quarta-feira, 27 de julho de 2016

(Des)Culpa Ateia

Sem surpresa, o atentado de Rouen causou uma reação pavloviana da nossa esquerda jacobina. Até o primeiro-ministro entendeu não reagir mesmo depois de o ISIS reivindicar a bela ação durante uma missa
Que semana atroz. A degolação de um padre católico ontem em França introduziu na Europa aquilo que tem sido uma característica do extremismo islâmicos nos últimos tempos: perseguir os cristãos. Um dos primeiros raptos do ISIS, ainda grupelho desconhecido, foi de um padre jesuíta. Ora, sem surpresa, ontem o atentado de Rouen causou uma reação pavloviana da nossa esquerda jacobina.
Ou falta de reação, em alguns casos, e igualmente sintomática. Por exemplo o primeiro-ministro, que não reagiu mesmo depois de o ISIS reivindicar a bela ação durante uma missa. Um ataque direto à religião maioritária dos seus governados não lhe mereceu comentário oficial. Nem no twitter, onde se embaraça com frequência a propósito de demasiados assuntos: durante a noite do atentado de Nice perorou em francês; disse a correr umas banalidades sobre amor inspiradas em Corín Tellado depois do atentado de Orlando; e – a mais estonteante – escreveu do atentado de Munique que o terror veio ‘do nada’.
(Se faz favor ninguém informe António Costa do avião que explodiu por cima de Lockerbie. Ou que a 11 de setembro de 2001 morreram quase três mil pessoas nas Torres Gémeas. Porque, por um lado, Costa tem todo o ar de ser pessoa para apreciar viver feliz na ignorância. E, por outro, está muito calor, e a notícia assim de chofre do terror islâmico não surgir do nada em 2016, pelo contrário, já matou muitos milhares de pessoas, ainda lhe provocava uma indisposição. O que, em calhando, o poderia levar a tornar-se ainda mais emocionalmente carente do que o habitual, e o senhor já nos envergonha o suficiente em estado normal a pedir ‘palavras de carinho’, em vez de sanções, à instituição hiper-burocrática que é a União Europeia, habituada a que os políticos discutam impostos, fundos e indicadores económicos em vez dos seus devaneios emocionais.)
Já Fernanda Câncio, que funciona como uma espécie de definidora de tendências da esquerda socialista (por quem é absolutamente reverenciada, talvez pela sua destemida defesa das mais absurdas e ruinosas políticas socráticas), reagiu. Dizendo no twitter que uma notícia, dando conta do reconhecimento de que os atacantes de Rouen eram tropa do ISIS, era ‘fazer a propaganda do Daesh’. Como se trata de uma jornalista – pelo que se pode presumir que vê como um bem as populações estarem informadas do que de relevante se passa no país e no mundo – que, tanto quanto sei, não sugeriu a sonegação de informações sobre os atentados de Orlando, Nice, Paris ou Bruxelas, ficamos desconfiados que o desconforto repentino com as notícias da brutalidade do ISIS se deve à qualidade de religioso católico do degolado e não à seita de assassinos islâmicos.
De facto, em certos meios um padre brutalmente assassinado por islâmicos é algo que mais vale ficar nas gavetas da polícia, não vamos incomodar as pessoas com estes assuntos tão sem importância. Ainda se fosse ao contrário, imaginem lá bem a comoção que seria por toda a comunicação social, os êxtases que teria a fação jacobina de esquerda, se um católico ultra-conservador a assassinasse um clérigo muçulmano numa mesquita europeia. Isso sim, mereceria ser noticiado até à exaustão. Agora apresentar os católicos como vítimas? Era o que faltava. O jornalismo (jacobino) não foi feito para isso.
Na semana passada teci umas considerações sobre os europeus que se tornam cúmplices dos islâmicos violentos ao tão obcecadamente denunciarem quem enumera os perigos para a Europa da imigração muçulmana, ao mesmo tempo que encontram as justificações mais alucinadas para os atos dos terroristas islâmicos e pregam. Esta semana houve acrescentos. Agora, pelos vistos, a culpa dos atentados é das notícias sobre os atentados. Pessoas (por acaso islâmicas) perfeitamente normais, integradas, amigas do seu amigo e amantes de fotografias de gatinhos ouvem na TV que um maluco muçulmano disparou sobre este e aquele. Vai daí, são tomadas – assim com Ben Gazzara num dos meus filmes preferidos, Anatomia de um Crime, de Otto Preminger – por um ‘impulso irresistível’ e quando dão por elas mataram meia dúzia a eito. É uma explicação perfeitamente plausível para o terrorismo islâmico.
Peguemos no degolador de Rouen. Estava referenciado como extremista islâmico perigoso e em prisão domiciliária com pulseira eletrónica. Já tinha tentado juntar-se ao ISIS na Síria. Donde: é evidente que assassinou um senhor de 86 anos por causa das notícias que leu no tablet.
A morte do padre católico também nos lembra que para a esquerda jacobina não interessa se existem tribunais da sharia na grande Londres, dispensando justiça (muita tosse) à margem da lei britânica. O que lhes dá ataques de nervos é, por exemplo, usarem dinheiro dos contribuintes para pagarem um bom projeto educativo que uma ordem religiosa disponibiliza a uma população de miúdos carenciados. Se os islâmicos ajudarem a escaqueirar o que sobra da cultura judaico-cristã (ou greco-cristã, como alguns preferem) – que é a nossa e que não por acaso permitiu a emergência da sociedade mais livre e tolerante de todos os tempos – em boa verdade então são companheiros de armas da esquerda jacobina. Que, de resto, adora abusar da alegada necessidade de não ofender o islão (no seu pedestal) para atacar, até, as celebrações católicas de Páscoa e Natal.
Duas coisas são certas. Uma: para responder ao terrorismo não podemos confiar nos líderes políticos que escancararam as portas aos refugiados (Merkel), ou que diziam que os terroristas viajavam de avião (Guterres). (O bombista do festival de Ansbach foi um migrante que supostamente fugia da guerra). Duas: a falta de garra na oposição às barbaridades islâmicas várias na Europa – por exemplo as burqas, símbolo da mulher-que-vale-menos-que-gado – é filha do desprezo jacobino pela cultura europeia, que inclui a herança cristã.
Maria João Marques, Observador 20160727, aqui

Comissão Europeia decidiu cancelar as multas a Portugal e Espanha


É um desfecho surpreendente: afinal não há multas para Portugal e Espanha. Depois de uma tensa reunião de três horas, a Comissão Europeia decidiu não propor multas aos dois países, no quadro do processo de sanções devido ao défice excessivo, mas sim insistir em metas orçamentais mais duras.
Veja aqui

terça-feira, 26 de julho de 2016

Dia dos Avós


26 de julho, Dia de São Joaquim e Santa Ana, pais de Nossa Senhora e avós de Jesus Cristo. Por isso, DIA DOS AVÓS.
Parabéns a todos os avós que o sabem ser!
Confesso que nunca vi tanto enlevo dos avós pelos seus netos como hoje se verifica. E isso é ótimo.
Talvez porque cada vez há menos crianças, cada neto é para seus avós uma verdadeira loucura.
O carinho, a paciência, um certo aliviar de regras, as brincadeiras, as histórias, as risadas, alguma informalidade, os miminhos... Tudo isto emerge da relação avós-netos.
E o apoio que os avós dão na criação dos netos? Num tempo de azáfama e com os exigências educativas atuais, os pais experimentam a beleza e a importância que os avós têm na educação de seus filhos.
Quantas crianças são levadas à escola pelos seus avós? Quantos meninos, nas férias e noutras ocasiões,  usufruem da presença e dos cuidados dos avós?
Já ouvi muitas vezes a pais que não têm por perto os avós de seus filhos o desabafo: "Que falta me fazem os  meus pais! Não temos quem tome conta dos filhos e eles ficam sozinhos em casa..."
Sabe-se hoje que o contacto com os netos ajuda muito a saúde dos avós, como pode ver aqui.
São de há muito conhecidas as vantagens que advêm para as crianças e adolescentes  do contacto com os seus avós. Veja aqui.
Saliento um papel fundamental que os avós NUNCA deveriam esquecer: a formação cristã dos seus netos.
A geração 30-50, por norma, anda muito distraída da formação cristã de seus filhos. Tão  absorvida pela trabalho e pela vida social que descura o fundamental: a educação na Fé!
Cabe aos avós, até pelo carinho que nutrem pelos netos, estar atentos e ajudar a suprir esta lacuna dos seus filhos em relação aos seus netos.



França: Papa condena violência «absurda» após assassinato de sacerdote

Dois homens armados entraram hoje numa igreja nos arredores de Rouen, norte de França, e barricaram-se no local com vários reféns, tendo assassinado um sacerdote antes de serem abatidos pela polícia.
Entre os reféns estavam um sacerdote, duas religiosas e dois leigos, reunidos para a celebração da Missa.
O presidente francês, François Hollande, deslocou-se a Saint-Etienne-du-Rouvray horas depois do incidente, para manifestar a sua “dor e tristeza” perante este “cobarde assassinato” cometido por “dois terroristas”.
"Temos de combater o Estado Islâmico com todos os meios", disse aos jornalistas.
O chefe de Estado francês manifestou o seu  apoio à família do sacerdote que terá sido degolado e a “todos os católicos franceses”.
O sacerdote assassinado era o padre Jacques Hamel, octogenário, havendo ainda um ferido em estado crítico.
D. Dominique Lebrun, arcebispo de Rouen, que se encontra na Polónia a acompanhar a Jornada Mundial da Juventude, lamentou o ataque contra a igreja e anunciou o seu regresso a França para acompanhar a comunidade paroquial "em choque".
"Convido os jovens a não baixar os braços perante a violência e a tornar-se apóstolos da civilização do amor".
“O Santo Padre está particularmente perturbado por este ato de violência que ocorreu numa igreja durante uma Missa, ação litúrgica que implora a Deus a paz para o mundo”, refere o telegrama de condolências, enviado através do secretário de Estado do Vaticano, cardeal Pietro Parolin.
Fonte: agência ecclesia

Bombeiros de Tarouca ajudam a fazer parto a caminho do hospital

AQUI

Brincar é bom, é humano, só faz bem

Cabras com ventoinha

Queixava-se um amigo meu que as cabras, aganadas com tanto calor, nem comiam em condições, procurando mais a fresca do que o pasto.
Dei-lhe uma solução. Colocar uma ventoinha na testa de cada cabra. Além de aliviar os animais da enorme canícula que se faz sentir, atrairia muitos turistas para contemplar tão inusitado espetáculo. O que traria ao seu dono elevados proventos, pois além do bilhete que os turistas teriam que pagar, seria uma excelente oportuni...dade para escoar os queijos e os cabritos.
Perguntou-me o meu amigop se eu não queria entrar na sociedade das ventoinhas para as cabras.
Aqui está a melhor resposta. Já estou a divulgar. Ahahhahaha

domingo, 24 de julho de 2016

As FÉRIAS são um luxo?






- Não. As férias são um direito. Uma necessidade da pessoa.
- Há quem não faça férias porque não pode; há quem não faça férias porque não quer ou delas não sinta necessidade.
- Há quem faça férias no estrangeiro; há quem as faça em território português....
- Há quem faça férias sem sair do local, mudando apenas de atividade; há quem faça férias gozando a vida como se não houvesse amanhã.
- Há quem faça das férias uma roda-viva de diversão; há quem faça das férias um momento para o silêncio, a meditação, o refazer-se interiormente.
- Há quem use as férias para reforçar o espírito de família; quem utilize as férias para umas “traições” à família.
- Há quem peça dinheiro para férias; há quem faça férias dentro do âmbito das suas possibilidades económicas;
- Há quem faça férias trabalhando para o bronze; há quem faça da praia um espaço privilegiado; há quem as aproveite para conhecer novas terras, novas gentes, novas culturas, monumentos naturais ou edificados.
- Há quem nas férias faça do dia noite e da noite dia…
- Há quem aproveite para leituras; há quem as aproveite para pejar bares.
- Há quem chegue esgotado das férias e há quem chegue solto, recomposto, disponível, refeito.
- Há um ditado que diz: “Não envenenes a água na nascente, porque a beberás depois na fonte…”. Então não faça nada de que se venha a arrepender.
- Viva as férias em equilíbrio. Um pouco de tudo, sem ser escravo de nada.

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Sistema Nacional de Saúde ou Sistema Nacional de Doença Continuada?

Exames feitos. Diagnóstico confirmado. A pessoa tem que ser operada.
No Público, marcaram-lhe a operação para o próximo mês de março!
Até lá não vive, sobrevive à custa de medicamentos com os efeitos que bem se conhecem.
Movimentar-se? Muito pouco, com dores e à custa dos referidos medicamentos.
Ouvindo este relato, uma pessoa que vive numa grande cidade do litoral, apressou-se a dizer:
- Lá é o mesmo. Pobres dos pobres! Se uma pessoa não tiver um "pezinho de meia", um seguro ou um subsistema de saúde, está tramada!
Claro que a pessoa não pode aguentar tanto tempo de espera e vai para o Particular, pese embora os problemas económicos que tal acarreta.
Para quando uma excelentíssima reforma do Sistema Nacional de Saúde? É que às vezes parece competir com o Sistema de Justiça em lentidão!
E se uma justiça lenta é injusta, um sistema de saúde lento é doente.
E o Sistema Nacional de Saúde não é assim tão gratuito como por aí se ouve às vezes.
Dou só um exemplo. Há 2 anos, depois de esperar 19 horas que me tirassem um espinha de peixe da garganta, e apesar da ADSE, paguei do meu bolso 25 euros! Num Hospital Público!!!

quinta-feira, 21 de julho de 2016

O VERBO REPOUSAR


porque resistimos tanto a parar e a encontrar formas de repouso que nos devolvam a nós próprios? Por uma razão simples: achamos que o ativismo descomplica e a quietude nos atrasa, abrindo o tampão das nossas motivações mais profundas. 
Há um curioso conto da sabedoria islâmica que fala de um homem que perde uma chave dentro de casa. Porém, como no exterior há mais luz e se vê melhor, em vez de a procurar no sítio onde a perdeu, vem colocar-se confortavelmente a buscá-la ali. Parece bizarro, mas acontece-nos a todos com frequência: buscamos onde julgamos ser mais fácil e não necessariamente no sítio onde seria razoável que o fizéssemos. Por exemplo: porque resistimos tanto a parar e a encontrar formas de repouso que nos devolvam a nós próprios? Por uma razão simples: achamos que o ativismo descomplica e a quietude nos atrasa, abrindo o tampão das nossas motivações mais profundas. O movimento parece mais fácil: ele preenche o tempo, mantém-nos ocupados dentro dos seus círculos em vertigem, enquanto o repouso tantas vezes começa com a sensação de um esvaziamento, surpreendente, incómodo, duro de lidar. Por isso fugimos do repouso verdadeiro, onde o encontro connosco próprios é inescusável. Ocorre amiúde a pessoas sobrecarregadas de atividade que decidem finalmente fazer um tempo de paragem ou de retiro. Não raro, a primeira experiência por que passam é o desejo de escapar dali, considerando que o retiro foi uma má opção, pois o que começam por sentir é um desamparo e uma pobreza, como se estivessem, de repente, sozinhos a lutar com a sua noite. E tinham colocado expectativas tão altas em relação àquele tempo de pausa. A pressão ofegante parece, assim, mais útil: dá-nos o sentido, mesmo se irreal, de que alguma coisa está a acontecer. Achamos que somos nós que corremos e a paisagem está parada. Ainda que seja tudo ao contrário: a paisagem desloca-se numa aceleração imparável e nós permanecemos fixos sem sair do lugar, cada vez mais presos ao ponto onde nos encontramos. O ritmo ininterrupto das nossas jornadas, embora nos atropele e progressivamente nos torne estrangeiros de nós mesmos, como que nos empurra para a frente — e isso é bom; como que nos coloniza por inteiro — e consideramos isso, por fim, até tranquilizante, pois adia o confronto com a nossa existência desvitalizada. Deste modo, o motivo por que desaprendemos a arte do repouso não anda assim tão longe da sabedoria refletida pela pequena história da tradição islâmica.
Thomas Merton, um mestre que precisamos de redescobrir, escreveu: “O caminho da quietude não chega a ser sequer um caminho, e quem o segue não encontra coisa nenhuma”. Soa estranho, não soa? Aprender a repousar é também aprender a libertar-se do imediatismo das nossas expectativas e dos nossos desejos muito idealizados. Repousar é dizer no fundo do seu coração: “Estou aqui à espera de nada”. E esse tempo inútil, esse contacto das nossas mãos vazias com a temporalidade pura, esse não ter planos, esse desistir de resolver problemas ou de pensar na pressão que representa o momento seguinte, esse ser simplesmente acaba por revelar-se mais reconciliador do que as nossas extenuantes e fragmentadas jornadas de corta e cola. O verbo repousar não é um verbo fácil. Se o não fosse não éramos tão errantes, tão sôfregos, tão atordoados, tão maquinais, a nossa respiração não seria tão férrea, e a hospitalidade que dedicamos à vida não seria tão imprecisa. Mas o repouso, o verdadeiro repouso, é uma daquelas experiências que nos abrem ao espantoso espetáculo da vida. Esse que comparece no poema de Emily Dickinson: “Como se eu pedisse uma simples Esmola/ E na minha mão maravilhada/ Um Estrangeiro depusesse um Reino,/ e eu ficasse de boca aberta —/ Como se perguntasse ao Oriente/ Se tem uma manhã para me dar —/ E ele abrindo os seus Diques de púrpura,/ Me despedaçasse com a Madrugada”.

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Às vezes parece que os Clubes andam a dormir

[P.+Cascavel+3.jpg]


Olhando para a História, apetece-me a dizer que os Clubes andam a dormir.
Para não falar dos outros, falo do meu Clube, cuja estrutura, durante muito tempo, foi quase divinizada.
Os factos aí estão. Paulinho Cascavel, Thiago Silva e André Gomes passaram pelo Futebol Clube do Porto. Não lhes foi dado o devido valor. Saíram do Clube pelo "preço da uva mijona". Notabilizaram-se noutros Clubes.
Quanto perdeu o Porto por andar distraído e não se ter apercebido do valor destes atletas? Perdeu milhões!
Muito se fala nalgumas vendas de passes de jogadores operadas pelo FCPorto. É justo. O Clube fez muito dinheiro com a venda de passes de atletas seus. Mas não podemos esquecer o fracasso na aquisição do passe de alguns atletas (muitossssss) e a desatenção na observação e avaliação do valor de outros que fez com que o Clube perdesse milhões... E isto numa estrutura quase divinizada no tocante à sua eficácia!
Sendo mais concreto. Se o meu Clube tivesse estado atento a André Gomes, poderia agora vender o seu passe com cujo proveito teria oportunidade de apetrechar condignamente o plantel. Só um caso.
Quanto ganhou o Benfica com o Sanches? Quanto pode ganhar o Sporting com João Mário, Adrien, William e Patrício?
Porque teimam os Clubes em desaproveitar a prata da casa?
Como é que um Clube, que ganhou o campeonato da 2ª Liga, não promove praticamente nenhum dos seus jovens? De facto o FCPorto não anda bem....
Só me pergunto. Quanto valerá o André Silva se o Clube o souber ajudar a crescer, enquadrar, motivar? Tratando-se de um ponta-de-lança, atrevo-me a dizer: uma fortuna!
Porquê só o André Silva?

terça-feira, 19 de julho de 2016

Que o Estado não estorve

Nos últimos dias, assiste na TV a várias reportagens sobre serviços públicos e empresas privadas.

Assiste a uma reportagem sobre uma empresa  próspera, boa saúde empresarial, centenas e centenas de trabalhadores.
Saliento alguns aspetos:
- O empresário foi, em novo, trabalhador de uma fábrica e sempre sonhou em ter a sua própria empresa. Após a tropa, lançou mão à obra, subindo a pulso a corda do sucesso.
- Não são os salários baixos que proporcionam o sucesso de uma empresa. Só trabalhadores motivados, com vontade de atualização, competentes e dignamente remunerados podem contribuir para o sucesso empresarial. Estou a referir palavras do empresário, que acrescentou: "Nesta empresa todos ganham mais do que o legalmente estabelecido."
- Administração com exigência continuada. Investimento nas tecnologias, objetivos claros, cooperação com os centros do saber, aposta na investigação, humanidade no trato com os trabalhadores, aposta no marketing, condições dignas de trabalho...
-  Os custos de produção são caríssimos: eletricidade, água, impostos...
- "Que o Estado não estorve", foi o pedido do empresário. Leis que mudam todos os dias, instabilidade nos impostos, burocracia "à portuguesa", justiça lentíssima... E ouvi ainda: "Quando o Estado mete "o bico" nas empresas, só prejudica!..."
- Importância da vida militar. A tropa é uma escola de disciplina, rigor, autocontrole, que muita falta faz aos jovens de hoje para quem o facilitismo é o que está a dar...


No referente a serviços públicos, vi duas reportagens. Uma sobre a vida dos polícias e outra sobre funcionamento de hospitais e centros de saúde.
Agora o encanto da 1ª reportagem tornou-se pesadelo.


Só em 2015, 8 polícias puseram termo à vida. Não é fácil  esta profissão, tão indispensável à segurança de pessoas e de bens!
Baixos ordenados, imenso tempo longe das famílias, cercados de uma comunicação social que, por norma, cai sobre eles como abutres, pouco ou nulo apoio de quem os orienta, fracos recursos logísticos, um poder político que não os dignifica, não os protege e não os estimula...
Sem uma polícia prestigiada e defendida, é a democracia que corre riscos, porque os cidadãos se vêm privados de um dos principais direitos constitucionais: o direto à segurança de pessoas e de bens.


Quanto à saúde, o que vi confirmou a minha experiência. Recordo que, há 2 anos, para me tirarem uma espinha de peixe da garganta, esperei 19 horas. Isso mesmo, 19 horas! Em hospitais do Algarve.
Hospitais a abarrotar, doentes acamados em corredores, horas intermináveis de espera, pessoal médico e de enfermagem muito abaixo do insuficiente, exaustão do pessoal, especialidades que não funcionam ou funcionam com menos gente do que o normal, deficiente ligação dos hospitais com outras estruturas de saúde destinadas à recuperação de doentes, etc, etc. Se juntarmos a isso tudo a desestruturação da família que sacode para os outros a responsabilidade que lhe cabe de cuidar dos familiares doentes, temos o caldo ainda mais entornado.
Depois não admira que pessoal médico e de enfermagem queira emigrar para países onde lhes são proporcionadas outras condições de trabalho e de remuneração.
Com a saúde não se brinca, senhores do poder! Um povo doente retira ao Estado imensossssssss recursos, de vária ordem.


Perdoem-me o exagero. Mas dá-me a impressão que o Estado, como dizia o outro, "só estorva!" Ao contrário de certa esquerda que quer sempre mais e mais Estado, penso que quanto menos Estado melhor. Acho que muitos hospitais privados são disso exemplo...
Há que descobrir novas formas em que o Estado desempenhe o seu papel de subsidiariedade que lhe é conatural, mas que deixe trabalhar os grupos, associações, empresas. Que fiscalize devidamente, mas que não estorve. Oh! Se tivesse em seu tempo fiscalizado devidamente alguns bancos, como estaríamos melhor!!!
Depois, reparem no estado de algumas empresas públicas, poço sem fundo a engolir impostos de todos nós. 

segunda-feira, 18 de julho de 2016

domingo, 17 de julho de 2016

Serra de Santa Helena na Taça de Portugal de DownHill

A Serra de Santa Helena foi mais uma vez palco de uma prova de DownHill a contar para a Taça de Portugal.
Mais de 150 Downhillers fizeram os seus treinos no sábado e hoje, domingo, entregaram-se à competição, em busca de adrenalina e do pódio.
A pista, considerada pelos pilotos, uma das melhores a nível nacional, estava este ano mais técnica, sendo precisas várias doses de coragem para iniciar uma descida rápida e sinuosa.
A associação DHTarouca, responsável por toda a organi...zação e manutenção das pistas, em parceria com a Câmara Municipal de Tarouca e a União de Freguesias de Tarouca e Dalvares, afirma ser gratificante e motivante trazer até Tarouca estas provas a contar para a Taça de Portugal.
José Damião Melo, Vice-presidente da autarquia afirmou "o DownHill em Tarouca iniciou com a apoio da então Freguesia de Tarouca e é um evento de enorme importância para o Concelho, não apenas pela sua importância ao nível desportivo, mas também pela alavanca económica e financeira que provoca no comércio local e no setor do alojamento e restauração." Tendo agradecido publicamente ao DhTarouca pelo empenho neste evento e garantindo o apoio da autarquia no futuro.
Vasco Bica foi o dominador absoluto da corrida deste domingo. Deu um sinal de que estava num bom dia logo na manga de qualificação, conseguindo o melhor tempo. Na final repetiu a dose, terminado a descida decisiva em 3’07’’296. Francisco Pardal (Penacova DH/UD Lorvanense) deu uma forte réplica, perdendo apenas por 362 milésimos de segundo. O terceiro elite foi Rafael Sousa (MS Racing Portugal), a 11,417 segundos.
O júnior Fábio Afonso esteve em bom plano, conseguindo o terceiro tempo entre todos os participantes e, naturalmente, o melhor na categoria etária em que compete.
Margarida Bandeira foi a mais veloz entre a elite feminina. Desceu em 4’17’’690, menos 35,28 segundos do que Ana Leite. A terceira classificada foi Leonor Bandeira, a 1’03’’17.
Tiago Ladeira (Casa do Povo de Abrunheira) vingou em cadetes. Entre os veteranos, os vencedores foram Daniel Pombo (Ciclo Madeira Clube Desportivo), em masters 30, Maurício Conceição (RG/Centro Óptico de Fafe), em master 40, e João Estêvão (Wildpack Algarve Racing), em master 50.
In Município de Tarouca, Facebook

Novena de Cristo Rei

No próximo domingo, 24 de julho, tem lugar a Festa de Cristo Rei, no Monte de Cristo Rei, pelas 11.30h.
Aquele espaço é um lugar encantado no Vale Encantado. Pura e simplesmente fantástico!
Hoje teve lugar mais um dia de novena ao Cristo Rei, naquele espaço, sob a presidência do pároco.
Após a novena, que correu bem, houve um momento de contacto, troca de impressões, partilha de projetos com a Comissão.
Depois o pároco contactou ainda com um grupo de outras pessoas que estavam naquele lugar.
Cristo Rei, majestosa imagem, a olhar em frente e com os braços abertos para a todos acolher, espicaça-nos a olhar em frente, livres e disponíveis  para abraçar o projeto de Deus, porque "para a frente é que é o caminho."

FAZ FALTA:
1. A eletrificação do espaço, como estrutura básica para o desenvolvimento turístico, acolhimento aos visitantes e impulso à expansão daquele sítio paradisíaco.
2. A ligação Santa Helena-Cristo Rei. Estrutura indispensável ao desenvolvimento turístico. Atualmente só de jeep é possível percorrer aquele espaço. A nossa Serra é uma imponente catedral natural que urge desenvolver para propiciar o desenvolvimento turístico.
3. Com a água de excecional qualidade que Cristo Rei tem, muito é de admirar que não tenha aparecido nenhuma empresa para a explorar comercialmente. É que seria uma oportunidade de Cristo Rei se poder desenvolver de forma sustentável.
4. Dado o amplo espaço baldio,  não seria difícil a construção de um depósito de água que servisse de apoio ao combate aos incêndios, aproveitando as sobras das águas de Cristo Rei.  
O tanque existente, pertencente ao Cristo Rei, dada a sua proximidade à Imagem e à Capela, põe estas estruturas em perigo quando avionetas aí vão abastecer-se.

sábado, 16 de julho de 2016

A Turquia foi abalada sexta-feira à noite por uma tentativa de golpe de Estado

* Mais de 2800 soldados detidos e juízes destituídos
* O golpe fez pelo menos 265 mortos
e mais de 1100 feridos, entre militares e civis.
País membro da OTAN (NATO, na sigla inglesa), e um verdadeiro tampão para a Europa no que diz respeito a todos os conflitos do Médio-Oriente, a segurança e estabilidade internas da Turquia são vitais para o nosso continente. Todos os olhos estão postos na evolução desta grave situação.
Veja aqui e aqui

Atletas medalhados condecorados por Marcelo Rebelo de Sousa

video
Marcelo Rebelo de Sousa condecorou  atletas portugueses.
O Presidente da República atribuiu-lhes o grau de comendador da Ordem do Mérito.

Os condecorados são o canoísta Fernando Pimenta, que ganhou duas medalhas de ouro nos europeus de canoagem em Moscovo.
As corredoras Sara Moreira, Jessica Augusto e Dulce Felix. A triplo-saltadora Patrícia mamona. E o lançador de peso Tsanko Arnaudov.
Elas e eles conquistaram medalhas nos europeus de atletismo que terminaram no domingo, em Amesterdão.
O Presidente da República quis com esta condecoração reconhecer o mérito dos atletas.
Fonte: aqui


JUSTO
O desporto em Portugal não se reduz ao futebol, embora seja este o desporto mais apreciado, que mais gente e paixões movimenta. De longe...
Noutras modalidades há atletas que levam bem longe e erguem bem alto o nome de Portugal. É justo que o Presidente da República os tenha condecorado como, aliás, já o havido feito com a seleção nacional de futebol após esta ter vencido o campeonato da Europa.
Parabéns a todos os desportistas que levam a sério a modalidade que escolheram e nela dão o seu melhor e revelam o seu talento.

sexta-feira, 15 de julho de 2016

"Barbárie inaceitável, intolerável"


A Conferência Episcopal Francesa (CEF) reagiu em comunicado ao atentado que esta quinta-feira à noite fez pelo menos 84 mortos na cidade de Nice (sudeste), condenando a “barbárie”.
“Esta tragédia vem somar-se à triste lista dos atos terrorista que enlutam o nosso país e outros países no mundo há vários meses. Qualquer que seja o motivo, esta barbárie é inaceitável, intolerável”, referem os bispos católicos, num texto divulgado através do sítio oficial da CEF.
O presidente francês, François Hollande, decretou três dias de luto nacional, de sábado a segunda-feira, na sequência do atentado.
A CEF “associa-se plenamente” à dor dos familiares e amigos das vítimas e convida as comunidades católicas a rezar por todos os que foram atingidos pelo atentado durante as Missas do próximo domingo.
O atentado em Nice fez pelo menos 84 mortos e mais de 100 feridos, dos quais 18 em estado considerado crítico, segundo o mais recente balanço do Governo francês.
Um homem lançou um camião sobre a multidão reunida na avenida marginal da cidade de Nice para assistir a um espetáculo de fogo-de-artifício, durante as celebrações do Dia Nacional de França (Tomada da Bastilha).
A CEF refere que homens, mulheres e crianças foram mortos “de forma cega” num momento em que estavam a celebrar “com todo o país” o 14 de julho.
“O nosso país foi ferido quando vivia um momento de união nacional. Mais do que nunca, a solidariedade nacional deve ser mais forte do que o terrorismo”, apelam os bispos católicos.
In agência ecclesia

FESTIVAL DA JUVENTUDE EM TAROUCA

Diversão, adrenalina, música, aventura, atividades aquáticas, desporto e festa durante 3 dias é a melhor das combinações para um fim de semana de verão em cheio pensado para o público jovem.
O Município de Tarouca vai promover, nos dias 29, 30 e 31 de julho, o Festival da Juventude, com diversas surpresas reservadas que prometem muita festa e animação.
Pool Party, com insufláveis, Dj´s e bandas de garagem, zumba espuma, com música ao vivo, 9 instrutores e espuma colorida, e ainda a Summer Party, com Dj´s e uma festa temática, são algumas das atividades propostas.
As pulseiras para o Festival da Juventude estarão à venda na Casa do Paço de Dalvares, Piscinas Municipais, Câmara Municipal, Papelaria Avenida e Óptica Parente - Lamego. O passe de três dias pode ser adquirido por 12,50€, e o passe diário tem o valor de 5€. Na semana de venda antecipada, que decorrerá até 17 de julho, o passe de três dias pode ser obtido por 10€. Mais informações na página de facebook do Município de Tarouca - Eventos. 
Vale Varosa, o verão é aqui!

Cátia Rocha
TÉCNICA SUPERIOR
GABINETE DA CULTURA, TURISMO E COMUNICAÇÃO

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Imagine que os sermões dominicais das igrejas eram todos escritos por um secretário-de-estado qualquer, com a ajuda de um padre amigo do Governo. Ridículo, certo?

 Mas é mais ou menos isso que vai acontecer nas mesquitas do Egipto, à imagem do que já se passa na Turquia.

Mesquitas no Egipto passam a ter sermões escritos pelo Governo
Medida promovida pelo Governo do general Sisi visa combater o extremismo islâmico.
A Univerisidade de Al-Azhar, no Egipto, passará a escrever os sermões para todos os imãs do Egipto.Foto: DR

Os imãs das mesquitas em todo o Egipto vão passar a ler sermões escritos pelo Governo às sextas-feiras, o dia mais importante da semana para muçulmanos.
A medida foi anunciada na terça-feira e visa combater o extremismo religioso no país.
Os sermões serão escritos por clérigos da Universidade de Al-Azar, considerado o mais prestigiado centro de educação do mundo islâmico, e por funcionários do Governo, nomeadamente do Ministério dos Assuntos Religiosos.
Mas a medida não está a ser bem aceite por muitos imãs, que consideram que se trata de uma medida abusiva do Governo. “Cada cidade ou aldeia no Egipto é diferente. Uma aldeia pode ter um problema de assaltos e por isso o sermão deve ser sobre roubo. Outro lugar pode ter um problema de homicídios e aí isso é que devia ser discutido”, afirma Abdelsalam Mahmoud, imã de uma mesquita na cidade de Luxor, no sul do país.
O regime do general Sisi, que chegou ao poder depois de um golpe que derrubou o Governo da Irmandade Muçulmana, chefiado por Mohammed Morsi, tem feito do combate ao extremismo um dos seus principais objectivos.
A medida tomada agora pelo Governo espelha o que se passa na Turquia, onde o ministério também escreve os sermões e os distribui aos imãs das mesquitas para serem lidos à sexta-feira.
Fonte: aqui



terça-feira, 12 de julho de 2016

Se gosta de Santa Helena, adira já à LIGA DOS AMIGOS DE SANTA HELENA DA CRUZ!


Criança Portuguesa consola adepto Francês


Este video mostra uma criança portuguesa a consolar um adepto francês, depois da derrota do seu país frente a Portugal, na final do Euro 2016. Grande atitude deste menino! O Futebol realmente pode ser lindo!
O enorme coração português num corpinho pequenino. Obrigado Tuguinha por nos representares tão bem. És um verdadeiro CAMPEÃO.
Parabéns aos pais deste menino pela esmerada educação que transmitiram ao filho.


Segundo os meios de comunicação, não consta que, num campeonato da Europa marcado por atos de violência, tenha havido desacatos provocados pelos adeptos portugueses. Entusiastas no apoio à sua seleção, os lusos mantiveram um clima de civismo que urge salientar. Campeões no campo, campeões fora do campo.
Somos assim. Quando queremos, tornamo-nos referência.
Parabéns, Portugal!

segunda-feira, 11 de julho de 2016

Falta-nos ganhar outros campeonatos!


Que me lembre, os portugueses ganharam 4 títulos europeus neste início do século XXI. O Futebol Clube do Porto venceu a Liga Europa duas vezes(com José Mourinho e Villas-Boas) e a Liga dos Campeões (com José Mourinho). A Seleção Portuguesa acaba de se sagrar Campeã da Europa (com Fernando Santos).
Claro que falo apenas de futebol e de futebol sénior.


Faltam-nos ganhar outros campeonatos em cuja classificação Portugal tem andado bem cá pelo fundo da tabela neste início do século XXI.
Falta-nos ganhar o campeonato do emprego, da produtividade, do equilíbrio das contas públicas, do endividamento externo, da solidez bancária, da desburocratização, do desenvolvimento económico, da luta contra a corrupção.
Os portugueses estão a vibrar - e de que maneira! - com o êxito da seleção nacional. Também porque assim esquecem, por momentos, a má classificação nos outros campeonatos.
Mas se somos Campeões Europeus em futebol, o que nos impede de sonhar com a vitória noutros campeonatos que afetam diariamente as nossas vidas?
Será que os treinadores vencedores nada terão a ensinar aos nossos políticos?
Será que os nossos empresários e trabalhadores não terão nada a aprender com os nossos jogadores?
Será que os portugueses não terão capacidade e vontade de se mobilizar em tornos dos outros campeonatos como as que demonstraram em relação à seleção?
Será que as nossas estruturas financeiras, laborais, económicas nada terão que aprender com a estrutura da  Federação Portuguesa de Futebol?
Temos muita festa para fazer todos juntos, mas precisamos, todos juntos, de ganhar outros campeonatos.

Festa de Santa Helena 2016




Santa Helena. Novena, Festa,  pessoas, Fé, o ambiente ... Momentos únicos e belos que aquele espaço proporciona.
Veja aqui

domingo, 10 de julho de 2016

PARABÉNS À EQUIPA DAS QUINAS QUE NOS COLOCOU NO CENTRO DA EUROPA...





















Com verdade, esforço, garra, uma nação inteira, Portugal campeão europeu... contra muitos... mas com a humildade de uma equipa e de um país... com suor, sacrifício, honestidade, lágrimas, com alegria, simples... aguentar, sofrer, solidariedade em campo... e milhares de vozes... milhões de portugueses. 
Em campo cada lance conta, a defender ou a atacar, a acalmar ou a acelerar... alguns detratores...... mas é em campo, em cada bola disputada... CAMPEÕES EUROPEUS. PARABÉNS À EQUIPA DAS QUINAS QUE NOS COLOCOU NO CENTRO DA EUROPA... UM PRÉMIO JUSTO, UMA VITÓRIA DE QUEM MARCOU MAIS UM QUE O ADVERSÁRIO. 
Com o Selecionador Nacional, o país sonhou, desanimou, reclamou, festejou, apoiou, críticas no exterior e no interior... mas no final levantamos a taça.. . e a seleção regressa a Portugal a 11 de julho de 2016, como nos prometeu o timoneiro da Equipa... e fomos de verdade Equipa. O engenheiro do Euro2016.
Manuel Gonçalves in Facebook

sexta-feira, 8 de julho de 2016

FESTA DE SANTA HELENA 2016


Domingo, 10 de julho
* 9.30h, Missa de encerramento da Novena
* 11.30h, Missa da Festa, presidida pelo senhor Bispo, seguindo-se a procissão
* 17h, Bênção dos Campos e procissão do Adeus.

Vamos a Santa Helena! Participemos, convivamos na alegria e na partilha! Sejamos gente de paz e de respeito pelos outros.

Santa Helena tem sempre mais encanto...






Santa Helena: as crianças gostam, os adultos convivem, muita gente reza e canta.

quinta-feira, 7 de julho de 2016

Taça de Portugal de Downhill em Tarouca

Tarouca vai acolher mais um evento à escala nacional, ao ser palco da última etapa da Taça de Portugal de Downhill, que vai disputar-se nas já conceituadas pistas da Serra de Sta. Helena, de 15 a 17 de julho.  
Durante três dias Tarouca será o destino dos apaixonados por esta modalidade, para um evento que promete ser um grande momento desportivo, onde alguns dos mais conceituados pilotos nacionais e internacionais irão mostrar a sua destreza nas pistas da carqueja, cruzes e lanternas, percursos que colocarão à prova a sua ousadia e perícia.
No dia 16, entre as 9h00 e as 18h00 decorrerão os treinos livres, e as emoções prometem estar ao rubro no dia 17, com a qualificação marcada para as 11h00 e, às 14h00, a grande final.
A Taça de Portugal Downhill, integrada na Federação Portuguesa de Ciclismo, conta com a organização da Associação DHTarouca, Município de Tarouca e União de Freguesias Tarouca Dalvares.


Cátia Rocha
TÉCNICA SUPERIOR
GABINETE DA CULTURA, TURISMO E COMUNICAÇÃO

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Tempo, espaço e vivências de Nossa Senhora dos Remédios

remédios2
Mais um livro da autoria do Pe. João António Pinheiro Teixeira, Reitor do Santuário de Nossa Senhora dos Remédios. A apresentação da obra ocorreu naquele Santuário.
“O rosto de Lamego. Tempo, espaço e vivências de Nossa Senhora dos remédios”, nas suas mais de 500 páginas, é o resultado de um grande esforço de investigação por parte do autor e oferece a todos uma “história do santuário actualizada”.


Veja a reportagem do evento AQUI.

terça-feira, 5 de julho de 2016

segunda-feira, 4 de julho de 2016

Santa Helena - o silêncio falante da Serra


Durante todo o ano, mas especialmente nesta época, podemos dizer: "Vamos até à Serra que fala".
Vemos pessoas que passeiam sozinhas pela Serra, como que em comunhão cósmica...
Vemos grupos que deambulam pelo espaço não só em busca do aprumo físico também do abraço da Serra que une, interioriza, absorve libertando...
Vemos pessoas sentadas nos calhaus olhando o horizonte e sorvendo a aragem livre da paisagem...
Vemos grupos sentados nos calhaus que conversam, riem e se divertem no recreio imenso da mãe natureza...
Vemos grupos, que fora das horas oficiais da novena, à volta da capela ou dentro dela rezam, meditam, deixam Deus entrar....
O desafio do mais alto e mais belo é entusiasmante para quem sente o rasteiro da vida, o comezinho, o abocanhante...

domingo, 3 de julho de 2016

Liga dos Amigos de Santa Helena da Cruz/2016

VAMOS TODOS ALINHAR NESTE PROJECTO?

Veja aqui


Santa Helena é uma maravilha paisagística, humana e espiritual

Santa Helena ao anoitecer... Uma luz lunar..





A entreajuda

Jovens marcam presença e colaboram

Festa da Senhora das Dores