sábado, 11 de dezembro de 2010

"Envergonha-nos a todos saber que há portugueses com fome"

O Presidente da República considerou hoje que os portugueses têm de se sentir "envergonhados" por existirem em Portugal pessoas com fome, um "flagelo" que se tem propagado pelos mais desfavorecidos de forma "envergonhada e silenciosa".

"Nós temos de nos sentirmos envergonhados por estarmos no século XXI, Portugal ser uma democracia, ser um país que, apesar de tudo, está num desenvolvimento acima da média. No entanto, alguns de nós, alguns portugueses sofrem de carência alimentar", afirmou Cavaco Silva, em declarações aos jornalistas no final da apresentação da campanha "Direito à Alimentação", promovida pela AHRESP -- Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.
Sublinhando que apoiar esta campanha era para si "um dever moral", o Chefe de Estado recordou que "a alimentação é o direito básico do ser humano, fundamental para a sobrevivência, para a saúde e para o desenvolvimento".

"Envergonha-nos a todos saber que há portugueses com fome",
sublinhou, insistindo no alerta para a "pobreza envergonhada" que existe hoje em dia.

Ou seja, acrescentou Cavaco Silva, aquela pobreza que as pessoas têm dificuldade em manifestar porque até há pouco tempo viviam com "algum conforto".
Fonte: aqui

2 comentários:

  1. Cavaco Silva não tem legitimidade para expressar, em ar de crítica, o que quer que seja sobre a situação que se vive em Portugal.

    Foi ele, por acção (quando PM, cego obediente à UE, e apenas interessado nos milhões que de Bruxelas vinham para Portugal, incentivou a destruição da agricultura e o abate de barcos de pescas, o que redundou na nossa dependência cada vez maior do exterior) e por omissão (agora PR, permitiu os desmandos do PS, que se vão reflectir, de forma negativa, durante muitos anos - quiçá, até, de forma irreversível - na sociedade portuguesa, corrompendo a estrutura moral da Nação).

    Creio que Cavaco Silva não passa de um "bluff", mas que tem tido artes e manhas para se apresentar como alguém de excepção. Não tem cultura, nem nível intelectual para ocupar o cargo que ocupa.
    Também teve um comportamento miserável para com o Papa e os católicos portugueses.

    Nos anais da História de Portugal ficará como um dos fautores do descalabro financeiro e moral de Portugal.

    ResponderEliminar
  2. Por lapso, o meu comentário anterior ficou com uma linha truncada, o que lhe retira a conclusão lógica de um parágrafo, e pode causar alguma confusão no sentido do texto
    Por isso, peço vénia ao Senhor Padre Carlos para voltar a repetir o comentário, agora já com a correcção feita:

    Cavaco Silva não tem legitimidade para expressar, em ar de crítica, o que quer que seja sobre a situação que se vive em Portugal. 



    Foi ele, por acção (quando PM, cego obediente à UE, e apenas interessado nos milhões que de Bruxelas vinham para Portugal, incentivou a destruição da agricultura e o abate de barcos de pescas, o que redundou na nossa dependência cada vez maior do exterior) e por omissão (agora PR, permitiu os desmandos do PS, que se vão reflectir, de forma negativa, durante muitos anos - quiçá, até, de forma irreversível - na sociedade portuguesa, corrompendo a estrutura moral da Nação), um dos grandes culpados do estado a que o País chegou.



    Creio que Cavaco Silva não passa de um "bluff", mas que tem tido artes e manhas para se apresentar como alguém de excepção. Não tem cultura, nem nível intelectual para ocupar o cargo que ocupa.
Também teve um comportamento miserável para com o Papa e os católicos portugueses. 

Nos anais da História de Portugal ficará como um dos fautores do descalabro financeiro e moral de Portugal.

    ResponderEliminar