sexta-feira, 25 de março de 2011

OS MEDOS DA IGREJA

Acabo de ler no blog "Padres Inquietos" - aqui - um post que me parece merecedor da atenção de todo o povo de Deus:  leigos, religiosos, sacerdotes e bispos.
Como estamos em caminho quaresmal para a Páscoa da Libertação, será necessário que o povo de Deus se liberte de velhos medos e da tentação do regresso às "cebolas do Egipto."

         "É, provavelmente, o medo o que mais paralisa os cristãos no seguimento fiel de Jesus Cristo. Na igreja actual há pecado e fragilidade, mas há sobretudo o medo de correr riscos. Começamos o terceiro milénio sem audácia para renovar criativamente a fé cristã. Não é difícil assinalar alguns destes medos.
Temos medo ao novo, como se «conservar o passado» garantisse automaticamente a fidelidade ao evangelho. É verdade que o Concílio Vaticano II afirmou de forma contundente que na Igreja deve haver uma «constante reforma», pois, «como instituição humana dela necessita permanentemente». No entanto, não é menos verdade que o que move a Igreja nestes tempos não é tanto um espírito de renovação, mas antes um instinto de conservação.
Temos medo de assumir as tensões e conflitos que traz consigo o procurar a fidelidade ao evangelho.
  • Calamo-nos quando devíamos falar;
  • inibimo-nos quando devíamos intervir;
  • Proíbe-se o debate de questões importantes para evitar posicionamentos que podem inquietar;
  • preferimos a adesão rotineira, que não traz problemas nem indispõe a hierarquia.
Temos medo da investigação teológica criativa. Medo de rever ritos e linguagens litúrgicas, que não favorecem hoje a celebração viva da fé. Medo de falar dos «direitos humanos» dentro da Igreja. Medo de reconhecer praticamente à mulher um lugar mais de acordo com o espírito de Jesus.
Temos medo de antepor a misericórdia acima de tudo, esquecendo que a Igreja não recebeu o «ministério do juízo e da condenação», mas sim o «ministério da reconciliação». Há medo de acolher os pecadores como Jesus fazia. Dificilmente se dirá hoje da Igreja que é «amiga de pecadores», como se dizia do seu Mestre.

Segundo o relato evangélico do passado Domingo, os discípulos caem por terra «muito assustados» ao ouvir uma voz que lhes diz: «Este é o meu Filho muito amado ... Escutai-. Mete medo escutar apenas Jesus. É o próprio Jesus que se aproxima, toca-lhes e diz-lhes: «Levantai-vos e não tenhais medo». Só o contacto vivo com Jesus nos podia libertar de tanto medo."

Sem comentários:

Enviar um comentário