sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Conflitos causados por «crescentes desigualdades entre ricos e pobres» preocupam Bento XVI

«Vida interior rica» e «referências morais claras e válidas» são essenciais para a concórdia, sublinha mensagem para o Dia Mundial da Paz

Bento XVI está preocupado com os conflitos causados pelas “crescentes desigualdades entre ricos e pobres” e pelo “capitalismo financeiro desregrado”, causador de uma “mentalidade egoísta e individualista”, realça a mensagem para o Dia Mundial da Paz, divulgada hoje.
“É indispensável” que as culturas de hoje superem critérios “meramente subjetivistas e pragmáticos, em virtude dos quais as relações da convivência se inspiram em critérios de poder ou de lucro, os meios tornam-se fins, e vice-versa, a cultura e a educação concentram-se apenas nos instrumentos, na técnica e na eficiência”, sustenta o Papa.
As instituições culturais e universitárias da Igreja são chamadas a contribuir “não só para a formação de novas gerações de líderes, mas também para a renovação das instituições públicas, nacionais e internacionais”, aponta.
No texto intitulado ‘Bem-aventurados os obreiros da paz’, excerto bíblico extraído do evangelho segundo São Mateus, Bento XVI sublinha a “necessidade de propor e promover uma pedagogia da paz” baseada numa “vida interior rica” e em “referências morais claras e válidas”.
O documento lembra que a paz também se consolida quando a legislação prevê “o direito ao uso do princípio da objeção de consciência face a leis e medidas governamentais que atentem contra a dignidade humana, como o aborto e a eutanásia”.
Na mensagem para o 46.º Dia Mundial da Paz, que se assinala a 1 de janeiro, o Papa vinca que “a paz pressupõe um humanismo aberto à transcendência” mas alerta para os “fundamentalismos e fanatismos que distorcem a verdadeira natureza da religião, chamada a favorecer a comunhão e a reconciliação entre os homens”.
O Papa preconiza o “direito dos indivíduos e comunidades à liberdade religiosa”, que deve prever a possibilidade de “testemunhar a própria religião, anunciar e comunicar a sua doutrina” e promover “atividades educativas, de beneficência e de assistência que permitem aplicar os preceitos religiosos”.
“Infelizmente vão-se multiplicando, mesmo em países de antiga tradição cristã, os episódios de intolerância religiosa, especialmente contra o cristianismo e aqueles que se limitam a usar os sinais identificadores da própria religião”, observa Bento XVI.
Depois de salientar que a paz “é possível”, o texto refere a necessidade de ir mais além da “superfície das aparências e dos fenómenos” para observar “uma realidade positiva que existe nos corações”.
“Frequentemente, aos olhos do mundo, aqueles que confiam em Deus e nas suas promessas aparecem como ingénuos ou fora da realidade; ao passo que Jesus lhes declara que já nesta vida – e não só na outra – se darão conta de serem filhos de Deus e que, desde o início e para sempre, Deus está totalmente solidário com eles”, salienta.
Para Bento XVI “é necessário ensinar os homens a amarem-se e educarem-se para a paz, a viverem mais de benevolência que de mera tolerância”, na convicção de que a humanidade é, “em Deus, uma única família humana”.
O texto apela à “difusão duma pedagogia do perdão” e declara que “a Igreja está convencida de que urge um novo anúncio de Jesus Cristo, primeiro e principal fator do desenvolvimento integral dos povos e também da paz”.
In agência ecclesia

Sem comentários: