sábado, 20 de outubro de 2012

PENSAMENTOS SOBRE A FÉ - V


EDUCAR PARA A FÉ
«A educação para a fé deve consistir antes de tudo em desenvolver o que no homem é bom.”
Discurso, 26 de novembro de 2005

Fides ex auditu
«A fé, como conhecimento e profissão da verdade sobre Deus e sobre o homem, surge da pregação, e a pregação surge pela palavra de Cristo”, afirma São Paulo (Rm 10, 17).
Homilia, 26 de maio de 2006

Descoberta
«(...) descobrir a beleza e a alegria da fé é um caminho que cada nova geração deve percorrer pessoalmente, porque na fé é posto em jogo tudo o que sentimos mais como nosso e que nos é mais íntimo, o nosso coração, a nossa inteligência, a nossa liberdade, numa relação profundamente pessoal com o Senhor que age dentro de nós.”
Discurso, 5 de junho de 2006

Perguntar
“Antes de tudo, devemos perguntar. Quem não pergunta não recebe resposta, Mas, acrescento, para a Teologia é preciso, além da coragem de perguntar, também a humildade de ouvir as respostas que a fé cristã nos dá.»
Discurso, 21 de março de 2007

A Testemunha
«Central na obra educativa, e especialmente na educação para a fé, que é o vértice da formação da pessoa e o seu horizonte mais adequado, é em concreto a figura da testemunha: ela torna-se ponto de referência precisamente enquanto sabe dizer a razão da esperança que anima a sua vida (cf. 1 Pd 3, 15), e está pessoalmente comprometida com a verdade que propõe. Por outro lado, a testemunha nunca se propõe a si mesma como ponto de referência, mas propõe algo, ou melhor Alguém maior do que ela que encontrou e de quem experimentou a bondade confiante. Assim, cada educador e testemunha encontra o seu modelo insuperável em Jesus Cristo, a grande testemunha do Pai, que nada dizia de Si mesmo, mas falava como o Pai Lhe tinha ensinado (cf. Jo 8, 28).»
Discurso, 6 de junho de 2005

Crise de fé
«Como sabemos, em vastas áreas da Terra a fé corre o perigo de se extinguir como urna chama que deixa de ser alimentada. Estamos diante de uma profunda crise de fé, de uma perda do sentido religioso que constitui o maior desafio para a Igreja de hoje. Por conseguinte, a renovação da fé deve ser a prioridade no compromisso de toda a Igreja nos nossos dias. Faço votos por que o Ano da Fé possa contribuir, com a colaboração cordial de todos os componentes cio Povo de Deus, para tornar Deus de novo presente neste mundo e abrir aos homens o acesso à fé, para confiar naquele Deus que nos amou até ao fim (cf. fo 13, 1), em Jesus Cristo crucificado e ressuscitado.”
Discurso, 27 de janeiro de 2012

Crise de fé (2)
“Sucede não poucas vezes que os cristãos sintam maior preocupação com as consequências sociais, culturais e políticas da fé do que com a própria fé, considerando esta como um pressuposto óbvio da sua vida diária. Ora um tal pressuposto não só deixou de existir, mas frequentemente acaba até negado. Enquanto, no passado, era possível reconhecer um tecido cultural unitário, amplamente compartilhado no seu apelo aos conteúdos da fé e aos valores por ela inspirados, hoje parece que já não é assim em grandes setores da sociedade devido a uma profunda crise de fé que atingiu muitas pessoas.”
Carta apostólica Porta Fidei, nº 2

Alegria
“Na medida em que nos alimentamos de Cristo e estamos apaixonados por Ele, sentimos também dentro de nós o estímulo de conduzir outros para Ele: de facto, não devemos ter só para nós a alegria da fé, devemos transmiti-la. Esta necessidade torna-se ainda mais forte e urgente na presença daquele estranho esquecimento de Deus que hoje existe em amplas partes do mundo, e em certa medida também aqui em Roma. Deste esquecimento surgem muitos murmúrios efémeros, muitas contendas inúteis, mas também uma grande insatisfação e um sentido de vazio.”
Discurso, 5 de junho de 2006

Anúncio
“(…) é preciso anunciar de novo com vigor e alegria o acontecimento da morte e ressurreição de Cristo, coração do Cristianismo, fulcro portante da nossa fé, meio poderoso das nossas certezas, vento impetuoso que afasta qualquer receio e indecisão, qualquer dúvida e cálculo humano. Só de Deus pode vir a mudança decisiva do mundo.
Homilia, 19 de outubro de 2006

 Fé na Palavra
«O Evangelho não pode esclarecer em profundidade as consciências e transformar a partir de dentro as culturas, se cada fiel não se deixa arrebatar na sua vida pessoal e comunitária pela Palavra de Cristo, que convida, mediante uma conversão autêntica e duradoura, a dar uma resposta de fé pessoal e adulta, em vista de uma fecundidade social e de uma fraternidade entre todos.”
Discurso, 27 de janeiro de 2006

Cumprir a Palavra
«A vida do cristão é vida de fé, alicerçada na Palavra de Deus e por ela alimentada. Nas provações da vida e em cada tentação, o segredo da vitória consiste em ouvir a Palavra de verdade e em rejeitar com determinação a mentira e o mal. Este é o programa verdadeiro e central [do cristão]: ouvir a palavra de verdade, viver, dizer e cumprir a verdade, rejeitando a mentira que envenena a humanidade e constitui a porta de todos os males.”
Audiência Geral, 1 de março de 2006

Aos jovens
«O primeiro [ponto] é o anúncio da fé aos jovens do nosso tempo. Os jovens de hoje vivem numa cultura secularizada, orientada totalmente para as coisas materiais. Na vida quotidiana, nos meios de comunicação, no trabalho, no tempo livre experimentam muito mais uma cultura na qual Deus não está presente. E contudo eles esperam Deus.»
Discurso, 18 de novembro de 2006

A família cristã
«A família cristã transmite a fé quando os pais ensinam os seus filhos a rezar e rezam com eles (cf. Familiaris Gonsortio, n. 60); quando os aproximam dos sacramentos e os vão introduzindo na vida da Igreja; quando todos se reúnem para ler a Bíblia, iluminando a vida familiar à luz da fé e louvam a Deus como Pai.”
Homilia, 9 de julho de 2006

Igreja doméstica
«A linguagem da fé aprende-se nos lares onde esta fé cresce e se fortalece através da oração e da prática cristã.”
Discurso, 8 de julho de 2006

A certeza da fé
«Se não aprendermos de novo os fundamentos da vida, se não descobrirmos de maneira renovada a certeza da fé ser-nos-á cada vez menos possível confiar aos outros o dom da vida e a tarefa de um futuro desconhecido.»
Discurso, 22 de dezembro de 2006

O catecismo da Igreja católica
“(…) o Ano da Fé deverá exprimir um esforço generalizado em prol da redescoberta e do estudo dos conteúdos fundamentais da fé, que têm no Catecismo da Igreja Católica a sua síntese sistemática e orgânica.»
Carta apostólica Porta Falei, nº 11

Sem comentários: