sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

«A reação da Igreja Portuguesa ultrapassa todos os limites»

Constança Cunha e Sá considera «estranha» a «altura» em que «é conhecido» o caso em que o D. Carlos Azevedo é acusado de assédio sexual, já que foi «nas vésperas do conclave e na altura em que se discute a sucessão ao Cardeal Patriarca de Lisboa».

«Estranho a reação da Igreja Portuguesa», que, diz Constança Cunha e Sá, «ultrapassa todos os limites». «Não estava à espera que padres viessem falar dando azo a rumores. Isso parece-me inaceitável na Igreja e em qualquer lado», disse a comentadora da TVI.

Constança Cunha e Sá aponta que «responsáveis da Igreja dão como adquirido que julgamento e investigação estão feitas», que «o bispo está condenado».

Falando numa «guerra dentro da Igreja Portuguesa em relação à sucessão do Cardeal patriarca de Lisboa» com Carlos Azevedo «usado como bode expiatório», Constança Cunha e Sá refere que «a questão não está na notícia, nem na queixa apresentada na altura». «O que custa a entender é como isto chega a esta trapalhada no seio da Igreja».
 
Veja aqui

Sem comentários: