sábado, 31 de março de 2012

Um blog de vez enquando

De  vez enquando vou sugerir aqui um blog para consulta dos amigos leitores.
Não me limitarei apenas àqueles que habitualmente sigo, mas procurarei ter em conta a diversidade de gostos e de susceptibilidades dos caros visitantes.
Muitos dos que vou consultando tenho-os aqui referido como fonte de postagens ou indicação para consultas.

Desta vez sugiro o blog TAROUCAndo - aqui.
Um blog que, à sua maneira e segundo o seu ponto de vista, pensa, questiona, noticia e sugere, tendo em conta a realidade, especialmente a local.

7 comentários:

DN disse...

Como é possível que pessoas com algumas responsabilidades sociais, politicas e outras, manifestem azedume por este empreendimento social que servirá para facilitar o acesso a crianças de todas as famílias quer tenham mais ou menos recursos a preços socialmente justos? Porque se coloca em causa o número de postos de trabalho criados? Será que uma creche não precisa de um numero adequado de pessoas para cuidar das crianças ? Este equipamento não é um café ou um armazém à espera de clientes, é o Lar fofinho e acolhedor, com pessoas em número suficiente para dar toda a atenção às crianças.
Já pararam para pensar no prejuízo que estão a causar a este equipamento pela inquietude que provocam nos pais que já lá têm os filhos e naqueles que necessitam da creche? Há concelhos deste país onde se dão cheques para as crianças que nascem nesses territórios. Em Tarouca a estratégia foi facilitar a vida aos jovens casais Bombeiros e a todos quanto desta Creche precisarem.
Façam um esforço por se libertarem de preconceitos e olharem para esta resposta social com alegria. Tarouca pode estar feliz porque as famílias têm possibilidade de escolha.
O cidadão : Domingos Nascimento

asas da montanha disse...

Caro Domingos:
Obrigado pela tua presença e pelo teu comentário.
A intenção do Asas da Montanha é apenas dar a conhecer blogues vários, com temáticas diversas, tendo em "conta a diversidade de gostos e de susceptibilidades dos caros visitantes."
É um post em que de "vez enquando vou sugerir aqui um blog para consulta dos amigos leitores." Por isso, quando achar oportuno, vou indicando outros blogues.
Não farei juizos de valor sobre os conteúdos dos blogues aqui referidos- " sua maneira e segundo o seu ponto de vista". Isso fica para os leitores.
Por isso, opiniões, críticas, sugestões, gostos, análises dos blogues indicados são deles. E só isso.

Com abraço

Anónimo disse...

Caro Cidadâo Domingos Nascimento:
A minha posição relativamente à Nova Creche de Tarouca, não é de azedume(*).
Azedume é pouco prá afronta k aquele equipamento público representa pra todos os constribuintes portugueses (e prós verdadeiramente necessitados do meu País).
Mas porque Vª Exª deixou aqui um comentário a apelar ao sentimentalismo bacoco (e pra já só quero ver isso!), deixo-lhe agora eu um outro, a apelar-lhe k ponha os seus bons conhecimentos de gestão (k sei k os possui) ao serviço da cousa pública. Obrigada.
Com respeitosos cumprimentos
A Cidadã: Assunção Monteiro
(*)Azedume, na minha terra, é coisa de solteirona ou de gente ressabiada! Desculpe, mas também tinha k lhe dizer isto.

DN disse...

Senhor Padre Carlos comunicar é dar vida às comunidades onde vivemos. Agradeço, como Cidadão, os espaços que o senhor tem vindo a criar permitindo que as Instituições e as pessoas desta nossa comunidade comuniquem.
O meu comentário não se insurge contra as suas referências a Blogues que têm um papel importante naquilo a que chamamos de jornalismo do cidadão e desta forma contribuindo para dar mais vitalidade às nossas Terras.
Mas, já agora, também em jeito de autocritica, parece-me ser a hora de se fazerem juízos de valores acerca das coisas que salientamos. Mais ou menos conscientes disso, alguns de nós se constituíram como referências sociais e isso responsabiliza -nos para uma análise refletida sobre se os mais altos valores da vida em comunidade estão salvaguardados nas referências que fazemos.
Com mais ou menos oportunidade, aproveitei essa referência para apelar a que o desconforto (azedume, expressão que pretendia significar aspereza) manifestado por alguns cidadãos da nossa comunidade relativamente à creche social Cantinho Encantado, se transformasse em alegria, por ter nascido um novo equipamento para facilitar a vida dos jovens casais deste concelho.
Cara Cidadã Assunção Monteiro, não se trata de sentimentalismo bacoco, quem me conhece sabe a emoção que ponho nas coisas em que acredito profundamente. Obrigado pelas referências que faz às minhas competências de Gestão. Quanto ao desafio, não tenho feito eu outra coisa nesta comunidade que não seja oferecer uma parte significativa do meu tempo ao serviço da causa pública, há muitos anos. As Instituições da sociedade civil são causa pública, e acredito que está a emergir um novo paradigma social, onde o exercício de uma cidadania ativa será o fator chave para o sucesso dos modelos de desenvolvimento das comunidades locais, reforçando, deste modo, o papel dessas Instituições e dos cidadãos enquanto agentes interessados ( stakeholders – como se diz agora) .
Acredito também que quem conhecer bem o processo, os objetivos e o caminho percorrido por este equipamento social, concluirá que não se trata de um desperdício mas felizmente de uma oportunidade social relevante. Há equipamentos que nunca serão redundantes pois só o seriam se a maior parte das crianças em idade de frequentar creche o estivessem a fazer. O acesso a estes equipamentos deverá ser facilitado. Não podem ser os cidadãos a adaptar-se às dinâmicas das Instituições mas sim as Instituições a perceber que o mundo mudou e as necessidades dos cidadãos também.
Só um exemplo de cidadania ativa e solidária: já se perspetiva organizar um evento no âmbito do universo dos Bombeiros de Tarouca que permita angariar fundos para minimizar os custos que os pais Bombeiros e eventualmente os outros pais, teriam que suportar com os seus filhos na creche.
Há opções importantes para a sociedade e para as comunidades locais que terão que ser feitas. A aposta na facilitação e promoção da Natalidade é inquestionavelmente uma delas.
Cidadania ativa também é isto, interagir comunicando. Obrigado aos meus interlocutores pela amabilidade. Um Abraço : O cidadão Domingos Nascimento.

Anónimo disse...

Caro Cidadâo Domingos Nascimento, do muito k se poderia dizer à certa deste seu comentário (texto), apenas vou dizer 2 coisas:
1-Ao k parece o poder politico está preocupado com a questão da (i)legalidade da coisa,
1.1-Como é sabido, não é permitido às câmaras e aos bombeiros, deste País, serem proprietários de um equipamento Social daquela natureza.
2-Mas nós, meros cidadão/contribuintes deste país (onde me incluo) estamos preocupados com os rios de dinheiros k ali se continuam a gastar desnecessariamente.
2.1-A titulo individual até lhe posso adiantar: Tarouca só precisa de uma creche...fechem uma!...
3-Bom, mas se até posso admitir k venham a resolver as coisas com o poder politico (papéis) vai ver k vai ser MUITO mais dificil "resolvê-las" com os "meros cidadãos", por razões óbvias (somos nós k estamos a apanhar no lombo)
4-E se agradeço k tenha exposto o seus pontos de vista, muito lhe agradecia se me dissesse, agora, quem é o VERDADEIRO RESPONSÁVEL pela nova creche.Obrigada!
4.1-Um outro pedido também gostaria de lhe fazer, mas vou deixar isso pra uma próxima oportunidade.
A Cidadâ:Assunção Monteiro
PS: Agradeço ao Sr Pe Carlos a oportunidade k me deu, de poder trocar estas palavras com o cidadão Dr Domingos Nascimento. Obrigada!:)

Anónimo disse...

ACRESCENTO AO MEU COMENTÁRIO ANTERIOR: Quanto à minha referência aos bons conhecimentos k Vª Exª possui, na Área da Gestão, é uma constatação, e não um elogio, pelo k entendo não haver lugar a agradecimentos. E já agora aproveito pra lhe agrader o esclarecimento que fez ao termo "azedume". De facto, este termo (tal como eu o conheço) não se aplica nem à situação nem às pessoas.
A cidadâ: Assunção Monteiro

Anónimo disse...

LIDO NO CORREIO DA MANHÃ DE ONTEM:
«Quando se atribui 1 euro, numa situação de abuso, esse euro vai fazer falta aos k mais precisam»
(Ministro da Segurança Social)
A Cidadã: Assunção Monteiro