segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Que rumo seguirá a Grécia no quadro europeu?


O povo grego foi  às urnas e, apesar dos avisos de algumas instâncias europeias, resolveu soberanamente dar a sua clara confiança política (parece que não maioritária) ao partido da esquerda radical, o Syriza. E, segundo o que a agência Lusa refere, Alexis Tsipras, líder do partido vencedor, agora com a idade de 40 anos, afirmou no discurso de vitória que “o povo grego escreveu História” e “deixou a austeridade para trás”.


A isto, o secretário-geral do PS português António Costa reagiu considerando que o resultado das eleições na Grécia é “mais um sinal” da mudança da orientação política que está em curso na Europa. O PCP, pela voz do deputado João Ferreira, afirmou que a vitória do Syriza nas eleições gregas significa uma “clara derrota dos partidos que têm governado a Grécia e que são, com a União Europeia, os responsáveis pelo desastre económico e social” no país. E Catarina Martins, porta-voz do Bloco de Esquerda, reconhecendo que “o caminho não vai ser fácil”, insistiu no que representa este “virar de página na Europa”.

Por seu turno, o PSD, o até agora paladino da inevitabilidade austeritária, sem mencionar a designação do vencedor, felicitou o povo grego pela forma como decorreram as eleições e fez votos para que o “caminho comum” na União Europeia continue a ser “um projeto partilhado” e com futuro. E o CDS, em comunicado assinado por Filipe Lopo d’ Ávila, exprimiu o “respeito” pelo resultado das eleições na Grécia, que deram a vitória ao partido Syriza, e sublinhou que a situação de Portugal tem um contexto diferente, sem a presença da ‘troika’ no país. Manifestou ainda o desejo de que a Grécia, como Portugal, permaneça na União Europeia e na NATO. É óbvio que já foi dito e redito que o líder do partido ganhador deixou cair a exigência da saída da Nato e tem reiterado, em consonância com o sentir popular, a necessidade de não sair do euro.

Significativa e entusiasmante é a reação do novel partido “Podemos”, da vizinha Espanha. O partido antiausteridade espanhol saudou a vitória do seu aliado grego, sem esperar pelos resultados oficiais das legislativas gregas e manifestando a expectativa de uma vitória semelhante em Espanha: “A esperança está a chegar, o medo está a partir. Syriza, Podemos, vamos vencer” – bradou o líder do “Podemos” Pablo Iglesias perante cerca de 8.000 militantes em Valência, afirmando,  para ilustrar a “contagem decrescente” para a mudança, que “na Grécia, já ouvimos o 'tic tac, tic tac, tic, tac'”.

Na festa do Syriza, figuraram representantes de outros partidos de extrema-esquerda, como a Refundação Comunista italiana e o Bloco de Esquerda de Portugal. E, como primeiro sinal de rutura da noite, Alexis Tsipras falou aos gregos em frente à Universidade, em Panepistimiou, e não no Zappion Hall, quebrando a tradição das anteriores eleições.

***

Voltando a Tsipras, é de atentar na afirmação que fez, perante milhares de pessoas que se juntaram na praça em frente da Universidade de Atenas, sobre a repercussão destas eleições na Europa: É um sinal importante para uma Europa em mudança”. E foi ao ponto de afirmar que “o veredicto do povo grego significa o fim da troika” – a estrutura de supervisão da economia grega, constituída pela Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional, que desde 2010 avalia as medidas de austeridade impostas a troco de empréstimos na ordem dos 240 mil milhões de euros. Ademais, o líder assumiu que “o povo deu um mandato claro” ao Syriza, “depois de cinco anos de humilhação” e assegurou que vai negociar com os credores uma “nova solução viável” para a Grécia.

Ora, segundo os comentadores, ele tem de se munir de ideias-força de peso para poder negociar como o setor todo-poderoso da Europa, que avisara a Grécia, nomeadamente a Chanceler Merkel e o Governador do Banco Central alemão, sobre os riscos que o país corria. A pari, necessita de, no momento oportuno, ganhar a conveniente flexibilidade para, sem ceder no essencial dos interesses (que não os caprichos) do povo grego, negociar a viabilidade de a Grécia se manter na União Europeia e na sua zona euro sem humilhações como as que lhe foram infligidas durante os últimos cinco anos. Para a consecução de tal flexibilidade do lado da Grécia, pode ser-lhe útil o facto de o Syriza não deter a maioria parlamentar.

E as novas medidas constantes do programa de preservação do euro e de incentivo à economia, elaborado pela autoridade monetária, mostram à saciedade que o caminho bem poderia ter sido outro. Cumpre, do meu ponto de vista, sobretudo aos países que também foram sujeitos a programas de ajustamento, estimular e apoiar essa flexibilização do lado da Europa.

***

O partido grego antiausteridade Syriza obteve uma clara vitória nas eleições gerais na Grécia com 36,23% dos votos, quando estão contados 82,35% dos boletins.

A fazer fé nestes dados, oficiais, o partido vencedor terá elegido 149 deputados, menos dois que os 151 necessários para a maioria absoluta. Os conservadores da Nova Democracia, atualmente no poder, terão obtido 27,95%, o que corresponde a 78 deputados, e o terceiro partido mais votado terá sido o neonazi Aurora Dourada, com 6,32% e 17 deputados. Por seu turno, o partido de centro To Potami terá obtido 5,99% dos votos.

Yannis Miliós, responsável do programa económico do Syriza, já declarou que o programa acordado entre o ainda primeiro-ministro, Antonis Samaras, e o Eurogrupo (ministros das Finanças da zona euro) “está morto”:Suponho que Gikas Jardúvelis – Ministro das Finanças em funções – se limitará amanhã [segunda-feira] no Eurogrupo a discussões de caráter técnico, pois o programa que tinha acordado com o representante de Samaras [primeiro-ministro em funções] já está morto”. São palavras suas.

O Eurogrupo, que se reúne, de acordo com a agenda pré-fixada, na segunda-feira, em Bruxelas, vai debater a situação da Grécia, e, segundo fontes citadas pela agência espanhola, só haverá um debate sobre “o caminho a seguir”, porque o único elemento novo em cima da mesa será o resultado das suas eleições de legislativas.

Do seu lado, Alexis Tsipras, assegurou que um Governo da sua liderança iria reconhecer os objetivos fixados nos tratados europeus, mas não as medidas previstas nos acordos firmados pelo executivo com a ‘troika’ de credores internacionais: “Reconhecemos as nossas obrigações face às instituições europeias e aos tratados europeus. Estes tratados preveem objetivos orçamentais que devem ser respeitados, mas não as medidas para atingi-los”.

Estas declarações vão ao encontro de uma parte do aviso do presidente do Bundesbank, banco central alemão, Jens Weidmann, que declarou que a economia da Grécia continua a precisar de apoio externo e acentuou que esse apoio só se justifica quando “se respeitam os acordos”. Não sei é se respeitam a totalidade do conteúdo do aviso ou, pelo menos, a intenção das palavras que o envolvem: “Está claro que a Grécia não pode prescindir do apoio de um programa de ajuda. Naturalmente que um programa desse tipo só pode ser dado quando se cumprem os acordos”. Atente-se sobretudo no segmento seguinte: o ilustre declarante disse confiar que “o novo governo grego não faça promessas ilusórias às quais o país não se pode permitir” e que continue com as reformas estruturais necessárias, sem pôr em causa o que foi conseguido até agora.

***

Passados que estão mais de dois mil anos, continua a fazer sentido a frase de Aristóteles: as revoluções não se planeiam nem  se fazem, apenas acontecem, como consequência de algo que ocorreu anteriormente (cf Rui Guedes Tavares, “A Europa à espera do grito grego”, in Visão on line, de 24 de janeiro). Nestes termos – segundo algumas afirmações do aludido colunista – embora o resultado das eleições legislativas gregas, ocorridas neste 25 de janeiro de 2015, não transforme esta data em memorial de revolução, já que a mudança não resultou de um pronunciamento militar nem de um ato subversivo do povo, pode – e bem – ser recordado como o dia do começo de mudança da Europa. Serão satisfeitas também as previsões de Mário Soares (ib) um tanto otimistas e interpelantes.

Tudo isto, porque, depois de cinco anos de medidas brutais de austeridade impostas pela troika, que se achava iluminada pela razão das soluções, a Grécia é hoje o país em que a classe média praticamente desapareceu, um quarto da população não encontra emprego (e o desemprego juvenil raia a taxa de 50%), os níveis de pobreza não param de aumentar e em que, segundo as estatísticas, já se morre mais depressa do que seria de esperar num país do Sul da Europa. A Grécia é um país sem esperança e cuja população vai votar com o sentimento de que pior já não pode ficar ou com o medo de perder o pouco que ainda lhe resta.

Agora, torna-se evidente que a elite, comandada do centro da Europa e que julgava ter na mão a solução para todos os males, se enganou ou então agiu de má fé, ao sabor de interesses inconfessados. Mais: é incapaz de reconhecer o seu falhanço ou, sequer, de aprender com os erros cometidos ou com a evidência meridiana dos factos. Para que exista uma mudança, só é preciso, pois, que o povo retome o seu orgulho de povo e a sua ufania de nação de berço da civilização europeia.

Esta vitória do Syriza pode ser, em certa medida, uma primeira amostra da tesura dos povos. Os gregos farão ecoar a sua voz soberana. E “as elites europeias” têm de começar a aprender a lição. Daqui até ao final deste ano de 2015, ainda teremos eleições no Reino Unido, na Dinamarca, na Estónia, na Finlândia, na Polónia, na Espanha, em Portugal e, provavelmente, na Itália. Os resultados darão um alinhamento com a Grécia ou com as lideranças Europeias? Ou virão aí soluções de compromisso para salvar a zona euro e relançar a união política, monetária e bancária?

***

Veremos como vai ser gerida a crise das relações Grécia-Europa e, depois, a relação Europa-Europa…

2015.01.25
Louro  Carvalho

Sem comentários: