quarta-feira, 13 de março de 2013

Quem não perdoa sabe o que é amor? Sabe o que é a vida?

 
"Os cristãos não são diferentes dos outros homens nem pelo território, nem pela língua, nem pelo modo de viver.
Eles não moram numa cidade exclusivamente sua, não usam uma língua própria, nem levam um género de vida especial."
( Carta a Diogneto)
Os cristãos são humanos como os outros, "feitos do mesmo barro", sujeitos a fraquezas e pecados.
Logo desde o início, esta realidade está presente. Do grupo que acompanhou Jesus, Judas Iscariotes traíu-o por dinheiro e Pedro negou-o.
Como procedeu Cristo? Como procederam os que falharam?
Judas, não aguentando o remorso, enforcou-se; Pedro deixou que o olhar de Cristo o refizesse e perdoasse. Após esta conversa de olhares, diz o Evangelho que Pedro chorou amargamente o seu pecado. 
Pedro! Exatamente aquele que Cristo escolhera para liderar a Igreja e confirmar os irmãos na fé.
Após o pecado, Cristo retirou-o da sua missão? Não.
 
E se Judas, em vez de correr para o enforcamento, tivesse corrido para Cristo? Certamente teria sido perdoado. Não duvido.
 
Como dizia um cardeal há dias, se Deus quisesse que a sua Igreja fosse liderada por impolutos, teria escolhido anjos, pois não faltam anjos no Céu...
Mas aqui é que está a grandeza e beleza de Deus. Quer servir-se de pessoas, frágeis como os outros, para proclamar a salvação a todos, pois a "vontade do Pai é que todos se salvem".
 
Na oração "que o Senhor nos ensinou", lá está: "Perdoai-nos as nossas ofensas assim como nós perdoamos..."
E após ter ensinado o Pai Nosso, Jesus acrescenta: "Se cada um de vós não perdoar a seu irmão do íntimo do coração, também o Pai Celeste vos não perdoará."
E a Pedro, que certa vez lhe pergunta quantas vezes se deveria perdoar, Jesus responde: "Até setenta vezes sete", isto é, sempre.
 
O PERDÃO, cume do amor, está presente e omnipresente na vida e na mensagem de Jesus Cristo. Viveu anunciando o perdão; morreu, perdoando aos algozes.
 
A Igreja de hoje precisa de retomar a mensagem do perdão cristão. Até porque me parece demasiado preocupada com outras temáticas e pouco focada neste ponto fulcral do Evangelho.
 
Os cristãos e pessoas de boa vontade necessitam todos de se converter à mensagem do perdão. Só ele liberta, poda, monda, faz crescer, renova e fraternaliza. Sem o perdão, temos corações que não passam de campos de silvas, grilhões que não deixam andar, muros entre as gentes, ostracismos, vinganças em cadeia, revoltas, esmagamentos exteriores e interiores.
 
A beleza do perdoar e pedir perdão reside no gesto de Pedro: reconhecer o erro e abrir-se à bondade de Deus, muito maior do que o nosso pecado.
A beleza do perdão abre os corações das pessoas e semeia futuros de recuperação e abraços de paz.
Só o perdão gera pessoas felizes.

Sem comentários: