quinta-feira, 30 de julho de 2015

Senhora de Fátima nas dioceses

A Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima está a passar por todas as dioceses de Portugal, numa grande peregrinação festiva, que pretende preparar o Centenário das Aparições. Na nossa Diocese estará entre 13 e 27 de Setembro próximo.
Esta celebração do Centenário é um "tempo favorável", que o Senhor nos concede viver, para revitalizar a nossa vivência de fé, uma vez que não pretende assinalar simplesmente uma efeméride histórica, mas tornar-se veículo de evangelização e caminho para a conversão e para o encontro com Cristo, por meio de Maria. É neste contexto que surge esta iniciativa da peregrinação da imagem de Nossa Senhora de Fátima pelas dioceses portuguesas. Ela é uma boa ocasião para sensibilizar as comunidades para a importante celebração do Centenário das Aparições.

No caso da Diocese de Lamego, a Imagem da Senhora de Fátima passará como se indica:



Os Bispos Portugueses escreveram que gostariam "que esta grande peregrinação da imagem de Nossa Senhora fosse uma forte experiência de fé, através das celebrações, momentos de oração e expressões de piedade popular; desejaríamos que fossem atingidas todas as faixas etárias e que todos tivessem oportunidade de aprofundar o conhecimento e vivência da mensagem de Fátima".
"Esperamos, por isso, que esta visita da imagem da Virgem Peregrina de Fátima mobilize todas as comunidades cristãs para um acolhimento caloroso, marcado pela alegria de receber, na fé, o ícone da Mãe de Deus e Mãe dos Homens, contemplação do rosto terno e misericordioso de Deus, sempre objecto da devoção e do carinho dos fiéis. Na simplicidade e na grandeza de povo crente, entoaremos com Maria o cântico de louvor e gratidão a Deus pela grandeza das suas obras, proclamando com entusiasmo a profecia do Magnificat: ‘de hoje em diante me chamarão bem-aventurada todas as gerações’ (Lc 1, 48)" – referem também os nossos Bispos.

Fonte: aqui (adaptado)

terça-feira, 28 de julho de 2015

Está aí à porta o Sopé da Montanha de junho/julho..




Assine, leia e divulgue o Sopé da Montanha.

O «REJUVENESCIMENTO» DOS ADULTOS E O «ENVELHECIMENTO» DOS JOVENS

Alegremo-nos com o rejuvenescimento de tantos idosos. Mas preocupemo-nos (e muito) com o prematuro envelhecimento de tantos jovens.
Tal envelhecimento é tanto mais preocupante quanto mais ele resulta de uma ilusória percepção de juventude.
Ser jovem é sobretudo construir, abrir janelas e rasgar caminhos. Uma juventude que se afoga em álcool e se desgasta em noites sem fim é verdadeiramente jovem?
O problema é os que os adultos não estão a conseguir ajudar os jovens a crescer.
O problema é que muitos adultos mantém comportamentos pouco maduros. E, como já dizia Camilo, «enquanto houver "rapazes" de 40 anos, temos de desculpar as leviandades dos "velhos" de 17».
Não serão os «rapazes» de 40 que, muitas vezes, ajudam a «envelhecer» prematuramente os jovens de 17?
Meditemos!
Fonte: aqui

Coisas da Minha Mãe!

video

Três caminhos ...

"Há três caminhos para o fracasso: não ensinar o que se sabe, não praticar o que se ensina, e não perguntar o que se ignora."
São Beda

domingo, 26 de julho de 2015

Para a boa convivência matrimonial

Confira algumas dicas para aprender a lidar com situações quotidianas e evitar que elas prejudiquem o seu casamento e a sua família
marito e moglie in cucina
O amor e as boas intenções são um bom ponto de partida para que haja harmonia na convivência matrimonial, mas é natural que, no dia a dia, se destaquem os defeitos de temperamento e outras atitudes que podem prejudicar o relacionamento.

Uma boa convivência matrimonial repercute positivamente no bem-estar físico e emocional, não somente dos cônjuges, mas também dos filhos e demais membros da família.

Apresentamos, a seguir, algumas dicas para aprender a lidar com situações cotidianas e evitar que elas prejudiquem a boa convivência a dois:

Fora, egoísmo! Podemos ser egoístas com o tempo, com o dinheiro, com os gostos, com o poder, com as decisões. Dar prioridade aos interesses particulares é um passo certo rumo ao conflito. O egoísmo não tem lugar no casamento, pois o que conta não é somente o que "eu quero", e sim o que "nós queremos".

Negociar ao invés de discutir. A vida matrimonial se baseia em uma negociação contínua, na qual não há ganhadores ou perdedores. Por isso, a relação e os acordos devem se basear em um ganhar/ganhar. Cada um deve buscar que os dois ganhem em todos os aspectos: decisões, finanças, sexualidade, afazeres etc.

Não levar as ações do cônjuge para o lado pessoal. É preciso, antes, entender que o que nos incomoda pode ser simplesmente um traço de personalidade do outro. O carinho e o exemplo são a melhor maneira de ajudar a melhorar os defeitos de outra pessoa.

É preciso ceder. Os que permanecem estáticos em suas opiniões estão incentivando um desgosto sem necessidade. Um dos dois tem de dar o braço a torcer, para que o outro ceda também. No casamento, é preciso ceder muitas, muitas vezes.

Tratar o outro como eu gostaria de ser tratado. Ainda que pareça um chavão, este é um princípio básico para uma boa convivência.

Evitar o mau humor e a irritação por pequenas coisas. É preciso ser pacientes e compreensivos. A ira é prejudicial, enquanto o sorriso é benéfico. Os problemas, mal-estares e pressões não justificam o mau humor nem a agressividade.

Estar em casa de corpo e alma. Isso significa que, ao chegar em casa, é preciso ter todos os sentidos focados no lar, não no trabalho, nem na televisão, celular ou tablet. Os poucos momentos para estar juntos devem ser aproveitados.

Tarefas compartilhadas. Não pode haver sobrecarga para nenhum dos dois; cada um deve ter suas responsabilidades dentro de casa.

Perdoar significa esquecer, ainda que a memória resista. Ficar estancado no passado é negar a possibilidade de viver um presente e um futuro maravilhosos.

Manifestar o carinho diariamente, com gestos concretos. O amor se alimenta na convivência, no dia a dia, não apenas nas ocasiões especiais. É preciso dar ao outro o que ele espera de nós, algo bom para o casal.

Escutar o dobro do que se fala, chave para o diálogo.

Tomar decisões juntos, pensando sempre no bem-estar da família.

Aceitar as diferenças. Não importa se vocês são diferentes; o importante é respeitar o jeito de ser do outro. E aprender a aceitar as diferenças de temperamentos, capacidades, ritmos de trabalho, buscando chegar a pontos em comum.

A vida pode ser divertida, apesar dos pesares. Nem tudo se resume a trabalho, rigorosidade, seriedade, temas profundos, problemas. A vida está repleta de detalhes e o casamento se enriquece com eles.

Por isso, o lazer, o descanso, os planos familiares, as escapadas românticas e todas as atividades que acabem com a rotina são bem-vindas. Da mesma forma, conservar o bom humor nos momentos difíceis é uma das melhores maneiras de melhorar a convivência.
O amor e as boas intenções são um bom ponto de partida para que haja harmonia na convivência matrimonial, mas é natural que, no dia a dia, se destaquem os defeitos de temperamento e outras atitudes que podem prejudicar o relacionamento.

Uma boa convivência matrimonial repercute positivamente no bem-estar físico e emocional, não somente dos cônjuges, mas também dos filhos e demais membros da família.

Apresentamos, a seguir, algumas dicas para aprender a lidar com situações cotidianas e evitar que elas prejudiquem a boa convivência a dois:

Fora, egoísmo! Podemos ser egoístas com o tempo, com o dinheiro, com os gostos, com o poder, com as decisões. Dar prioridade aos interesses particulares é um passo certo rumo ao conflito. O egoísmo não tem lugar no casamento, pois o que conta não é somente o que "eu quero", e sim o que "nós queremos".

Negociar ao invés de discutir. A vida matrimonial se baseia em uma negociação contínua, na qual não há ganhadores ou perdedores. Por isso, a relação e os acordos devem se basear em um ganhar/ganhar. Cada um deve buscar que os dois ganhem em todos os aspectos: decisões, finanças, sexualidade, afazeres etc.

Não levar as ações do cônjuge para o lado pessoal. É preciso, antes, entender que o que nos incomoda pode ser simplesmente um traço de personalidade do outro. O carinho e o exemplo são a melhor maneira de ajudar a melhorar os defeitos de outra pessoa.

É preciso ceder. Os que permanecem estáticos em suas opiniões estão incentivando um desgosto sem necessidade. Um dos dois tem de dar o braço a torcer, para que o outro ceda também. No casamento, é preciso ceder muitas, muitas vezes.

Tratar o outro como eu gostaria de ser tratado. Ainda que pareça um chavão, este é um princípio básico para uma boa convivência.

Evitar o mau humor e a irritação por pequenas coisas. É preciso ser pacientes e compreensivos. A ira é prejudicial, enquanto o sorriso é benéfico. Os problemas, mal-estares e pressões não justificam o mau humor nem a agressividade.

Estar em casa de corpo e alma. Isso significa que, ao chegar em casa, é preciso ter todos os sentidos focados no lar, não no trabalho, nem na televisão, celular ou tablet. Os poucos momentos para estar juntos devem ser aproveitados.

Tarefas compartilhadas. Não pode haver sobrecarga para nenhum dos dois; cada um deve ter suas responsabilidades dentro de casa.

Perdoar significa esquecer, ainda que a memória resista. Ficar estancado no passado é negar a possibilidade de viver um presente e um futuro maravilhosos.

Manifestar o carinho diariamente, com gestos concretos. O amor se alimenta na convivência, no dia a dia, não apenas nas ocasiões especiais. É preciso dar ao outro o que ele espera de nós, algo bom para o casal.

Escutar o dobro do que se fala, chave para o diálogo.

Tomar decisões juntos, pensando sempre no bem-estar da família.

Aceitar as diferenças. Não importa se vocês são diferentes; o importante é respeitar o jeito de ser do outro. E aprender a aceitar as diferenças de temperamentos, capacidades, ritmos de trabalho, buscando chegar a pontos em comum.

A vida pode ser divertida, apesar dos pesares. Nem tudo se resume a trabalho, rigorosidade, seriedade, temas profundos, problemas. A vida está repleta de detalhes e o casamento se enriquece com eles.

Por isso, o lazer, o descanso, os planos familiares, as escapadas românticas e todas as atividades que acabem com a rotina são bem-vindas. Da mesma forma, conservar o bom humor nos momentos difíceis é uma das melhores maneiras de melhorar a convivência.
Fonte: aqui

sábado, 25 de julho de 2015

C O N V I T E

IMAGEM PEREGRINA DE NOSSA SENHORA DE FÁTIMA


Quando se trata da Visita da Imagem da MÃE, logicamente que TODOS estão convidados. ...
Assim de uma forma singela, a Paróquia convida todas as pessoas, famílias, associações, grupos, existentes na área desta Paróquia a marcar presença na receção, procissão de velas, Eucaristia, noite e manhã de oração.

sexta-feira, 24 de julho de 2015

O aborto como sacramento de uma nova religião

Foram ontem aprovadas alterações à lei do aborto. Nomeadamente:

- As mulheres que pensam abortar são agora obrigadas a fazer consultas de aconselhamento durante o período de reflexão;
- Algumas mulheres, as que não seriam isentas de taxas moderadoras de qualquer maneira, terão de passar a pagá-las para abortar;
- Os objectores de consciência passam a poder fazer consultas de aconselhamento.

A pergunta do referendo de 2007 foi esta: 

"Concorda com a despenalização da interrupção voluntária da gravidez, se realizada, por opção da mulher, nas 10 primeiras semanas, em estabelecimento de saúde legalmente autorizado?"

Ou seja, não há aqui nada sobre as consultas de aconselhamento, nada sobre taxas moderadoras e nada sobre a exclusão de objectores de consciência de eventuais consultas de aconselhamento. 

Contudo, ainda assim, a esquerda conseguiu vislumbrar na decisão de ontem uma “adulteração” do referendo. Segundo o expresso, as várias bancadas consideram que se trata de uma violação do “espírito” do referendo. São os tempos em que vivemos. Os fetos não têm direitos nem dignidade, mas os referendos têm espíritos (mas só alguns… o referendo de 1998 foi bastante menos espirituoso).

A questão dos objectores de consciência sempre me pareceu uma das maiores injustiças da actual lei (deixando de parte a óbvia injustiça que é o próprio aborto). Porque o que o Estado está a dizer quando exclui os objectores de consciência das consultas de aconselhamento é que as pessoas que acreditam que o aborto é um mal, e que por isso não o querem praticar, são de alguma forma incapazes de exercer outros aspectos da sua profissão e não conseguem sequer aconselhar mulheres em situações dramáticas sem tentar impor as suas crenças medievais.

O comunista António Filipe considera mesmo que a direita quer “transformar os objectores de consciência numa tropa de choque”. Mas se pensavam que o dramatismo se resumia ao menino do PCP que se veste à Bloco de Esquerda, enganam-se! Temos sempre a Isabel Moreira.

Não. Eu não vou fazer um post a destruir ou a criticar a Isabel Moreira. Isto porque embora eu possa discordar muito do aborto, sou um fervoroso defensor da liberdade religiosa e Isabel Moreira, nestes casos, está a agir claramente em defesa da sua fé.

Porque para quem ainda não percebeu, esta questão não é menos que uma questão religiosa. Toda a revolução sexual, que tanto mal tem feito às famílias, às crianças e às próprias mulheres que supostamente seriam as suas grandes beneficiárias, é hoje defendida com fervor religioso, contra todos os factos. 

(Nesse sentido, permito-me regozijar no facto de que pelo menos a minha religião defende – e tem longa tradição de defender – que a fé não pode ser incompatível com a razão, coisa que aos fiéis da Igreja da Revolução Sexual não se aplica, mas crenças são crenças e temos de respeitar.)

E como qualquer religião que se preze, a Igreja da Revolução Sexual tem liturgias – ver aqui um exemplo recente e perturbador –, tem apologistas – ver Isabel Moreira –; tem doutrina (e por consequência considera hereges que não segue a ortodoxia) e tem sacramentos: o aborto*.

Só assim é que se explica a paixão com que pessoas como Isabel Moreira, mas não só, defendem algo que até recentemente os seus correligionários classificavam apenas como um “mal necessário”. Só assim se explica que, segundo a própria, a existência de consultas de aconselhamento, com o intuito de informar as mulheres daquilo que vão fazer e das consequências, é uma forma de “terrorismo psicológico sobre as mulheres” praticada por pessoas imbuídas de “maldade pura”.

Os fiéis desta igreja até reivindicam para os seus praticantes a isenção de impostos que tanto criticam nos outros credos. Mas porque razão as nossas irmãs têm de pagar taxas moderadoras quando são operadas a um tumor no útero, mas as nossas primas devem ser isentas quando optam por abortar? 

Um dos problemas desta religião é que nem sequer é fiel à sua própria tradição. Hoje diz uma coisa, amanhã diz outra. Lembram-se quando nos pintavam a imagem da pobre mulher, forçada a abortar numa clínica de vão de escada, sozinha e sem apoio? Pois Helena Pinto critica precisamente que com as alterações à lei a mulher pode abortar, pode decidir, “mas não pode decidir sozinha”.

"Recebei Senhor este sacrifício das nossas mãos"
Eu lembro-me da campanha de 2007. Lembro-me que os adeptos do sim nos diziam que o aborto é uma coisa terrível, mas que pelo menos a mulher não deve ir presa e que o referendo era unicamente sobre isso: a descriminalização. Nem liberalização era! Apenas descriminalização.

Pois quem diria! É uma coisa tão terrível que os únicos que trabalham no terreno para ajudar as mulheres a não o praticar são “terroristas imbuídos de pura maldade” e os médicos que se recusam a desmembrar os nossos filhos, apenas porque a mãe, na sua sagrada autonomia o deseja (ou, o que é mais comum, porque os seus pais ou o seu parceiro a pressiona), são uma “tropa de choque”.

Sim, é verdade… A revolução sexual é uma religião, a nova religião oficial. E o facto de o PS deixar que Isabel Moreira seja a face visível da sua política neste campo diz tudo o que eu preciso de saber sobre esse partido, obrigado. 

É que eu nunca gostei de partidos de inspiração religiosa.

*Caso seja um defensor do aborto e esteja irritado com o facto de eu o ter chamado um "sacramento" de uma nova religião, fique descansado que a equiparação não é original. Foi uma das vossas que o fez primeiro, eu limitei-me a roubar.

Filipe d'Avillez
Fonte: aqui

quinta-feira, 23 de julho de 2015

PROGRAMA DA VISITA DA IMAGEM PEREGRINA À PARÓQUIA DE TAROUCA

4 e 5 de agosto de 2015

VENHA PASSAR UMA NOITE DIFERENTE!

JUNTE-SE A MARIA!


quarta-feira, 22 de julho de 2015

26 de julho, Dia dos Avós

Dia dos Avós

Até ao cimo da íngreme ladeira,
ficava a casa de enorme paredes cercada.
Dava-lhe acesso o portão de madeira,
de aldraba negra, em ferro bem forjada.

«Abram a porta!» - Gritava a avó chamando.
«Abram a porta que o pastor quer entrar!»
As doces pombas espantavam-se em bando,
iam serenas no telhado poisar.

O pátio enorme cheirava a rosmaninho,
a feno verde, a cidra, a hortelã.
Os pardalitos pipiavam no ninho,
entontecidos com o sol da manhã.

Casa de agricultor! Tanto trabalho,
tanta lida, tanta vida, tanto ardor!
No tempo da azeitona, ceifa ou malho,
Trabalhavam até o sol se pôr!

Um grilo tonto na lareira escondido,
uma cigarra perdida no pomar,
a toutinegra com o seu alarido
compunha árias em noites de luar.

Vinha o cheiro de mosto do lagar,
vinham sacos de farinha do moinho,
vinha azeite da talha a gotejar,
vinha fruta, hortaliça, pão e vinho.

Primeiro foi a avó que foi embora,
cansada de trabalho e de sofrer.
Em cada mês, em cada dia, em cada hora,
doce lugar ficou por preencher.

E houve um dia em que todos partiram,
malas na mão e na garganta um nó.
Morreram uns, outros logo fugiram
ao trabalho da terra feita pó.

Fechou-se a casa, o avô ficou só;
Alquebrado, queixoso, sem ninguém…
E começou a andar… metia dó…
pela casa dos filhos: um vai/vem…

Envelheceu a casa. Em todo o lado,
Cresciam ervas…tudo era solidão.
Subiam as silvas até ao telhado
E cogumelos enfeitavam o chão.

Mas, um dia o milagre aconteceu.
Alguém a viu, alguém a desejou,
e a Casa do Pombal que se perdeu
numa alegre moradia se tornou.

Casa dos meus avós, das minhas tias,
da minha infância feliz e descuidada,
passo por ti e só sinto alegrias,
ao ver tuas paredes restauradas.

Sejam felizes os que vivem nela,
os que enfeitaram de flores a calçada,
pois colocaram vasos na janela
e fizeram da casa uma pousada.

Quando vou a Foz de Arouce de abalada
e antevejo essa casa florida,
encho de amor a minha madrugada;
São meus avós o chão da minha vida.


Maria Helena Amaro
Inédito
Braga, julho 2013

Fonte: aqui

terça-feira, 21 de julho de 2015

Se passar por Tarouca neste Verão, não regresse sem ter deixado o seu contributo para o Centro Paroquial




Veja aqui

Quer trabalhar num Call Center em Lamego?

Se tem, pelo menos o 9º ano de escolaridade (3º ciclo do ensino básico), é uma pessoa motivada, dinâmica e fala francês, esta pode ser a oportunidade de construir a sua carreira e assegurar o seu futuro.
Compareça no dia 6 ou 7 de Agosto (das 10 às 16 horas) no Centro de Emprego de Lamego para realizar a entrevista de selecção.
Pode contactar o Centro de Emprego de Lamego (Av. Visconde Guedes Teixeira ,25 R/C - 5100-073 Lamego), Tel: 254655192; e-mail: ce.lamego@iefp.pt ou directamente a empresa responsável pelo recrutamento – Randstad, pelo telefone 707202060.


segunda-feira, 20 de julho de 2015

ATRIBUIÇÃO DA MEDALHA DE OURO DO MUNICÍPIO DE TAROUCA AO CIDADÃO LUCÍLIO FERNANDO ASSUNÇÃO TEIXEIRA

A Assembleia Municipal e a Câmara Municipal de Tarouca aprovaram por unanimidade, em sessão de 26.06.2015 e em reunião de 16.07.2015, respetivamente, atribuir a Medalha de Ouro do Município ao cidadão Lucílio Fernando Assunção Teixeira, valorizando dessa forma a sua reconhecida participação cívica e o seu contributo de cidadania ativa e solidária, quer como Presidente da Câmara..., quer como Provedor da Santa Casa da Misericórdia.
Como autarca de referência, esteve à frente dos destinos da Câmara Municipal de Tarouca, durante mandatos consecutivos, tendo marcado de forma indelével um ciclo de modernização infraestrutural deste Município e de afirmação no contexto regional.
Liderou também, durante muitos anos, uma das Instituições mais importantes deste Concelho, designadamente, a Santa Casa da Misericórdia de Tarouca, contribuindo de forma indubitável para o seu desenvolvimento e engrandecimento, promovendo a criação de respostas sociais de vital importância para o Concelho e Região.
Esta Medalha de Honra, que constitui a mais alta condecoração do Município, será entregue em data a anunciar oportunamente.

Tarouca, 17 de julho de 2015.
O Presidente da Câmara Municipal, O Presidente da Assembleia Municipal,
Valdemar de Carvalho Pereira Domingos Manuel Pinto Nascimento

Mourinho critica milhões gastos por F. C. Porto e Sporting

José Mourinho criticou os milhões investidos por F. C. Porto e Sporting na nova época. Num país com "muitos problemas" de ordem económica, o "futebol contraria qualquer situação".

O treinador do Chelsea comentou os milhões que as grandes equipas do futebol estão a investir, este ano, nos respetivos plantéis e chama a atenção "para o que está a acontecer" em Portugal.
"No geral, é um país com muitos problemas: sociais, políticos, económicos. É um país com problemas, as pessoas estão a sofrer, houve muitos cortes, os mais velhos têm problemas com as reformas, os impostos são altos, há problemas de salários, emprego, tudo", diz o treinador do Chelsea.
"Mas o F. C. Porto pagou 20 milhões de euros pelo Imbula e deu um salário incrível ao Casillas. O Sporting está a pagar milhões a treinadores e jogadores. O futebol contraria qualquer situação", disse Mourinho, citado pelo jornal britânico "The Guardian".
A estagiar em Montreal, no Canadá, Mourinho abordou de forma mais ampla o mercado de transferências, que este ano parece querer voltar a bater recordes.
"Vejam o dinheiro que pagaram pelo Sterling", que trocouo o Liverpool pelo Manchester City, por 49 milhões de libras (cerca de 70 milhões de euros). "Mas vai ser pior para o ano. Alguém vai chegar aos 60 milhões de libras (86,3 milhões de euros)", comentou José Mourinho.
"O futebol é assim. Numa época fala-se de fair-play, na seguinte fala-se das formas de como o contornar. Não me aborrece... Estou feliz com a forma como estamos a trabalhar e com o desafio de contrariar este poder", disse José Mourinho, que desde que regressou ao Chelsea, há um ano, também se debate com alguma moderação do presidente Abramovich, que ficou conhecido por esbanjar milhões em jogadores durante vários anos.
Fonte: aqui


O texto e o contexto
Concordo com o texto.  Portugal "é um país com muitos problemas: sociais, políticos, económicos. É um país com problemas, as pessoas estão a sofrer, houve muitos cortes, os mais velhos têm problemas com as reformas, os impostos são altos, há problemas de salários, emprego, tudo."
É realmente chocante que um país nesta situação gaste carradas de milhões de euros em aquisição de passes de jogadores. Toda a razão, Mourinho.
Já o contexto.... Sabendo das relações de Mourinho com o atual treinador do Sporting e com Casillas, o guardião que assinou pelo Porto, a pulga fica atrás da orelha...
Por outro lado, Mourinho não é conhecido por ser um treinador poupado no que toca a aquisições. Tirando o Porto onde fez maravilhas com um plantel barato,  nos outros clubes por onde passou gastou "à tripa forra" em aquisições. E nos países desses clubes não havia/há situações humanas degradantes!?
Pois é. Uma coisa é o texto, outra é o contexto...

domingo, 19 de julho de 2015

Hoje em Cristo Rei

No âmbito da novena a Cristo Rei cuja festa se realizará no próximo domingo, houve Missa na capela de Cristo Rei.
Daquele lugar, cercados pela paisagem soberba que se vislumbra, nos envolve e nos encharca os sentidos, sabe ainda melhor falar da encíclica do Papa Francisco sobre meio ambiente - Laudato si.
Perante tão fantástico quadro da Mãe Natureza, quem pode esquecer o seu Autor? Quem não se apercebe do hino polifónico e de suma harmonia que a natureza... canta ao seu Senhor?
A obra criada, casa comum da humanidade, faz ouvir ali a sua voz, com uma eloquência que atinge até os mais surdos de alma.

Preservemos, defendamos, não poluamos a natureza. Se a respeitarmos, ela respeitar-nos-á.





sexta-feira, 17 de julho de 2015

Descalcei as sandálias

Bilionário judeu resgata cristãos perseguidos pelo Estado Islâmico: "Tenho uma dívida de gratidão"

Lord George Weidenfeld é grato aos cristãos que salvaram a sua vida durante o Holocausto
AGENCY IMAGE DO NOT REUSE WITHOUT CONTACTING THE IMAGE DEPT
O britânico lordGeorge Weidenfeld está financiando uma missão de resgate de até 2.000 famílias cristãs no Iraque e na Síria. Segundo o Catholic Herald, do Reino Unido, ele quer seguir o exemplo do falecido sir Nicholas Winton, cristão que salvou 669 crianças judias destinadas à morte em campos de concentração nazistas durante o Holocausto.

O bilionário de 95 anos diz que tem "uma dívida a pagar".

Em 1938, os quakers e os Irmãos de Plymouth, cristãos, organizaram a transferência segura de judeus de Viena para a Inglaterra através do “Kindertransport”, ajudando-os a escapar dos nazistas. Os judeus receberam comida, roupas, hospedagem e transporte. Weidenfeld estava entre eles.

"Eu tenho uma dívida a pagar", disse lord Weidenfeld em entrevista ao Times. "Ela vale para os muitos jovens que estavam nos ‘Kinderstransport’. Foi uma operação muito nobre, e nós, judeus, devemos ser gratos e fazer algo pelos cristãos que estão em perigo".

A primeira fase do esforço de resgate organizado pela Weidenfeld Safe Havens Fund conseguiu levar 150 pessoas da Síria para a Polônia neste último 10 de julho, com a permissão do governo polonês e do regime de Assad na Síria.

O jornal Express, do Reino Unido, informa que o fundo de Weidenfeld pretende dar suporte econômico de 12 a 18 meses para os refugiados. Alguns países, como os Estados Unidos, se recusaram a participar do projeto porque ele não inclui os muçulmanos, também eles alvo do Estado Islâmico.

Os cristãos, os yazidis, os drusos e os muçulmanos xiitas são perseguidos pelo grupo terrorista na Síria e no Iraque. Lord Weidenfeld, no entanto, defendeu o objetivo específico do seu projeto:

"Eu não posso salvar o mundo todo, mas tenho uma possibilidade muito específica no caso dos cristãos. Outros podem fazer o que eles querem que seja feito pelos muçulmanos".

Nascido na Áustria em 1919, Weidenfeld recebeu o título de “lord” em 1976. Chegado à Grã-Bretanha sem um tostão, ele fez fortuna criando a editora Weidenfeld & Nicholson.
Fonte: aqui

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Dr Álvaro Carvalho, médico humanista, homem da cultura viva, escritor e exemplar cidadão




Ontem à noite, fazendo zapping à procura de algo que me interessasse na TV, deparei com uma entrevista na Canal Sporting. O entrevistado era o Dr. Álvaro Carvalho. Confesso que não conhecia esta personalidade. Fascinou-me e assisti à entrevista toda.
A maneira como abordou o seu sportinguismo, com paixão mas sem fanatismos; a ligação que mostrou à sua terra natal - concelho de Figueira de Castelo Rodrigo, zona que muito aprecio; o carinho com que falou da sua profissão médica; a espontaneidade com que falou da sua obra literária; a maneira como vê hoje o exercício da medicina .... tudo me encantou.
Este cidadão, que deixou a sua terra para ir trabalhar e estudar em Lisboa onde se formou e exerceu a sua profissão, nunca esqueceu a sua terra natal. Regularmente aqui vinha para exercer gratuitamente medicina em favor das abandonadas gentes do interior. Isto nos tempos em que Figueira de Castelo Rodrigo ficava a 7 horas de Lisboa!
Reformado, o Dr. Álvaro Carvalho não se reformou da cidadania. Tem em mãos uma fundação que tem o seu nome e se dedica ao exercício da medicina, numa preocupação constante por quem mais precisa.
Fiquei com água na boca quando ouvi referências a algumas das suas obras. Quero lê-lo.
A sua experiência pessoal e profissional, as vivências relacionadas com as suas origens, o seu humanismo cativante, o gosto de viver e conviver, tudo tonará a sua obra cativante. 
Às Oito Menos um Quarto
Tocou-me imenso porque vi confirmada o que há muito penso sobre o exercício da medicina hoje onde um tecnologismo exagerado  dispensa a humanização do ato médico, e o histórico do doente, a atenção aos sinais, a auscultação são superficiais.
Temos hoje doentes com multidões de exames na mão que deambulam de especialista para especialista sem que o seu caso seja resolvido, no dizer do Dr Álvaro Carvalho. Quando uma consulta envolvente resolveria alguns dos problemas. O entrevistado referiu, nesta linha, algumas situações.

segunda-feira, 13 de julho de 2015

Festa de Santa Helena - Impressões

FOI ONTEM
12 de junho. Festa de Santa Helena da Cruz. Bom tempo na Serra. Muita gente demandou aquele lugar. Pelo que vimos e ouvimos, mais gente do que o habitual. Ambiente de romaria, envolvido pela paz, sedimentado pela fé de tantos, condimentado pela alegria, vivido em serenidade, partilhado na amizade.

A VIVÊNCIA DA FÉ


 Dentro das condições físicas e climatéricas existentes, podemos dizer que as muitas pessoas que participaram nas Eucaristia das 9.30h e das 11.30 horas, souberam estar, participaram e criaram um clima propício à oração.
À tarde, a Bênção dos Campos e a Profissão do Adeus foram momentos marcantes na vivência da piedade popular. São momentos em que o coração agradece, se solta e em que a nostalgia da separação aviva o desejo de regressar.
Tal como durante a novena, também no dia da festa muita gente se abeirou do Sacramento da Reconciliação, levando da Serra a alma lavado, agradecido pelo perdão de Deus, reconfortada.

A PROCISSÃO

A seguir à Missa das 11.30h, teve lugar a procissão pelo circuito habitual.  A partir do próximo ano, as pessoas que pegam nas alfaias sagradas vão ter um espaço reservado sob o teto que cobre o altar campal. É justo e digno. Os irmaõs que prestam este serviço ao culto merecem-no.
Quem fica a ver passar a procissão deve ter atitudes a condizer. Estar de pé, sem fumar, nada de conversas, e sem estar a comer ou a beber. Mesmo quem não acredita, deve ter um comportamento digno, tendo em conta o respeito que a fé dos outros sempre merece.

A FEIRA
Por trás do Calhau de Pendilhe, estende-se o espaço da feira. Roupas, calçado, comes e bebes, doceiras e outros... Muitos feirantes e gente e mais gente que demanda aqueles espaços, sobretudo o das tendas onde que come e bebe.
Há gente que só conhece Santa Helena até ao Calhau de Pendilhe. Isto é, que vai à festa para ficar na feira. A feira é o seu santuário e o seu deus.
Claro que há pessoas que já não estão para levar a merenda. É mais fácil e cómodo ir até à feira e alimentar-se. Tudo a respeitar neste aspeto. Mas só isso? Só feira? Onde fica Deus na vida de tanta gente?
Não estou a dizer que todos procedem desta maneira. Nada disso. Há quem vá a Santa Helena como peregrino e aproveite para feirar.  Muitos, felizmente.
Pelos resíduos deixados no local ao fim do dia, conclui-se que o negócio esteve em alta.
A feira é sempre a maior dor de cabeça para a Comissão. O domingo correu muito bem, com muita paz, com geral acatamento das orientações. Na véspera, à noite, houve um ou outro problema com os feirantes que a GNR ajudou a ultrapassar.. Nada de grave, felizmente. 
Todo o feirante de bem, disposto a cumprir as orientações, é bem-vindo. Quem não o quiser fazer, agradece-se que não apareça, porque não faz falta.

O PROGRESSO DE QUE SE PRECISA
 
 Sem jamais desvirtuar a Serra, o certo é que preciamos todos de encarar Santa Helena com outros olhos e mais ousadia. 
Este ano, a Câmara colocou a iluminação desde o espaço da capela até ao parque das merendas.  Melhoramento que se saúda. Só falta agora colocar os fios subterrâneos. Como estão não dignificam o espaço.
É preciso dar outro tratamento ao parque das merendas para o tornar mais cativante para o turismo. Mais mesas,  refazer as maltratadas, colocar assadores devidamente enquadrados, criar uns WCs, dignificar a fonte...
Aquele parque é quase todo pertença da Junta de Freguesia. Há quem marque lugar no parque de merendas com oito dias de antecedência! E os outros? Aquilo não é de todos? Que civismo é este? Neste aspecto há que disciplinar a utilização deste espaço, mormente por alturas da Festa de Santa Helena.
Os tempos não estão para grandes investimentos. Mas aquele espaço  ladeados por estradas, por cima da fonte, poderia dar muito bem para aí se implantares uns bengalôs . Belo início para um turismo adaptado à Serra...

 A NOVENA
Correu muito bem a novena. As pessoas gostaram muito da orientação do P.e Bráulio e pedem a sua presença no próximo ano.
Arautos da Alegria, Jovens de Almacave, Jovens Sem Fronteiras, Irmãs Servas de Maria do Coração de Jesus, Mendigo de Deus, casal António Avelino e Inês deram às noites da novena pluralidade de vivências e deixaram marcas nas pessoas.
Esteve bastante gente, mormente na novena das 18.30 horas. As pessoas foram participativas e serenas.

 DIFICULDADES ECONÓMICAS
 
Uma festa destas, num lugar isolado, exige sempre muito de muita gente. Na serra, não há nada. E é quando tudo falta, que se aprecia a grandeza de um gesto, a beleza da solidariedade.
Precisamos de rever os espaços celebrativos. A capela é pequena para muitas ocasiões, especialmente durante a novena . Por exemplo, na Festa da Senhora das Dores ( 5 de julho) foram mais as pessoas que não couberam no templo do que aquelas que couberam.
Por outro lado, as imagens de Santa Helena e da Senhora das Dores precisam de restauro.
Mas... o Centro Paroquial que exatamente se chama Centro Paroquial Santa Helena da Cruz? Na mesma paróquia não podemos ter sol na eira e chuva no naval...
Ao contrário do que muita gente pensa,  os rendimentos  económicos de Santa Helena são poucos e as despesas são mais do que muitas. Aliás, em cada ano, são prestadas contas à comunidade pelo mês de abril.
Só com os dinheiros de Santa Helena não vamos a lado nenhum. Tem valido a ajuda da Câmara e da Junta. Mas não podemos pedir para tudo ao mesmo tempo.

A GRATIDÃO
 
Veja aqui

sexta-feira, 10 de julho de 2015

"Já não sou eu quem vive, é Cristo que vive em mim"




Ao comungar, "sinto que circula nas minhas veias o Sangue do grande Rei."
(Santa Faustina)

A tábua e os pregos




"Era uma vez um rapazinho que tinha um temperamento muito explosivo. Um dia, o pai deu-lhe um saco cheio de pregos e uma tábua de madeira.
E disse-lhe que martelasse um prego na tábua cada vez que perdesse a paciência com alguém.
No primeiro dia o rapaz pregou 37 pregos na tábua. Já nos dias seguintes, enquanto ia aprendendo a controlar a ira, o número de pregos martelados foi diminuindo gradualmente.
Ele foi descobrindo que dava menos trabalho controlar a ira do que ter que ir todos os dias pregar vários pregos na tábua…
Finalmente chegou o dia em que não perdeu a paciência uma única vez.
Falou com o pai sobre o seu sucesso e sobre como se sentia melhor por não explodir com os outros.
O pai sugeriu-lhe que retirasse todos os pregos da tábua e que lha trouxesse.
O rapaz trouxe então a tábua, já sem os pregos, e entregou-a ao pai.
Este disse-lhe:
– Estás de parabéns, filho! Mas repara nos buracos que os pregos deixaram na tábua. Ela nunca mais será como antes. Quando falas enquanto estás com raiva, as tuas palavras deixam marcas como essas. E as pessoas ficam arreliadas contigo e deixam de confiar na tua amizade. Não importa quantas vezes peças desculpas, a cicatriz ainda continuará lá. Uma agressão verbal é tão violenta como uma agressão física. Não deixes perder os teus amigos, por não te controlares, pois os amigos são jóias raras e cada vez mais raras. Eles fazem-te sorrir e encorajam-te a alcançar o sucesso. Eles emprestam-te o ombro, compartilham os teus momentos de alegria, e têm sempre o coração aberto para ti. Não os percas.
Fonte: aqui

quarta-feira, 8 de julho de 2015

A Serra vista da Novena






Alguns dos poucos recantos verdes que escaparam ao poder destruidor dos incêndios.
Como podia ser uma maravilha toda a Serra e envolvência se não fosse a maldade ou o descuido dos homens!
Já imaginaram a exuberância do verde? Como tem razão o Papa ao apelar à preservação da obra criada por Deus!
A descontração e o convívio. O silêncio falante da Serra aconchega-nos e solta-nos.