domingo, 15 de julho de 2007

Lei do aborto e eleições em Lisboa

1. Lei do aborto
"(...) Infelizmente, hoje (15-7-07) é o dia em que se assinala a agressão a esta cultura da proximidade já que entra em vigor a lei do aborto.
É verdade que algumas instituições, pressurosas, já começaram a aplicá-la, apesar de (isto é sempre bom reconhecer) haver um apreciável conjunto de profissionais de saúde que se recusam a aplicar tal lei.
Já aqui escrevi e repito: impressiona que o aborto seja pago por todos excepto por quem o pratica.
Se o estimado amigo tiver uma constipação ou sofrer um AVC, não é dispensado de uma taxa moderadora. Ou seja, um acto involuntário é cobrado.
Já o aborto, uma decisão voluntária, passa a ser gratuito.
Não desmoronemos, porém. Continuemos a porfiar por uma autêntica cultura da vida. Junto das pessoas!" - http://padrejoaoantonio.blogs.sapo.pt

2. Eleições autárquicas em Lisboa
O socialista António Costa ganhou hoje as eleições intercalares para a Câmara Municipal de Lisboa (CML), mas sem maioria absoluta, garantindo seis dos 17 mandatos em jogo, correspondentes a 29,54 por cento dos votos.
Num sufrágio marcado pela forte abstenção, o independente Carmona Rodrigues, ex-presidente da CML, então apoiado pelo Partido Social Democrata, garantiu três lugares na vereação, com 16,70 por cento, suplantando mesmo a candidatura social-democrata, encabeçada por Fernando Negrão, que se ficou pelos 15,74, embora elegendo também três vereadores.
A outra independente entre as 12 listas candidatas, a ex-socialista Helena Roseta, conseguiu dois mandatos, com 10,21 por cento, à frente da Coligação Democrática Unitária, liderada por Ruben de Carvalho e agregando o Partido Comunista Português e o Partido Ecologista "Os Verdes", que obteve 9,53 por cento e também dois postos na vereação.
No sexto lugar, conseguindo a reeleição para o lugar de vereador, surge José Sá Fernandes, do Bloco de Esquerda, com 6,81 por cento, enquanto o democrata-cristão Telmo Correia falhou a eleição, ficando-se pelos 3,70 por cento, seguido pelo cabeça-de-lista do PCTP/MRPP, Garcia Pereira, que atingiu 1,59.
As restantes listas, do Partido Nacional Renovador (0,77), do Partido Nova Democracia (0,61), do Movimento Partido da Terra (0,54) e do Partido Popular Monárquico (0,38), ficaram abaixo de um por cento de votos, enquanto os votos em branco ascenderam aos 2,31 por cento e os nulos cifraram-se em 1,53.
As eleições foram convocadas na sequência da "queda" do executivo municipal de Carmona Rodrigues, após o ex-edil lisboeta ter sido constituído arguido no denominado caso Bragaparques.


3. Que se pode concluir destas eleições?
  • Elevadíssima abstenção: A taxa de abstenção nas eleições intercalares da Câmara Municipal de Lisboa (CML), que consagraram o socialista António Costa como presidente, cifrou-se hoje em 62,61 por cento, registando-se 2,32 por cento de votos em branco e 1,58 de nulos. Será que tamanha a abstenção terá só a ver com as férias, a praia e o Verão??? Não será também um enorme cartão vermelho mostrado à classe política??
  • Mau resultado para o PSD. «O resultado é mau. A responsabilidade é minha», assume Marques Mendes. O secretário-geral do PSD vai antecipar as eleições directas para a liderança do partido e anuncia que será candidato.
  • Vitória escassa para o PS. O PS jogou tudo nesta campanha, apesar disso não foi além dos 29,54%, claramente a milhas do resultado que obteve nas últimas eleições legislativas. Apesar das fragilidades várias da oposição. Claramente um castigo para quem (des)governa o país. E só prova que, com uma oposição séria e credível, que dê vazão ao descontentamente geral e apresente soluções viáveis e mobilizadores, tudo pode ser diferente.
  • Os independentes Carmona Rodrigues e Helena Roseta obtiveram bons resultados. O 1º ficou em 2º lugar, à frente do PSD e a 2ª, à frente das restantes forças políticas. Não terão os aparelhos partidários de reflectir? Não deverão romper o colete de sete forças em que se deixam prender para se espraiaram em direcção à sociedade civil da qual andam distraidamente distantes?

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.