sábado, 14 de maio de 2016

Papa Francisco: “Quantas vezes vemos tantas pessoas apegadas aos gatos, cachorros e, depois, se esquecem de ajudar os mais necessitados que lhes estão próximos?”

Francisco encontrou-se com milhares de fiéis numa audiência pública no âmbito do Ano Santo da Misericórdia
DR

O Papa Francisco desafiou hoje, no Vaticano, os cristãos a cultivarem atitudes de piedade rejeitando a indiferença pelos outros.
Numa audiência pública no âmbito do Ano Santo da Misericórdia, na Praça de São Pedro, o Papa recordou o Evangelho onde se encontram "pessoas doentes, demoníacas, pobres ou atribuladas que se dirigem a Jesus com estas palavras: “Senhor, tende piedade!”" e considerou que estas pessoas intuíam que em Jesus havia algo de extraordinário que podia ajudá-las a sair da condição em que se encontravam.
"Jesus dava-Se conta desta súplica, compadecia-Se da pessoa e respondia com um olhar de misericórdia e o conforto da sua palavra. Ele convidava a pessoa a ter confiança n’Ele e, na base desta fé, concedia quanto Lhe era pedido.
Para Jesus, sentir piedade equivale a compartilhar a situação triste da pessoa que encontra e, ao mesmo tempo, empenhar-Se pessoalmente para transformar a tristeza da pessoa em alegria", afirmou Francisco.
Lançando um convite aos cristãos a cultivarem atitudes de piedade Francisco disse que a "piedade é manifestação da misericórdia de Deus e aparece na lista dos dons do Espírito Santo: sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus".
“Também nós somos chamados a cultivar em nós atitudes de piedade diante de tantas situações da vida, repelindo de nós a indiferença que impede de reconhecer as exigências dos irmãos que nos circundam e livrando-nos da escravidão do bem-estar material.”
"Ao mesmo tempo, a piedade não deve ser confundida com a compaixão que temos para com os animais que vivem conosco; pois, de facto, acontece que, às vezes, temos este sentimento para com os animais, mas permanecemos indiferentes diante dos sofrimentos dos irmãos”, referiu.
Depois, Francisco, disse de improviso: “Quantas vezes vemos tantas pessoas apegadas aos gatos, cachorros e, depois, se esquecem de ajudar os mais necessitados que lhes estão próximos?”
No fim da audiência jubilar o Papa saudou ainda os peregrinos de língua portuguesa, em especial os fiéis da Missão Católica Portuguesa, de Friburgo na Suíça, e o grupo brasileiro do Santuário Jardim da Imaculada, de Cidade Ocidental.
Fonte: aqui

Sem comentários: