terça-feira, 3 de novembro de 2015

Breves- Nós por cá


Continua o saneamento no povo de Teixelo. O que fica enterrado não dá votos, mas dá qualidade de vida aos cidadãos. E não é esta a finalidade da política?


Fala-se na substituição dos semáforos do Castanheiro do Ouro por uma rotunda. Há muita gente que gosta da ideia, mas também existe quem pensa que assim está bem. Nunca tudo agrada a todos…


Há locais em que, sobretudo no fim-de-semana, é difícil o trânsito junto de alguns cafés. Carros de um lado e de outro da via e quem precisa de conduzir vê-se aflito para passar. Há quem não leve o carro para dentro do café porque não cabe… Mais civismo vinha mesmo a calhar.


A cidade de Tarouca tem um belo espaço para os cidadãos passearem e conviverem. Referimo-nos ao Centro Cívico e ao local verde à volta do monumento à Mãe. Normalmente desertos. As pessoas não aproveitam esses espaços para passear e conviver. Porquê? Quando as estruturas não existem, nunca mais se fazem; mas se existem, não se aproveitam…


Muitos cidadãos têm o saudável gosto pelas caminhadas. Realmente percursos pedestres não faltam. Então a nova via que liga a cidade a Dalvares é uma maravilha para o efeito. Mas há outras, como o circuito Valverde-Cravaz; Castanheiro do Ouro-Senhora das Necessidades-Esporões; Tarouca-Arguedeira-Quintela; Gondomar- Cristo Rei-Santa Helena… Ouve-se as pessoas dizer que, desde que começaram as caminhadas, se sentem com melhor saúde.


Tarouca, ao fim-de-semana, sobretudo na tarde de domingo, parece um deserto. As pessoas ficam em casa? Vão até ao Dolce Vita ou até ao Palácio do Gelo? Passeiam por outras paragens? Estacionam nos cafés? Visitam os familiares noutras paragens? Vão ao futebol? Que haveria a fazer para Tarouca um espaço com mais vida?


Precisamos de uma cidadania mais participada. Muitos pensam que é ao governo e à autarquia que compete fazer tudo. Quando os cidadãos se colocam debaixo das entidades governamentais mais delas ficam dependentes. Criatividade e exercício de cidadania responsável precisam-se…


Ouvimos que, no campo agrícola, as colheitas até foram, este ano, satisfatórias, que o vinho será de boa qualidade. Só que o velho problema subsiste: fraca procura pelos produtos agrícolas e, sobretudo, preços muito abaixo do aceitável. Por outro lado, a “Feirinha do Centro Cívico”, aos sábados, está longe do sucesso esperado. Porquê?

In Sopé da Montanha

1 comentário:

Anónimo disse...

Acho que tem razão de ser a chamada de atenção quanto aos estacionamentos. Mas esqueceu-se de dizer que, na maior parte das vezes, há estacionamento um bocadinho à frente do café. E andar a pé dizem que faz bem.
Falo por mim, porque já houve alturas e não eram ao fim de semana em que me vi aflita para passar num ou noutro lugar por isto mesmo, por causa de estacionamentos.
Desde já lhe digo obrigada pela aceitação deste pequeno comentário.
Maria J.G.S