quarta-feira, 17 de julho de 2019

terça-feira, 16 de julho de 2019

Parafraseando o salmista, também podemos dizer "pegue-se a minha língua ao paladar se me esquecer de ti, Santa Helena"!

Nossa Senhora das Dores
Image result for Senhora das Dores  tarouca
Só compreende Santa Helena quem sente Santa Helena.
Aquele lugar e aquele ambiente são mágicos.
A altura solitária da Serra, a vastidão de horizontes, aliadas à vivência humana, tornam a novena e festa de Santa Helena inesquecíveis.
Gente que ali vive durante a novena num ambiente pobre de condições materiais mas rico de proximidade, interajuda, familiar mesmo.
Gente que ali se descola diariamente a pé ou de carro e que fica feliz pelo esforço e pela despesa.
Santa Helena tem a marca da franqueza, do sorriso, do abraço, da solidariedade, do esforço que vale a pena.
Aquela capela, embora pequena, abre-nos ao abraço infinito de Deus.
A aquele silêncio serrano não pesa mas liberta, escancara a alma para o indizível de Deus.
Santa Helena nunca é uma memória, é uma presença.



quinta-feira, 11 de julho de 2019

Da Serra, as serras...

O mundo inteiro desce de Jerusalém para Jericó, sempre


Um homem descia de Jerusalém para Jericó. Uma das histórias mais belas do mundo. Um homem descia, e nem um adjetivo: judeu ou samaritano, justo ou injusto, rico ou pobre, pode ser até um desonesto, um bandido: é o homem, cada homem! Não sabemos o seu nome, mas sabemos da sua dor: ferido, golpeado, terror e sangue, rosto por terra, não se consegue recuperar por si só. É o homem, é um oceano de homens, de pobres derrubados, humilhados, bombardeados, naufragados, bolsas de humanidade ensanguentada em cada continente. O mundo inteiro desce de Jerusalém para Jericó, sempre.
Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura

terça-feira, 9 de julho de 2019

Pela Serra de Santa Helena


Gruta de Carolina e acessos
Pela Serra
Ao pôr-do-sol

QUANTO MENOS FÉ, MAIS VAIDADE.

FUNERAIS CRISTÃOS:
MOMENTOS DE FÉ, DE SUFRÁGIO E DE ORAÇÃO?
OU APENAS ACTOS SOCIAIS, CHEIOS DE EXIBIÇÕES E DE VAIDADES?
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas em pé
PARECE QUE, AGORA, QUANDO MORREM, TODAS AS PESSOAS SÃO HERÓIS E SANTOS: BATEM-SE PALMAS, PÕEM-SE COROAS DE ROSAS, E FAZEM-SE DISCURSOS LAUDATÓRIOS. ...
ATÉ PARECE QUE JÁ NÃO HÁ PECADOS NEM PECADORES, NEM CÉU, NEM PURGATÓRIO, NEM INFERNO!
QUE BELEZA!... OU QUE DESGRAÇA!

PERGUNTA-SE:
OS FUNERAIS SÃO APENAS PARA CONSOLAR OS VIVOS... OU TAMBÉM E SOBRETUDO PARA ORAR A DEUS PELOS MORTOS, PARA QUE DEUS ACOLHA AS SUAS ALMAS NO CÉU E, SE NÃO ESTÃO AINDA EM CONDIÇÕES DE SER ACOLHIDOS NO CÉU, OS AJUDARMOS NA SUA PURIFICAÇÃO, COM AS NOSSAS ORAÇÕES E, SOBRETUDO COM A OFERTA DO SANTO SACRIFÍCIO DE JESUS (SANTA MISSA)?
QUEM PASSA POR ESTE MUNDO SEM PECAR?
QUEM CHEGA Á HORA DA MORTE, INTEIRAMENTE PURO E SANTO, EM CONDIÇÕES DE ENTRAR NA PRESENÇA DE DEUS?
O QUE ESTÁ A FAZER-SE EM MUITOS FUNERAIS, DIZ-NOS QUE A FÉ É POUCA, OU NENHUMA, E QUE A IGNORÂNCIA RELIGIOSA É ENORME.
EM VEZ DE MISSA DE SUFRÁGIO (de purificação),PELOS FALECIDOS, CELEBRAM-SE (fazem-se...dizem...) MISSAS DE HOMENAGEM, OU MISSAS EM MEMÓRIA!...
E NO FIM, É QUASE OBRIGATÓRIO ALGUM FAMILIAR OU AMIGO DO FALECIDO, SUBIR AO AMBÃO DA PALAVRA DE DEUS, E, DAÍ, FAZER O SEU ELOGIO (VERDADEIRO OU FALSO) ..SABE DEUS COM QUE SINCERIDADE E COM QUE INTENÇÃO.
OS PÁROCOS, COM MEDO DE DESAGRADAR OU DE SER POUCO SIMPÁTICOS, CEDEM...E DEIXAM CORRER.
OS BISPOS DE CADA DIOCESE, OU NÃO DÃO CONTA OU NÃO QUEREM INCOMODAR-SE, E TUDO VAI COMO VAI E ESTÁ A FICAR COMO ESTÁ!
ISTO AINDA NÃO É GERAL, POR CÁ, MAS VAI-SE CAMINHANDO NESSE SENTIDO.
QUANTO MENOS FÉ, MAIS VAIDADE.
Joaquim Correia Duarte

segunda-feira, 8 de julho de 2019

sexta-feira, 5 de julho de 2019

As nossas cidades vivem num presente perpétuo sem respeito pelo passado e sem consideração pelo futuro.

"A minha geração e a geração ainda mais nova foram educadas no egocentrismo, num individualismo extremo que procura os prazeres imediatos e os sonhos profissionais. Portugal é um caso extremo da cultura pós-moderna que desvalorizou nas últimas décadas os conceitos de compromisso, casamento e família. Criámos uma sociedade de indivíduos solitários que jantam sozinhos, tendo a Netflix e o cão como única companhia. As nossas cidades vivem num presente perpétuo sem respeito pelo passado e sem consideração pelo futuro. É por isso que esta sociedade está a trocar as pessoas pelos animais. Literalmente. É por isso que temos os nossos velhos (o passado) a viver numa solidão que nos envergonha. É por isso que temos uma das taxas de natalidade (o futuro) mais baixas do mundo."
Henrique Raposo

quinta-feira, 4 de julho de 2019