sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

ESPECIALMENTE PARA CADA VISITANTE!


No dia da Sagrada Família de Jesus, Maria e José...


"Não vale a pena sonhar um mundo de paz, quando, em nossa casa, entre laços de sangue, não somos capazes de perdão, de compreensão, de aceitação.
 “Na família há dificuldades, mas essas dificuldades são superadas com amor. O ódio não supera nenhuma dificuldade. A divisão dos corações não supera nenhuma dificuldade. Só o amor é capaz de superar a dificuldade. Na família há dificuldades. Nas famílias discutimos. Nas famílias, às vezes, «voam os pratos». Nas famílias os filhos dão dor de cabeça. Não vou falar das sogras… Mas nas famílias sempre, sempre, existe a cruz! Sempre. Porque o amor de Deus, o Filho de Deus, também nos abriu este caminho. Por isso, a família é «uma fábrica de esperança», porque foi Deus quem abriu esse caminho”
 “nunca se deve terminar o dia sem fazer as pazes na família. «E como devo fazer as pazes? Ajoelhar-me? Não! Para restabelecer a harmonia familiar basta um pequeno gesto, uma coisa de nada. É suficiente uma carícia, sem palavras. Mas nunca permitais que o dia em família termine sem fazer as pazes». Se tivermos de lutar contra um mal, façamo-lo; mas digamos sempre «não» à violência interior”
(Papa Francisco)

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Esse desconhecido chamado JESUS

Resistindo à oposição dos mais próximos, Jesus tornou-se, de facto, um pregador itinerante
Jesus permanece para nós um desconhecido, e em muitos sentidos. Ao pensar nele assalta-nos o mesmo desconcerto dos seus concidadãos que o viram largar, ali diante dos olhos de todos, o ofício de artesão que exercia e abraçar um ministério de ensinamento e sanação, para o qual não o consideravam qualificado. Ele era apenas um deles, naquela aldeia que não excederia os seiscentos habitantes, a maior parte ocupados no cultivo do trigo e da oliveira, outros de cerâmica para uso doméstico, outros ainda, como ele e a sua família, dependentes da carpintaria, atividade necessária à manutenção do povoado. Não reconheciam naquele conterrâneo alguém capaz de anunciar o Reinado de Deus e ainda menos de alargar a compreensão sobre as suas implicações históricas. Mas resistindo à oposição dos mais próximos, Jesus tornou-se, de facto, um pregador itinerante que percorria a Baixa Galileia em torno ao ano 30 do século I, anunciando a consolação divina nos conglomerados da região, como cumprimento das promessas do Deus de Israel. Eram cerca de quinze as aldeolas onde ele concentrou a sua itinerância, evitando as pujantes cidades helenísticas da região: Tiberíades e Séforis, por exemplo.
Segundo o testemunho da mais antiga das narrativas evangélicas, o seu primeiro gesto público é de natureza cultural e já em rutura com o modo estabelecido: um rito de imersão praticado segundo o programa de um pregador apocalíptico e fora de formato, João Batista. Ao fazer-se batizar assim, Jesus partilha a aspiração à mudança disseminada nas margens do judaísmo do seu tempo e assume a crítica que muitos faziam ao templo e ao sistema alojado em Jerusalém. Com o desenvolvimento da sua missão, isso só se irá sedimentar. Não passará muito tempo para o vermos protagonizar, com todos os riscos inerentes, a releitura inovadora das instituições que deram identidade messiânica a Israel: não só o templo, mas também a terra e a lei. Algo de inédito começava. Não admira que a questão que persegue Jesus, do princípio ao fim, seja a da origem da autoridade com que ele ousa divergir do status quo.
As suas palavras e ações, seguidas não só por multidões de curiosos, mas por um bando que passa a acompanhá-lo para toda a parte, pedem para ser lidas como manifestação da presença compassiva de Deus: “O Espírito do Senhor está permanentemente sobre mim, pois me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados de coração, a pregar liberdade aos cativos, a restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos, a anunciar o ano aceitável do Senhor” (Lc 4,18-19). Jesus vinha colocar em perspetiva a realização da salvação de Deus, salvação que, segundo ele, atuava já no presente: na dignificação da vida para todos e na capacidade de reconciliar os distantes (doentes, endemoninhados, pecadores, estrangeiros...), esse coral de segregados das várias culturas inscritas naquele pequeno território (a cultura judaica, a helenística, cananeia e romana). O constante retrato que os evangelhos dão de Jesus como comensal e amigo dos pecadores assinala essa vontade firme de cruzar as fronteiras, que eram morais e de etnia, género, cultura ou de classe. Todas estas escolhas ficam bem patentes nas suas parábolas, a forma de comunicação por ele privilegiada. Essas curtíssimas narrativas, entre o enigmático e o poético, colocam em crise a imagem ordinária e convencional do mundo, fazem irromper novas possibilidades em situações supostamente encerradas, reinventam a vida.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Mais férias e outro feriado. Discussão volta em janeiro


O regime de férias nos setores público e privado e a possibilidade de o dia de Carnaval ser feriado serão alguns dos temas a debater pelos deputados no regresso aos trabalhos parlamentares depois da pausa do Natal, a partir de dia 5.
 
Ver aqui

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

"TENHA CALMA!"


Há dias, uma senhora amiga disse-me:
- Já o conheço. Agora, que estão a acabar as obras no Centro Paroquial, já está a pensar em se meter noutra. Diga lá se não tenho razão...
Sorri-me. Mas ela leu o meu olhar.
- Eu sei que a reparação do interior da Igreja Paroquial e a edificação da Capela do Castanheiro do Ouro são uma obsessão para si. Mas vá com calma, muita calma. As pessoas têm o seu ritmo que não é o seu...
- Eu sei - respondi sem grande convicção.
- É que a vida não está fácil para ninguém - insistiu a senhora com ar sincero e sério. - Se o senhor insiste já em novas obras, acaba por criar um clima contra si que só o desfavorece. Dê tempo ao tempo.
- Não é a minha pessoa que está em causa, mas a comunidade e suas necessidades. Se estivermos à espera de agradar a toda a gente, nunca mais se faz nada. E a senhora tem a prova... Repare no que se passou com o Centro Paroquial. A vida é um desafio constante.
- Acredito. Mas se anda depressa demais pode separar-se demasiadamente do passo da comunidade. E depois? Fica a falar no deserto, levando com as enxurradas de areia...
- Pode muito bem ser verdade, mas parar é morrer. A vida é curta para ficarmos paralisados pelo medo ou preocupados pela reputação pessoal. Quem não arrisca não vai a lado nenhum, é um eterno refém da opinião alheia. A senhora sabe que a minha preocupação sempre foi o bem da comunidade, por isso prefiro pro-agir do que reagir.
- Admiro essa sua faceta, mas o senhor já não é propriamente um jovem. Tenha calma, deixa respirar as pessoas. Vai ver que é mais fácil.
- Tem razão. É preciso dar tempo ao tempo, sem ficar parado no tempo.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Para si, amigo(a) Visitante e para os que lhe são caros, um Santo e Feliz Natal!

Partilho um pequeno texto de que gostei muito.
 

Boas Festas Gratas

Senhor Padre:
Parabéns pela concretização do seu sonho, que era também um sonho de todos os Tarouquenses: O Centro Paroquial.
Obrigada pela sua persistência.
Obrigado por não ter desistido diante das adversidades que lhe surgiram ao longo destes anos.
Obrigado ao sr. Padre e à equipa que colaborou com ele.
Desejo-lhe saúde para, em conjunto com todos nós, poder usufruir desta maravilhosa obra.
Feliz Natal e próspero  Ano Novo.

Tarouca, 23 de dezdembro de 2016

Uma paroquiana (devidamente identificada)

quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Por bem fazer, mal haver


Talvez porque o Natal toca mais de perto os sentimentos e torna as pessoas mais sensíveis à existência ou ausência de solidariedade, amizade, gratidão. O que é certo é que a conversa com aquela pessoa amiga resvalou para o desabafo dolorido, sentido, magoado.
Falava essa pessoa de atitudes, gestos, comportamentos, ações que levara a efeito em prol dos seus semelhantes, recebendo deles alheamento, indiferença, ausência, quando não hostilidades...
- Aquela família que me apareceu aflitivamente porque o filho fora colocado na universidade na cidade onde então  eu vivia e que não tinha hipótese de pagar o alojamento. Recebi-o em minha casa durante meses a fio. Gratuitamente.
- Aqueles pais que tinham o filho desempregado e que começava a andar por maus caminhos e me solicitaram se, por favor, fazia alguma coisa para lhe arranjar trabalho na cidade onde vivia. Andei e consegui. Só que o ordenado, a princípio, era baixinho. Para ajudar, acolhi-o em minha casa gratuitamente e tratei-o como um filho. Hoje é um pai de família que está muito bem na vida.
- Tantas vezes que fui o "taxi" de muitas pessoas! Sem nada querer em troca...
- A determinada altura, fiz uma exploração de água num terreno meu. Ao lado, os vizinhos tinham imensa falta dela. Pois partilhei a água com eles sem qualquer encargo para os mesmos.
- Aquela família onde as desavenças eram frequentes e me vinham chamar a qualquer hora do dia ou da noite para tentar pôr paz naquele lar...
- Aquele vizinho que ficou sem carro em virtude de uma forte avaria, mas que precisava imenso dele para o seu trabalho, tendo-me privado do meu para que ele pudesse governar a sua vida...
- Muitas vezes fui o banco de muita gente, dentro das minhas possibilidades, sem nunca exigir nada em troca...
- E as ocasiões em que me foi pedido um favor para a realização de pequenas tarefas para as quais tenho um certo jeito!?


Enfim, dizia a pessoa amiga, não quero me andem sempre a agradecer, mas que me conheçam como conheceram quando precisaram. Que não virem a cara. Que apareçam como apareceram nos momentos de dificuldade por que passaram. Que ao menos, em certas ocasiões, façam uma chamada, uma visita, tenham um gesto de presença. Ou pelo menos que não me hostilizem!
Sabe, dizia, sinto-me uma pessoa magoada com a ingratidão de muita gente. Mas olhe que não me arrependo de tudo o que fiz pelas pessoas.


Como eu compreendo esta pessoa amiga. Oh! Se compreendo! Compreendo, compreendo, compreendo. E sinto!!!


Hoje parece que as pessoas "têm o rei na barriga!". Só se lembram dos outros quando precisam. Esquecem rapidamente o bem recebido. Julgam-se "as maiores".
Esquecem que a INGRATIDÃO é o bilhete de identidade da sua falta de estofo interior.
E quantas vezes o bem recebido é esquecido por uma questiúncula sem importância com o benfeitor?
E quantas vezes o rego não suplanta o oceano no coração de tanta gente? O oceano do bem recebido conta menos do que o reguito do defeito, da falha, da desilusão adveniente do benfeitor?


Bastas vezes somos ingratos por descuido, pelo corre-corre da vida, pela superficialidade do viver hodierno para quem só existe o momento sem raízes e sem futuro.


Ah! Se aprendêssemos e quiséssemos ser gratos, quantas feridas evitaríamos no coração de tanta gente!!??


"Tenham 4 amores: Deus, A vida, a família e os amigos. Deus porque é o dono da vida, A vida porque é curta, a família porque é única e os amigos porque  são raros!"

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

SOPÉ DA MONTANHA - 22º aniversário

Ver aqui

O papa foi às compras

Francisco foi comprar uns sapatos ortopédicos novos
O papa Francisco surpreendeu os funcionários e clientes de uma loja de artigos ortopédicos em Roma, onde foi comprar pessoalmente uns sapatos novos.

Como já tinha feito no ano passado, quando se deslocou a um oculista para comprar uns óculos novos, o papa comprou na terça-feira à tarde uns sapatos ortopédicos numa loja da rua Gelsomino, noticiaram os meios de comunicação italianos.

Os funcionários da loja e outras pessoas que se encontravam no estabelecimento divulgaram nas redes sociais imagens do papa a cumprimentar os presentes, tirar fotos e benzer um crucifixo.
No ano passado, Francisco surpreendeu romanos e turistas quando se deslocou a um oculista, no centro histórico de Roma, para renovar os seus óculos.
Fonte: aqui

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Jornal Sempre Jovem: "Tarouca inaugura o Centro Paroquial Santa Helena da Cruz"


Depois de muito trabalho e sofri­mento do Pároco,  Manuel Carlos Pereira Lopes, acompanhado por uma equipa de paroquianos que, tendo posto mãos à obra, não deixaram que o Pároco ou o povo esmorecessem, eis que chega o dia 27 de novembro de 2016.
Esse dia foi, de facto o DIA DA CO­MUNIDADE PAROQUIAL, pois teve Eucaristia, Crisma, Bênção do Centro Paroquial, Festa da Catequese, Música, e lanche popular.
Presidiu à cerimónia D. Jacinto, Bis­po Emérito da Diocese de Lamego. Re­ceberam o Crisma 46 jovens, sendo 37 da Paróquia dc Tarouca, 5 da Paróquia de Gouviães e l da Paróquia de Várzea da Serra.
A igreja eslava repleta de paroquia­nos, havendo muita gente à porta, por não caber dentro, embora estivesse a cair uma chuva miudinha.
Após a Missa Crismal, realizou-se a caminhada, em procissão, para se pro­ceder à bênção do Novo edifício. O salão estava repleto.
Logo de imediato, houve a Sessão Solene de Inauguração, que foi orientada pela D.ra Almerinda Matias.
Na Sessão, usaram da palavra o Pá­roco, o representante do Conselho Eco­nómico, Dr. Rui; o Presidente da Junta de Freguesia, Rui Raimundo; o O Presidente da Assembleia Municipal, Dr. Domingos Nascimento; o Presidente da Câmara, Valdemar Pereira e o sr. Bispo D. Jacinto.
Todos os oradores foram unânimes no louvor e no agradecimento ao P.e Carlos pela sua coragem, pelo seu empenho, pela abdicação de bens que eram seus.
O p.e Carlos agradeceu a todos os que colaboraram: Câmara, Junta de Fre­guesia, pessoas anónimas, empresas, grupos, instituições e associações.
No fim da Sessão Solene, foi servi­do o almoço, muito bem condimenta­do, para todos os convidados, que eram muitos.
De seguida houve a estreia diversão no salão maior, que se destina, também, a eventos festivos e outros, pois cabe lá muita gente.
Este dia ficará na memória de todos os tarouquenses e daqueles que estive­ram presentes.
Sempre Jovem, na pessoa do seu diretor quer, publicamente, prestar ho­menagem ao P.e Carlos e a todos os que contribuíram, de alguma maneira, para esta obra. Valeu a pena esperar alguns anos com a ideia na cabeça, como ele fez. E o que parecia impossível, tornou- se realidade.





Incompetentes que denigrem o futebol

Ouçam, esta continuidade de erros de arbitragem que vem ocorrendo contra o Futebol Clube do Porto nesta campeonato não pode continuar. Deve ser caso único no mundo uma equipa ver escamoteados por erros grosseiros da equipa de arbitragem QUINZE lances comprovados suscetíveis de sanção máxima em CATORZE jogos! É inacreditável que os dirigentes, a imprensa, as entidades desportivas passem ao lado desta anormalidade desportiva e não usem a sua autoridade para fazer cumprir os regulamentos e meter na ordem os incompetentes que denigrem o futebol.

Fonte:   aqui

Bocage e o Natal

Se considero o triste abatimento
Em que me faz jazer minha desgraça,
A desesperação me despedaça,
No mesmo instante, o frágil sofrimento.


Mas súbito me diz o pensamento,
Para aplacar-me a dor que me traspassa,
Que Este que trouxe ao mundo a Lei da Graça,
Teve num vil presepe o nascimento.


Vejo na palha o Redentor chorando,
Ao lado a Mãe, prostrados os pastores,
A milagrosa estrela os reis guiando.


Vejo-O morrer depois, ó pecadores,
Por nós, e fecho os olhos, adorando
Os castigos do Céu como favores.

Manuel Maria Barbosa du Bocage

segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Dicas para criar filhos agradecidos – em vez de resmungões

Criar filhos mais felizes com base na gratidão é mais simples do que parece
10 dicas para criar filhos agradecidos – em vez de resmungões
Veja aqui

sábado, 17 de dezembro de 2016

Ceias de Natal por cá

Séniores em festa comemoram Natal
A época é solidariedade e confraternização, e o Município de Tarouca promoveu em 15 de dezembro um conjunto de iniciativas comemorativas da quadra natalícia, dirigidas à população sénior do concelho.
Durante a manhã, na Igreja Matriz de Ucanha, os idosos participaram numa missa preparada a rigor, tendo dado voz aos cânticos litúrgicos que fizeram parte da eucaristia. Mais tarde, cerca de quatro centenas de séniores sentaram-se à mesa para um mega almoço convívio de natal, com a ementa natalícia típica, onde não poderia falta o bacalhau e o bolo-rei.
Os mais pequenos abrilhantaram o momento, ao proporcionar aos convivas um "mini concerto" repleto de músicas natalícias que aqueceram o coração de todos os presentes.

FESTA DE NATAL DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. JOSÉ LEITE VASCONCELOS
Foto de Município de Tarouca.
Foto de Município de Tarouca.
Foto de Município de Tarouca.
Num convívio que espalhou a magia e o espírito da época natalícia, e que juntou alunos, professores, pais e funcionários, o Agrupamento de Escolas de Tarouca realizou a sua Festa de Natal em 16 de dezembro.
Durante a manhã, no Auditório Municipal Adácio Pestana, os alunos da Escola EB2,3/S Dr. José Leite Vasconcelos mostraram a sua destreza atlética com atuações de ginástica acrobática.
À tarde, no pavilhão do Centro Escolar de Tarouca, os mais pequenos, que "todos os dias nos enchem de amor e esperança e de verdadeiro espírito natalício" proporcionaram um brilhante espetáculo ao entoar canções natalícias.



Festas de Natal na Santa Casa e nos Bombeiros
Entre outras que tem havido em Tarouca, referem-se estas duas pela envolvência social das instituições e que tiveram lugar em 17 de dezembro.
 A festa de Natal da Santa Casa da Misericórdia de Tarouca começou com a celebração da Eucaristia às 11 horas onde o capelão, na homilia, falou sobre  uma das feridas do nosso tempo que é a indiferença religiosa. Só abrindo o coração e a vida ao Deus que vem, o homem do nosso tempo redescobre a alegria e a esperança.
Seguiu-se o almoço festivo com os utentes, tendo lugar depois a tarde recreativa onde utentes, funcionários e voluntários estiveram em bom nível. Há gente com imenso jeito para a representação. Foi uma tarde divertida, com boa disposição e arte.
À noite realizou-se a Ceia de Natal com a presença dos elementos dos corpos sociais,  funcionários e convidados.
As refeições cultivaram a simplicidade e a alegria.
No uso da palavra, o Presidente da Câmara agradeceu à instituição o serviço que leva a cabo  em favor de crianças e idosos, desejando a todos um Santo Natal.
O Provedor, Rui Raimundo,  enalteceu o trabalho em equipa dos órgãos sociais e salientou a alegria, dedicação e profissionalismo dos funcionários. Alguns destes, porque completaram 10 anos de bons serviços, receberam a respetiva medalha e diploma.
Como sempre, gostei do ambiente, carregado de humanidade, que se respira na Santa Casa. Apreciei a preocupação dos dirigentes, muito mais interessados em perspetivar o futuro do que em dissecar o passado.
Realizou-se a  Ceia de Natal dos Bombeiros onde tudo correu bem e as pessoas estavam satisfeitas.
É sempre um prazer vivenciar o espírito que esta instituição vive a partilha na alegria, no convívio e na boa disposição. Aquele vídeo antes da Ceia estava uma delícia. Ver a felicidade, sobretudo dos mais pequenos, no momento das prendas, é algo de muito belo.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

As conversas do João

Jesus,
Sou o João, tenho 11 anos e ando no 6º ano.

Na catequese, ensinaram-me que Tu sabes tudo,
que conheces cada um por dentro e por fora.
Por isso, perdoa-me estar a lembrar-Te aquilo que já sabes.
Mas eu preciso de falar com Alguém que me compreenda.

Jesus, no ano passado, no Natal,
Eu não pedi ao Pai Natal, que já não tenho idade
para a creditar nessas coisas. Pedi-Te a ti. Lembras?


Pedi que os meus pais tivessem saúde e trabalho;
pedi que eu fosse capaz de estar mais atento nas aulas;
Pedi por todos os meninos a quem os adultos
não deixam ser crianças;
e também te pedi uns ténis novos e um telemóvel.

Os meus pais têm tido trabalho e saúde,
eu também melhorei o comportamento
e subi as notas. Obrigado, Jesus!
Mas continuo a ouvir falar de meninos com fome,
sem família, sem escola, sem amor, sem respeito...
Os homens maus não Te deixam fazer nada por eles,
é isso, Jesus?

Também não tive o telemóvel nem os ténis de marca.
Sabes, Jesus, nunca tive!
Os meus pais dizem que ganham o ordenado mínimo
e que têm de pagar a casa e o carro que tiveram de comprar
para poderem ir trabalhar e que a vida está muito difícil.


Sabes, Amigo, nos dias grandes,
os meus pais, depois do trabalho, ainda vão para o campo.
Diz o meu pai que é para termos a mesa farta.
Eu também vou com eles e faço alguns trabalhos mais levezinhos.
Bem gostava de ficar a jogar à bola, a ver televisão, ir para a piscina,
jogar na Internet... Ah! Eu não tenho Internet nem consola...


Mas tenho uns pais bué de fixes! Falam muito comigo,
dão-me atenção, brincam comigo, explicam-me as coisas...
Tu bem sabes, Amiguito, que não os trocaria por outros
que me pudessem dar tudo o que nunca tive
e que os meus colegas têm.


Olha, Jesus, agora tenho que te deixar.
Sabes, o mano mais novo é um chato
e está ali a pedir que o vá ajudar nos trabalho de casa.
Eu gosto bué dele, mas gostava de ter um quarto só para mim.
Assim até poderia falar mais contigo sem ele me chatear.


Ah! Desculpa, Amigo, já me esquecia...
O bem que fazemos aos outros, é a ti que o fazemos.
Então também é a Ti que vou ajudar a fazer os TPCs.
Até amanhã, Jesus.

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Parabéns do Parlamento inglês

Uma moção foi assinada, nesta segunda-feira (12/12), pelos deputados do Parlamento inglês que parabenizaram, de modo oficial, o Papa Francisco, em nome do povo britânico, pelos seus 80 anos.
“Esta Câmara se congratula com Sua Santidade pelo seu 80º aniversário. Reconhece sua liderança espiritual para mais de 1 bilhão e 200 milhões de católicos em todo o mundo. Louva a sua contribuição, em primeiro plano, no enfrentamento das mudanças climáticas, a promoção do desenvolvimento sustentável, o acolhimento dos refugiados, a construção da paz, o encorajamento da reforma carcerária, a proteção da liberdade religiosa e a abolição global da pena de morte.”
No documento, o Parlamento deseja ao Papa Francisco “tudo de bom a fim de que possa continuar o seu pontificado”.
O deputado Rob Flello que promoveu a iniciativa, agradeceu ao Papa “pela liderança clara e misericordiosa da Igreja. Que Deus encha o seu coração de alegria divina”.
Fonte: aqui
Papa Francisco faz 80 anos neste sábado

quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

SABE QUEM?....

1. Ganhou Prémio Pessoa 2016?


2. Eram as cinco mulheres mais importantes do que se pensava na vida de Jesus ?
 
Veja aqui


3. Quem passa mais tempo na escola? Cristãos? Muçulmanos? Judeus?
 
Veja aqui


4. Quais são as lições que filhos emigrados nos dão todos os dias?
 
Veja aqui

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Papa: «Tenho a sensação que o meu pontificado será breve»

Vários órgãos de comunicação social portugueses estão a dar grande destaque à duração de quatro ou cinco anos que poderá durar o Pontificado do Papa Francisco.
No site da tvi24 podemos ler:
“Em declarações recordadas num documentário da Sky Atlantic, para assinalar os 80 anos do Sumo Pontífice, Francisco diz ter a sensação de que “o Senhor o colocou aqui por pouco tempo.”
Papa Francisco diz ter a sensação de que o seu pontificado será breve e não durará mais do que “quatro ou cinco anos”. As declarações já não são novas, mas foram agora recuperadas num documentário da Sky Atlantic, divulgado este domingo para assinalar os 80 anos do Papa (Jorge Bergoglio celebra 80 anos no próximo dia 17).
O documentário coleta várias entrevistas concedidas pelo Papa ao longo do pontificado e recorda uma entrevista a uma jornalista mexicana, em que Francisco disse ter a sensação de que o seu pontificado durará apenas “quatro ou cinco anos”.
Tenho a sensação que o meu pontificado será breve… quatro ou cinco anos. É como uma sensação um pouco vaga, talvez… sabe? Mas tenho a sensação de que o Senhor me pôs aqui por pouco tempo. Mas é só uma sensação, por isso, deixo sempre a possibilidade em aberto."
Numa outra entrevista, agora recuperada pelo documentário da Sky Atlantic, Francisco explica por que sente dificuldades em demonstrar as próprias emoções em público. "Quando me emociono, fecho-me nas minhas emoções. É um cozimento lento, certo? Defendo-me muito das emoções, por vergonha, por pudor… pudor machista… sei lá”, disse.
O vaticanista Octávio Carmo da Agência Ecclesia escrevia ontem:
Um novo documentário televisivo sobre o Papa retoma hoje as declarações de Francisco que perspetivam a possibilidade de vir a ter um pontificado breve.
“Tenho a sensação de que o meu pontificado será breve, quatro, cinco anos. É como uma sensação, algo vaga”, refere, numa das entrevistas citadas no documentário ‘Papa Francesco: come Dio comanda’ (Papa Francisco: como Deus lidera), que vai ser transmitido esta noite na ‘Sky Atlantic’.
O Papa observa, no entanto, que não tem dados objetivos para fazer esta afirmação, pelo que mantém todas as hipóteses “em aberto”.
O retrato do Papa, que vai completar 80 anos de idade no próximo dia 17, teve o acompanhamento do padre Antonio Spadaro, jesuíta, uma figura muito próxima de Francisco.
O pontífice argentino tinha falado sobre as suas impressões relativamente à duração do pontificado em março de 2015, numa entrevista à televisão mexicana ‘Televisa’.
“O Senhor colocou-me [aqui] para uma coisa breve, nada mais”, precisava.
Em declarações à Rádio Vaticano, o padre Spadaro explica que o documentário procura “valorizar a perspetiva dos fiéis sobre o Papa Francisco”, apresentando “um percurso íntimo, profundamente humano” de alguém que vive “uma dimensão profundamente dramática da história”.
O sacerdote jesuíta, diretor da revista ‘Civilità Cattolica’ explica que o documentário não tem declarações “inéditas”, no sentido estrito do termo, mas apresenta pela primeira vez registos de áudio e vídeo de algumas entrevistas concedidas até hoje pelo Papa.
O trabalho passa em revista o percurso de vida de Jorge Mario Bergoglio, o antigo arcebispo de Buenos Aires que em março de 2013, aos 76 anos de vida, foi eleito para suceder a Bento XVI.
Os 45 minutos de programa foram dirigidos por Diana Ligorio em colaboração com Salvatore Mazza, antigo vaticanista do jornal católico italiano, ‘Avvenire’.
O trabalho centra-se em três entrevistas concedidas pelo Papa na sua língua natal, o espanhol, e apresenta imagens pouco conhecidas do pontificado, na Praça de São Pedro ou em viagens internacionais.
Em síntese, nada de inédito, para além de pela primeira vez haver registo de áudio e vídeo de algumas entrevistas concedidas. Francisco completa 80 anos no próximo dia 17. Continuemos a rezar pelo Papa e para que Deus continue a iluminar e inspirá-lo, assim como a todos os crentes.
Agência ecclesia

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Sorteio dos oitavos de final da Liga dos Campeões

O sorteio dos oitavos de final da Liga dos Campeões ditou como cabeça de cartaz reencontro entre Paris Saint-Germain e Barcelona, além de o Benfica defrontar o Borussia Dortmund e o FC Porto a Juventus.

De destacar ainda o confronto entre o Manchester City e o Mónaco, orientado por Leonardo Jardim. O Real Madrid, de Cristiano Ronaldo e companhia, vai continuar a defender o título conquistado na época passada frente ao Nápoles.

Eis o sorteio:

Manchester City – Mónaco

Real Madrid – Nápoles

Benfica – Borussia Dortmund

Bayern Munique – Arsenal

FC Porto – Juventus

Bayer Leverkusen – Atlético Madrid

Paris Saint-Germain - Barcelona

Sevilha - Leicester

Os jogos da primeira mão vão realizar-se a 14/15 e 22/23 de fevereiro.                                  

domingo, 11 de dezembro de 2016

Tarouca: algumas atividades do Natal

Mega Presépio em Movimento
Fui ver e gostei. Parabéns a José Funina e Silvina Funina, autores de tão importante exposição. A SIC passou por cá e já o mostrou.
A exposição tem cerca de 65m2. A figuração dos bombeiros, da azenha e do barbeiro são algumas das novidades da edição deste ano entre as cerca de 250 figuras compõem o presépio, onde se podem observar várias peças iluminadas, o rio, artesãos, lavadeiras, pescadores, procissões, romarias, a matança do porco, os coretos com as bandas de música, a Igreja de S. Pedro e Capela de Santa Helena, entre outras surpresas.
- Para mim o mais importante é "aquele"! - dizia -me o sr. Funina, apontando para o presépio.
Acrescente-se que a exposição até aberta ao público até 10 de janeiro.






Luz de Natal
Natal é luz, porque Cristo é a Luz do Mundo. "Quem me segue não anda nas trevas", disse Ele.






CAMINHADA SOLIDÁRIA DE NATAL
Porque o Natal é cooperação, entreajuda e solidariedade,o Município de Tarouca organizou uma Caminhada Solidária de Natal no dia 11 de dezembro.




Clássicos S/Ferrugem
Também no dia 11, a Associação Clássicos S/Ferrugem de Tarouca levou a cabo o V Rally de Natal.  



 Associação dos Amigos dos Animais de Tarouca
O Canil Municipal de Tarouca, com o apoio da Associação dos Amigos dos Animais de Tarouca, realiza uma campanha de adoção que decorrerá de 12 a 23 de dezembro, com oferta da esterilização aos animais adotados, bem como vacina da raiva, microchip eletrónico e desparasitação.


VENCEDORES DOS JOGOS FLORAIS DO VASLE DO VAROSA/2016
Os trabalhos apresentados nesta edição dos Jogos Florais encontram-se expostos no Auditório Municipal.
A entrega de prémios e certificados teve lugar no dia 10 de dezembro, no Auditório Municipal, durante a realização da Assembleia Municipal que decorreu naquele local.
Quer saber que foram os vencedores? Então veja AQUI.
´~
Artesãos


sábado, 10 de dezembro de 2016

O estrebuchar do morto!

Quando das revoltas coloniais que deram a independência a 90% do território africano, só Salazar, no seu provinciano, obscuro e maléfico orgulho, desdenhou a possibilidade de uma transição pacifica. Preferiu a luta armada e as independências das ex-colónias. Foi o que se viu! Uma fuga, desesperada para salvar a vida e alguns bens de quem lá viveu uma vida! A minha avó materna, só durou 3 meses aqui, no Continente!
Durante esse tempo, o Mundo inteiro condenou abertamente a política portuguesa, que fez o ditador proferir a triste e célebre frase do orgulhosamente sós!
O centralismo é igual! Caminha orgulhosamente só, como único nesta Europa ocidental, com as suas vaidades, manias e tiques. Caminha despudoradamente só, pensando que só ele é que existe, só ele é que manda, só ele é que sabe! Não se apercebe que o interior português vegeta numa solidão de pessoas, empregos e riqueza! Não se apercebe que a litoralização do país, condena-o á pobreza, á dependência de quem tem a riqueza bem distribuída por igual.
Não se apercebe das constantes chamadas de atenção dos parceiros europeus, que condenam veementemente esta política vampira de sugar tudo a todos!
A estupefacção da BBC, é o culminar da vergonha das gentes sem vergonha, e que para maior vergonha, 90% dessa gente nem alfacinha é! Porque uma coisa é ser-se transmontano a viver no Porto, e eu conheço bastantes, que o são e não renegam as suas raízes, bem pelo contrário, até se orgulham delas. Outra coisa é ser-se migrante em Lisboa. O complexo de inferioridade é enorme, fazendo deles mais lisboetas que o alfacinha de gema!
E quem afirma que o país é pequeno para ser regionalizado, é porque nunca foi do Porto a Bragança, de Monção a Tavira. De Vilar Formoso a Aveiro! Tanta diferença cultural, gastronómica, climática, linguística até, tanta riqueza multiétnica de um só povo, passe o paradoxo!
Maldita a hora em que mandamos a carninha toda para a capital e ficamos com as tripas!
O Portugal das regiões, impõem-se!

In "As crónicas do Felisberto Costa", aqui

AS OBRAS DE MISERICÓRDIA DO NOSSO TEMPO

sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Pois, pessoas doentes...

Há quem faça tudo por abrir brechas, cavar trincheiras, construir muros.
E uma forma de o fazer é insinuar, insinar, insinuar... Recorrendo ao boato, ao "diz-se, diz-se"...
Há quem não procure a informação correta, porque o que lhe interessa é espalhar poeira, armar confusão, semear divisão.
Tanto no mundo real como no virtual.
São pessoas doentes!
Vale que tais mensageiros são conhecidos e já ninguém lhes liga. Exceto os que sofrem da mesma doença.



Então fizeste uma festa e nem te lembraste de mim!?

Faziam 50 anos de casados. Convidaram os amigos para as Bodas de Ouro.
Pessoas pouco atreitas a burocracias - e muito menos quando se trata de amigos - reduziram-nas ao mínimo.
Numa carta, o casal redigira assim o convite a outra família:
" Liliana Sá e Eurico Teixeira  vêm convidar Vª Exª , a senhora sua esposa  e  Ex.mos filhos para a a celebração das suas Bodas de Ouro, que ocorrerão em 5 de junho de 2016, com o seguinte Programa"  (Seguia-se o programa, com o respetivo contexto  espácio-temporal).
Tempos depois, um dos filhos encontrou o seu amigo Eurico e disparou:
- Sim senhor! Pensei que éramos amigos... Então fizeste uma festa e nem te lembraste de mim!?
Eurico Teixeira pede ao amigo que o acompanhe, já que o encontro se dera perto de casa. Ligou o computador, abriu o ficheiro e mostrou o convite enviado.
O amigo coça a cabeça e solta um "Ah", tentando rapidamente mudar de conversa.
- Se a tua família não te disse nada, a culpa não é minha. Que fique claro - acrescenta o Eurico.


Situações deste tipo acontecem várias vezes na vida social, acarretando incompreensões, mal-entendidos, despeitos. Nalguns casos, as pessoas fingem ignorar o convite para assim terem uma desculpa. Noutras situações é a pessoa encarregada de transmitir o convite que o não faz, seja por esquecimento seja por conveniência.
Como em tudo, a transparência só honra quem dela faz uso.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2016

SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA PADROEIRA DE PORTUGAL

Portugal foi sempre a "Terra de Santa Maria"
8 de dezembro
SOLENIDADE DA IMACULADA CONCEIÇÃO DE NOSSA SENHORA
PADROEIRA DE PORTUGAL

Portugal foi sempre a "Terra de Santa Maria".
Vamos recordar alguns passos da História de Portugal.
1. - O nosso primeiro Rei, nascido em Guimarães, foi batizado nessa mesma cidade, na igreja de S. Miguel Arcanjo.
Nessa "cidade berço", havia um templo dedicado a Santa Maria - Santa Maria da Oliveira - no mosteiro que a condessa Mumadona fundara aí no século X.
2.- Segundo o cronista António Brandão, "o menino foi logo posto debaixo do amparo da Bemaventurada Virgem Maria Mãe de Deus, Senhora Nossa, por cuja revelação e intercessão alcançou a saúde das pernas" (Monarchia Lusitana, 3.ªparte, livro XI), o que terá acontecido na Igreja de Santa Maria de Cárquere.
3.-Sem haver confirmação histórica, consta por tradição que Afonso Henriques colocou o reino sob o amparo de Nossa Senhora de Claraval, da Ordem de Cister, com a obrigação de lhe pagar anualmente cinquenta maravedis em ouro, como prova de vassalagem.
4.- As primeiras catedrais do país, que D. Afonso Henriques ajudou a construir, foram todas dedicadas a Nossa Senhora, com o título de SANTA MARIA. É o caso da do Porto, de Braga, de Lamego e de Coimbra.
4.-Na Crise Política de 1383-85, Nuno Álvares Pereira e o Mestre de Aviz entregaram a Nossa Senhora a salvação de Portugal do domínio de Castela. Agradecendo a Sua proteção, construiu-se a Igreja e o Mosteiro de Santa Maria da Batalha, e D. Nuno construiu em Vila Vicosa, no Alentejo, uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, tendo mandado vir de Inglaterra uma imagem da Senhora.
5.--Em 8 de Dezembro de 1640, sete dias depois da revolução que nos libertou de 60 anos de subjugação a Castela, celebrou-se na catedral de Lisboa, com toda a solenidade, a festa da Imaculada Conceição, com a presença de D. João IV, o nosso novo rei. No mesmo mês, o rei escreveu uma carta à Universidade de Coimbra, informando que tinha decidido e ordenado que todas as cidades, vilas e lugares dos seu reino tomassem por padroeira Nossa Senhora da Conceição.
6.- A 25 de Março de 1646, depois de as Cortes (com representantes do Clero, da Nobreza e do Povo) assim o terem decidido, acorreu ao Terreiro do Paço uma incontável multidão de pessoas de Lisboa e do país, e, na presença de todos, o rei D. João IV, e o príncipe herdeiro D. Teodósio, proclamaram solenemente e para sempre a Imaculada Conceição como Padroeira e Rainha de Portugal.
Joaquim Correia Duarte

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Natal. Ele são...


Ele são peditórios de todo o lado e pelas mais diversas formas... telefone, email, carta, redes sociais, à porta...
Ele são as famosas as ceias de Natal por tudo o que é sítio, associação, grupo, empresa...
Ele são todo o tipo de corridas por tudo o que é sítio...
Ele são as agressividades do comércio que não olha a meios para "dourar a pílula"...
Ele são as prendas como obsessão da época...
Ele são os preparativos para a Consoada e a passagem de ano...
Azáfama... corre-corre...efervescência...
Tanto que em outubro já se fala de Natal como se não houvesse outras etapas a percorrer.
O Advento resume-se a viver antecipadamente o Natal...
O presépio foi chutado para canto.
As referências bíblicas ao nascimento de Jesus ficam esquecidas na gaveta.
A contemplação do Deus da Paz que se faz Menino não tem espaço no coração da correria.
A solidariedade como um natal de todos os dias é despejada nesta altura como quem alivia a consciência.
As pessoas deixam-se escravizar por uma propaganda comercial sem escrúpulos que as conduz ao que pretende.
A sensação do momento, o êxtase do ter e do gozar encharcam o natal de muita gente. A tal ponte que o pai ou a mãe ficam no Lar para não estorvar o clima lá em casa.
A noite de passagem de ano baila com ímpeto no coração e na cabeça de muitos. Vale tudo. Importa a extravagância, a nova sensação, o diferente, o excesso.
O Deus do Natal  serve só de ocasião para natais pagãos.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

Permita que lhe pergunte, já que perguntar não ofende

Dia 4 de dezembro... Domingo, dizem os calendários.
Mas permita que lhe pergunte, já que perguntar não ofende:
- Para si que se diz cristão, foi domingo ou apenas feriado? É que domingo quer dizer "DIA do SENHOR"!...
- Quem foi o seu SENHOR neste dia? O desporto? A cama? O trabalho? O café? O passeio? A falta de hábitos salutares? A vergonha e o respeito humano? A indiferença? Que Deus adorou e serviu ontem?
- Já tomou consciência que sem a comunidade é um órfão?
- Esteve presente na comunidade que louvou o seu Senhor ou deixou o seu lugar vazio?
- Porque não foi à Missa?



Deus continua à sua espera!!!
Não acha que é tempo de se converter a Deus e à comunidade?

domingo, 4 de dezembro de 2016

sábado, 3 de dezembro de 2016

Sobre a Criação

Papa Francisco:
“Todo o universo material é uma linguagem do amor de Deus, do seu carinho sem medida por nós. O solo, a água, as montanhas: tudo é carícia de Deus”

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Inauguração da Imagem de Santa Helena prevista para 1 de janeiro de 2017

 
 

 Imagem em granito de Santa Helena

 Imagem em granito de Santa Helena e de seu filho Constantino.
Em fase de acabamentos.
Peças em granito que servirão de suporte à Imagem. Em fase de acabamentos.

Com a base, a Imagem terá 3 metros e 20 cm de altura.
Prevê-se que a Imagem esteja pronta para ser inaugurada no dia 1 de Janeiro.
Nesse dia, caso as previsões se confirmem, as Missas serão no Centro Paroquial, seguidas de uma visita à Imagem que, como é sabido, ficará na parte externa do Centro Paroquial.
Gostei muito do que vi. Mais uma obra que vamos deixar ao futuro como sinal do nosso carinho por Santa Helena.