
As pessoas deixam-se escravizar por uma propaganda comercial sem escrúpulos que as conduz ao que pretende.
A sensação do momento, o êxtase do ter e do gozar encharcam o natal de muita gente. A tal ponte que o pai ou a mãe ficam no Lar para não estorvar o clima lá em casa.
A noite de passagem de ano baila com ímpeto no coração e na cabeça de muitos. Vale tudo. Importa a extravagância, a nova sensação, o diferente, o excesso.
O Deus do Natal  serve só de ocasião para natais pagãos.


Enquanto assim for, continuaremos alienados e a leste do essencial, do verdadeiramente humano, do que realmente importa, do que é importante que permaneça.
Precisamos de voltar a aprender a ler e a escutar um Deus que nos fala e Se nos mostra a partir de uma manjedoura.
Urge a simplicidade, a riqueza de afetos, o estreitar dos laços familiares, a disponibilidade para os outros.
Importa fazer da revolução do Natal o convite permanente à desinstalação, ao compromisso com a vida e com a pessoa humana.


É desafiante a paz do Presépio e que ela encharque corações, famílias e povos.
Natal não é lirismo ou “consolo de alma”. É compromisso com a vida e com a transformação das estruturas, rumo a um mundo mais justo, mais transparente, mais solidário.
Então que decresçam os natais para que cresça o NATAl!

Mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Paz 2020


“A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”
O Vaticano publicou neste dia 12 de dezembro a mensagem do Papa Francisco por ocasião do Dia Mundial da Paz, que será celebrado em 1º de janeiro de 2020, com o tema “A paz como caminho de esperança: diálogo, reconciliação e conversão ecológica”.
Na mensagem, o Santo Padre afirmou que “a fratura entre os membros de uma sociedade, o aumento das desigualdades sociais e a recusa de empregar os meios para um desenvolvimento humano integral colocam em perigo a prossecução do bem comum. Inversamente, o trabalho paciente, baseado na força da palavra e da verdade, pode despertar nas pessoas a capacidade de compaixão e solidariedade criativa”.
A seguir, o texto completo da mensagem do Papa Francisco:
1. A paz, caminho de esperança face aos obstáculos e provações
A paz é um bem precioso, objeto da nossa esperança; por ela aspira toda a humanidade. Depor esperança na paz é um comportamento humano que alberga uma tal tensão existencial, que o momento presente, às vezes até custoso, «pode ser vivido e aceite, se levar a uma meta e se pudermos estar seguros dessa meta, se esta meta for tão grande que justifique a canseira do caminho»[1]. Assim, a esperança é a virtude que nos coloca a caminho, dá asas para continuar, mesmo quando os obstáculos parecem intransponíveis.
A nossa comunidade humana traz, na memória e na carne, os sinais das guerras e conflitos que têm vindo a suceder-se, com crescente capacidade destruidora, afetando especialmente os mais pobres e frágeis. Há nações inteiras que não conseguem libertar-se das cadeias de exploração e corrupção que alimentam ódios e violências. A muitos homens e mulheres, crianças e idosos, ainda hoje se nega a dignidade, a integridade física, a liberdade – incluindo a liberdade religiosa –, a solidariedade comunitária, a esperança no futuro. Inúmeras vítimas inocentes carregam sobre si o tormento da humilhação e da exclusão, do luto e da injustiça, se não mesmo os traumas resultantes da opressão sistemática contra o seu povo e os seus entes queridos.
As terríveis provações dos conflitos civis e dos conflitos internacionais, agravadas muitas vezes por violências desalmadas, marcam prolongadamente o corpo e a alma da humanidade. Na realidade, toda a guerra se revela um fratricídio que destrói o próprio projeto de fraternidade, inscrito na vocação da família humana.
Sabemos que, muitas vezes, a guerra começa pelo facto de não se suportar a diversidade do outro, que fomenta o desejo de posse e a vontade de domínio. Nasce, no coração do homem, a partir do egoísmo e do orgulho, do ódio que induz a destruir, a dar uma imagem negativa do outro, a excluí-lo e cancelá-lo. A guerra nutre-se com a perversão das relações, com as ambições hegemónicas, os abusos de poder, com o medo do outro e a diferença vista como obstáculo; e simultaneamente alimenta tudo isso.
Como fiz notar durante a recente viagem ao Japão, é paradoxal que «o nosso mundo viva a dicotomia perversa de querer defender e garantir a estabilidade e a paz com base numa falsa segurança sustentada por uma mentalidade de medo e desconfiança, que acaba por envenenar as relações entre os povos e impedir a possibilidade de qualquer diálogo. A paz e a estabilidade internacional são incompatíveis com qualquer tentativa de as construir sobre o medo de mútua destruição ou sobre uma ameaça de aniquilação total. São possíveis só a partir duma ética global de solidariedade e cooperação ao serviço dum futuro modelado pela interdependência e a corresponsabilidade na família humana inteira de hoje e de amanhã»[2].
Toda a situação de ameaça alimenta a desconfiança e a retirada para dentro da própria condição. Desconfiança e medo aumentam a fragilidade das relações e o risco de violência, num círculo vicioso que nunca poderá levar a uma relação de paz. Neste sentido, a própria dissuasão nuclear só pode criar uma segurança ilusória.
Por isso, não podemos pretender manter a estabilidade no mundo através do medo da aniquilação, num equilíbrio muito instável, pendente sobre o abismo nuclear e fechado dentro dos muros da indiferença, onde se tomam decisões socioeconómicas que abrem a estrada para os dramas do descarte do homem e da criação, em vez de nos guardarmos uns aos outros[3]. Então como construir um caminho de paz e mútuo reconhecimento? Como romper a lógica morbosa da ameaça e do medo? Como quebrar a dinâmica de desconfiança atualmente prevalecente?
Devemos procurar uma fraternidade real, baseada na origem comum de Deus e vivida no diálogo e na confiança mútua. O desejo de paz está profundamente inscrito no coração do homem e não devemos resignar-nos com nada de menos.
2. A paz, caminho de escuta baseado na memória, solidariedade e fraternidade
Os sobreviventes aos bombardeamentos atómicos de Hiroshima e Nagasaki – denominados os hibakusha – contam-se entre aqueles que, hoje, mantêm viva a chama da consciência coletiva, testemunhando às sucessivas gerações o horror daquilo que aconteceu em agosto de 1945 e os sofrimentos indescritíveis que se seguiram até aos dias de hoje. Assim, o seu testemunho aviva e preserva a memória das vítimas, para que a consciência humana se torne cada vez mais forte contra toda a vontade de domínio e destruição. «Não podemos permitir que as atuais e as novas gerações percam a memória do que aconteceu, aquela memória que é garantia e estímulo para construir um futuro mais justo e fraterno»[4].
Como eles, há muitos, em todas as partes do mundo, que oferecem às gerações futuras o serviço imprescindível da memória, que deve ser preservada não apenas para evitar que se voltem a cometer os mesmos erros ou se reproponham os esquemas ilusórios do passado, mas também para que a memória, fruto da experiência, constitua a raiz e sugira a vereda para as opções de paz presentes e futuras.
Mais ainda, a memória é o horizonte da esperança: muitas vezes, na escuridão das guerras e dos conflitos, a lembrança mesmo dum pequeno gesto de solidariedade recebida pode inspirar opções corajosas e até heroicas, pode colocar em movimento novas energias e reacender nova esperança nos indivíduos e nas comunidades.
Abrir e traçar um caminho de paz é um desafio muito complexo, pois os interesses em jogo, nas relações entre pessoas, comunidades e nações, são múltiplos e contraditórios. É preciso, antes de mais nada, fazer apelo à consciência moral e à vontade pessoal e política. Com efeito, a paz alcança-se no mais fundo do coração humano, e a vontade política deve ser incessantemente revigorada para abrir novos processos que reconciliem e unam pessoas e comunidades.
O mundo não precisa de palavras vazias, mas de testemunhas convictas, artesãos da paz abertos ao diálogo sem exclusões nem manipulações. De facto, só se pode chegar verdadeiramente à paz quando houver um convicto diálogo de homens e mulheres que buscam a verdade mais além das ideologias e das diferentes opiniões. A paz é uma construção que «deve estar constantemente a ser edificada»[5], um caminho que percorremos juntos procurando sempre o bem comum e comprometendo-nos a manter a palavra dada e a respeitar o direito. Na escuta mútua, podem crescer também o conhecimento e a estima do outro, até ao ponto de reconhecer no inimigo o rosto dum irmão.
Por conseguinte, o processo de paz é um empenho que se prolonga no tempo. É um trabalho paciente de busca da verdade e da justiça, que honra a memória das vítimas e abre, passo a passo, para uma esperança comum, mais forte que a vingança. Num Estado de direito, a democracia pode ser um paradigma significativo deste processo, se estiver baseada na justiça e no compromisso de tutelar os direitos de cada um, especialmente se vulnerável ou marginalizado, na busca contínua da verdade[6]. Trata-se duma construção social em contínua elaboração, para a qual cada um presta responsavelmente a própria contribuição, a todos os níveis da comunidade local, nacional e mundial.
Como assinalava o Papa São Paulo VI, «a dupla aspiração – à igualdade e à participação – procura promover um tipo de sociedade democrática. (...). Isto, de per si, já diz bem qual a importância de uma educação para a vida em sociedade, em que, para além da informação sobre os direitos de cada um, seja recordado também o seu necessário correlativo: o reconhecimento dos deveres de cada um em relação aos outros. O sentido e a prática do dever são, por sua vez, condicionados pelo domínio de si mesmo, pela aceitação das responsabilidades e das limitações impostas ao exercício da liberdade do indivíduo ou do grupo»[7].
Pelo contrário, a fratura entre os membros duma sociedade, o aumento das desigualdades sociais e a recusa de empregar os meios para um desenvolvimento humano integral colocam em perigo a prossecução do bem comum. Inversamente, o trabalho paciente, baseado na força da palavra e da verdade, pode despertar nas pessoas a capacidade de compaixão e solidariedade criativa.
Na nossa experiência cristã, fazemos constantemente memória de Cristo, que deu a sua vida pela nossa reconciliação (cf. Rm 5, 6-11). A Igreja participa plenamente na busca duma ordem justa, continuando a servir o bem comum e a alimentar a esperança da paz, através da transmissão dos valores cristãos, do ensinamento moral e das obras sociais e educacionais.
3. A paz, caminho de reconciliação na comunhão fraterna
A Bíblia, particularmente através da palavra dos profetas, chama as consciências e os povos à aliança de Deus com a humanidade. Trata-se de abandonar o desejo de dominar os outros e aprender a olhar-se mutuamente como pessoas, como filhos de Deus, como irmãos. O outro nunca há de ser circunscrito àquilo que pôde ter dito ou feito, mas deve ser considerado pela promessa que traz em si mesmo. Somente escolhendo a senda do respeito é que será possível romper a espiral da vingança e empreender o caminho da esperança.
Guia-nos a passagem do Evangelho que reproduz o seguinte diálogo entre Pedro e Jesus: «“Senhor, se o meu irmão me ofender, quantas vezes lhe deverei perdoar? Até sete vezes?” Jesus respondeu: “Não te digo até sete vezes, mas até setenta vezes sete”» (Mt 18, 21-22). Este caminho de reconciliação convida-nos a encontrar no mais fundo do nosso coração a força do perdão e a capacidade de nos reconhecermos como irmãos e irmãs. Aprender a viver no perdão aumenta a nossa capacidade de nos tornarmos mulheres e homens de paz.
O que é verdade em relação à paz na esfera social, é verdadeiro também no campo político e económico, pois a questão da paz permeia todas as dimensões da vida comunitária: nunca haverá paz verdadeira, se não formos capazes de construir um sistema económico mais justo. Como escreveu Bento XVI, «a vitória sobre o subdesenvolvimento exige que se atue não só sobre a melhoria das transações fundadas sobre o intercâmbio, nem apenas sobre as transferências das estruturas assistenciais de natureza pública, mas sobretudo sobre a progressiva abertura, em contexto mundial, para formas de atividade económica caraterizadas por quotas de gratuidade e de comunhão»[8].
4. A paz, caminho de conversão ecológica
«Se às vezes uma má compreensão dos nossos princípios nos levou a justificar o abuso da natureza, ou o domínio despótico do ser humano sobre a criação, ou as guerras, a injustiça e a violência, nós, crentes, podemos reconhecer que então fomos infiéis ao tesouro de sabedoria que devíamos guardar»[9].
Vendo as consequências da nossa hostilidade contra os outros, da falta de respeito pela casa comum e da exploração abusiva dos recursos naturais – considerados como instrumentos úteis apenas para o lucro de hoje, sem respeito pelas comunidades locais, pelo bem comum e pela natureza –, precisamos duma conversão ecológica.
O Sínodo recente sobre a Amazónia impele-nos a dirigir, de forma renovada, o apelo em prol duma relação pacífica entre as comunidades e a terra, entre o presente e a memória, entre as experiências e as esperanças.
Este caminho de reconciliação inclui também escuta e contemplação do mundo que nos foi dado por Deus, para fazermos dele a nossa casa comum. De facto, os recursos naturais, as numerosas formas de vida e a própria Terra foram-nos confiados para ser «cultivados e guardados» (cf. Gn 2, 15) também para as gerações futuras, com a participação responsável e diligente de cada um. Além disso, temos necessidade duma mudança nas convicções e na perspectiva, que nos abra mais ao encontro com o outro e à recepção do dom da criação, que reflete a beleza e a sabedoria do seu Artífice.
De modo particular brotam daqui motivações profundas e um novo modo de habitar na casa comum, de convivermos uns e outros com as próprias diversidades, de celebrar e respeitar a vida recebida e partilhada, de nos preocuparmos com condições e modelos de sociedade que favoreçam o desabrochar e a permanência da vida no futuro, de desenvolver o bem comum de toda a família humana.
Por conseguinte a conversão ecológica, a que apelamos, leva-nos a uma nova perspectiva sobre a vida, considerando a generosidade do Criador que nos deu a Terra e nos chama à jubilosa sobriedade da partilha. Esta conversão deve ser entendida de maneira integral, como uma transformação das relações que mantemos com as nossas irmãs e irmãos, com os outros seres vivos, com a criação na sua riquíssima variedade, com o Criador que é origem de toda a vida. Para o cristão, uma tal conversão exige «deixar emergir, nas relações com o mundo que o rodeia, todas as consequências do encontro com Jesus»[10].
5. Obtém-se tanto quanto se espera[11]
O caminho da reconciliação requer paciência e confiança. Não se obtém a paz, se não a esperamos.
Trata-se, antes de mais nada, de acreditar na possibilidade da paz, de crer que o outro tem a mesma necessidade de paz que nós. Nisto, pode-nos inspirar o amor de Deus por cada um de nós, amor libertador, ilimitado, gratuito, incansável.
O medo é, frequentemente, fonte de conflito. Por isso, é importante ir além dos nossos temores humanos, reconhecendo-nos filhos necessitados diante d’Aquele que nos ama e espera por nós, como o Pai do filho pródigo (cf. Lc 15, 11-24). A cultura do encontro entre irmãos e irmãs rompe com a cultura da ameaça. Torna cada encontro uma possibilidade e um dom do amor generoso de Deus. Faz-nos de guia para ultrapassarmos os limites dos nossos horizontes estreitos, procurando sempre viver a fraternidade universal, como filhos do único Pai celeste.
Para os discípulos de Cristo, este caminho é apoiado também pelo sacramento da Reconciliação, concedido pelo Senhor para a remissão dos pecados dos batizados. Este sacramento da Igreja, que renova as pessoas e as comunidades, convida a manter o olhar fixo em Jesus, que reconciliou «todas as coisas, pacificando pelo sangue da sua cruz, tanto as que estão na terra como as que estão no céu» (Col 1, 20); e pede para depor toda a violência nos pensamentos, nas palavras e nas obras quer para com o próximo quer para com a criação.
A graça de Deus Pai oferece-se como amor sem condições. Recebido o seu perdão, em Cristo, podemos colocar-nos a caminho para ir oferecê-lo aos homens e mulheres do nosso tempo. Dia após dia, o Espírito Santo sugere-nos atitudes e palavras para nos tornarmos artesãos de justiça e de paz.
Que o Deus da paz nos abençoe e venha em nossa ajuda.
Que Maria, Mãe do Príncipe da paz e Mãe de todos os povos da terra, nos acompanhe e apoie, passo a passo, no caminho da reconciliação.
E que toda a pessoa que vem a este mundo possa conhecer uma existência de paz e desenvolver plenamente a promessa de amor e vida que traz em si.
Vaticano, 8 de dezembro de 2019.
Franciscus

terça-feira, 10 de dezembro de 2019

Grato a um mestre e amigo


Teve lugar neste último domingo, na Igreja Matriz de Tarouca, o lançamento do livro "SIMÃO PEDRO, Testemunho e memória do discípulo de Jesus Cristo", da autoria de Monsenhor Arnaldo Pinto Cardoso. Apresentou a Obra D. António Couto, Bispo de Lamego.
Década de setenta do século passado. O Concílio Vaticano II, que  terminara em meados da década de sessenta, trouxera uma verdadeira tempestade, bela e transformadora, não só à Igreja mas também ao mundo. O "Maio de 68" estava muito presente ainda. O 25 de Abril, lufada de ar fresco numa sociedade  a tresandar  de ranço.
Claro que foi na juventude, por definição, que todas estas realidades encontravam maior eco. Os jovens seminaristas do meu tempo não deixavam de ser jovens do seu tempo.
Foi neste contexto que chegou ao Seminário o P.e Dr. Arnaldo Cardoso, vindo de Roma onde fizera estudos especializados em Sagrada Escritura. Então um jovem sacerdote.
Para mim, este professor foi um autêntico mestre. E se perguntassem à maioria dos alunos, terminado o curso, em que área gostariam de se especializar, não duvido que a resposta seria: "Sagrada Escritura."
Mas a acção do Dr. Arnaldo foi muito mais além. Em cada sábado, pegava nos alunos mais velhos e reunia com eles para a preparação da liturgia de domingo. Nesse encontro era, claro, dada especial ênfase à homilia.  Nos encontros bíblicos semanais que realizava na cidade, levava consigo seminaristas para estarem junto dos leigos, aprenderem com eles, partilharem. Nos grandes encontros realizados na Casa de S. José, abertos às pessoas de toda a diocese, lá estavam seminaristas para animar, escutar, aprender, colaborar.
Muitas vezes presidiu à Eucaristia para alunos mais velhos. Também aí era diferente, porque a homilia baseava-se muito na explicação bíblica contextualizada e na aplicação da Palavra à nossa vida (segundo a ideia de Paulo VI: Bíblia numa mão e jornal na outra…).
Lançou com serenidade, persistência e determinação o Secretariado Diocesano da Juventude. Deu grande ênfase ao Dia Diocesano onde a comunidade diocesano se abria  à missão dos leigos na Igreja, numa colaboração com o Bispo de então.
Não esqueço uma cadeira que ele lecionou, Eclesiologia. O que eu aprendi e como gostei!
Pouquinho tempo depois de eu ter terminado o curso, o Dr. Arnaldo partiu para a Alemanha para fazer o seu doutoramento, seguindo depois o seu percurso de serviço à Igreja em Lisboa e na Embaixada de Portugal junto da Santa Sé. Vivendo presentemente em Lisboa, vai continuando também a escrever livros, o último dos quais indicado acima.
Enquanto estive na equipa de Mondim, o Dr. Arnaldo apareci nas férias de Verão para uma visita, pois os três o estimávamos muito. Amigos mesmo.
Porque a vida é o que é, há muito, muito tempo que não o via. De tal modo que, quando ele me contactou para lançar o seu último livro em Tarouca, apesar das muitas ocupações e preocupações, não hesitei em aderir. Fundamentalmente e antes de tudo, era uma forma prática de expressar a minha gratidão para com o mestre e o amigo.
Não deu para estarmos muito tempo a conversar, mas deu para nos vermos. Só isso foi muito bom.
Com a ajuda e a colaboração amiga de leigos desta comunidade, sinto que foi um belo momento cultural que foi proporcionado a quem quis estar presente. Gostei.
Obrigado por tudo, Mons. Arnaldo!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2019

Atinos e desatinos deste tempo

Há tanta gente que não guarda nenhum jejum antes de comungar.
Há tanta gente que vai comungar em pecado grave.
Há tanta gente que nunca se confessa mas aparece para comungar.
Há tanta gente que vai comungar só porque os outros também comungam.
Há tanta gente que muito raramente vai à Missa dominical mas quando aparece vai logo comungar.
Há tanta gente que vai comungar sem saber o que vai comungar.
Sem perceber que é Deus que entra em nós para entrar em comunhão connosco.
As quatro condições necessárias para aceder com frequência e fruto à Sagrada Comunhão são: 1) estar em estado de graça; 2) ter uma intenção reta e piedosa; 3) não estar apegado ao pecado, no sentido de ter o propósito de não mais pecar no futuro; e 4) preparar-se antes e dar graças depois.