terça-feira, 2 de julho de 2013

pessismo e derrotismo lusitanos



O pessimismo e o derrotismo com que muita gente encara o nosso mundo não servem para tornar o mundo melhor, antes pelo contrário. Ninguém gosta de viver ao lado de gente que não sabe fazer outra coisa senão lamentar-se e dizer mal de tudo e de todos.

Alguns jornais online apresentam as notícias mais lidas pelos seus leitores. Quem estiver minimamente atento verificará que as preferências vão para a informação que apresenta o lado negro da vida: mortes violentas, assassínios, roubos, raptos, escândalos sexuais, vigarices e quejandos...
A comunicação social, em constante "guerra" de audiências, espreme até ao tutano o gosto dos leitores pelo lado negro da vida. Sem faltar à verdade, a comunicação social poderia e deveria ir muito mais além, apresentado o lado bom e positivo da vida e da sociedade. É que temos direito à verdade total. Por seu lado, os consumidores de informação, que são as pessoas, poderiam obrigar a comunicação social a mudar de agulha. Bastava que dessem muita mais importância aos aspetos positivos.

Sabe-se bem que o otimismo e a vontade de viver são uma forte alavanca na recuperação da doença e na ultrapassagem dos problemas. Ao contrário, o pessimismo e o derrotismo aumentam a doença e alargam os problemas.

O otimista não deixa de ter os pés no chão. Só que onde outros vêm desilusões, obstáculos e dificuldades, ele enxerga oportunidades, desafios e saídas.
O derrotista  pessimista gasta na má língua, na crítica estéril e na alheia culpabilização as energias que o deixam ainda mais em baixo e o destroem.

Também na Igreja há demasiado pessimismo, pese embora a lufada de ar fresco trazida pelo Papa Francisco. Uma das coisas que me custa mais na Igreja de hoje é ouvir leigos, padres e bispos com uma visão derrotista. Penso que há hoje muita coisa melhor na Igreja do que há anos atrás. E até no que diz respeito à ética e relação afetiva entre as pessoas o mundo antigo não era melhor do que hoje. Sem já falar nos bens materiais e na política.

Sem comentários: