domingo, 13 de março de 2011

Quaresma com menos Internet e sem «esbanjamento» da noite

«Sofrimentos» de uma «sociedade laica, pobre e desorientada» são sintomas de que «algo vai mal» em Portugal

Menos Internet, menos tempo diante dos computadores, menos despesas supérfluas e menos actividades nocturnas: estas são algumas das formas que os bispos da diocese de Vila Real propõem para viver o período penitencial da Quaresma.

Cada um é convidado a descobrir novos modos de rezar e de viver a renúncia, desde o uso exagerado da Net e dos computadores até ao esbanjamento de dinheiro e das horas da noite”, refere a ‘Mensagem para a Quaresma’ da diocese de Vila Real.
Falar da Quaresmaparece hoje desnecessário, tão grandes são as privações e os sofrimentos com que andamos esmagados”, assinala o texto intitulado ‘Assumir as dores e as esperanças da Sociedade’, que é assinado pelo bispo diocesano, D. Joaquim Gonçalves, e pelo prelado coadjutor, D. Amândio José Tomás.

Apesar da muita legislação, há cada vez mais estruturas que não funcionam, vizinhos que se desconhecem, casados que se agridem e se separam em número cada vez maior, pais que matam os filhos e filhos que matam os pais” e “empresas públicas que acumulam lucros enormes com bens indispensáveis aos cidadãos”, assinala o documento.

Os prelados constatam igualmente a existência de “milhares de abortos oficializados com despesas superiores a muitos subsídios familiares, mecanismos que afastam as pessoas em vez de as aproximar, legalização de casamentos que são estrutura de egoísmo”, além de “idosos abandonados e candidatos ao suicídio”.

Depois de sublinhar que “aqueles sofrimentos são sintomas de que algo vai mal” em Portugal, os bispos consideram que no quadro de uma “sociedade laica, pobre e desorientada” é preciso “tomar atitudes que afastem falsos progressos, falsas liberdades e falsos triunfos”.

No Ano Europeu das Actividades de Voluntariado que Promovam uma Cidadania Activa, que decorre em 2011, a mensagem pede aos fiéis que ofereçam parte do seu tempo para ajudar a solucionar “muitos problemas sociais”, por exemplo através da visita a “doentes e idosos”.

Os bispos assinalam que “são ainda muitos os hábitos de raiz cristã” presentes na sociedade e lembram que os pais devem transmitir aos filhos os “clássicos caminhos quaresmais”, como “ouvir a palavra de Deus, rezar, jejuar e renunciar”, além da “oração diária”, “abstinência às sextas feiras” e “partilha de bens”.
In ecclesia

1 comentário:

  1. Análise bem feita dos Revmºs. Bispos. Essa é a triste realidade do Portugal de hoje, tão longínquo da sociedade ordeira, respeitadora e bem organizada de não há muitas décadas atrás.
    Toda esta bagunça tem a sua raiz no trabalho de sapa de destruição da Família (e da sociedade, por contágio) operado pela maçonaria militante, que se infiltra em todos os sectores da vida portuguesa. Bem auxiliada pelas reformas legais que propôs e conseguiu pôr em vigor, e que são uma das causas da desestabilização do núcleo familiar e dos golpes profundos assestados nos valores fundamentais da pessoa humana.

    Enquanto os diabólicos sequazes da maçonaria não forem arredados do poder e dos centros de decisão, onde a sua influência maléfica provoca danos, por vezes irreparáveis, Portugal não voltará a encontrar paz e estabilidade.
    Maus por natureza, inimigos figadais da Igreja Católica e dos católicos, gente sem valores, laicos e liberais no pior sentido, são agentes de destruição, que se servem das mais soezes mentiras e das artimanhas mais refinadas para conseguir os seus pérfidos intentos. Nenhuma confiança a tal gente!

    ResponderEliminar