quinta-feira, 14 de março de 2013

Nota-se alguma apreensão...

Foto

Papa Francisco presidiu à primeira missa do pontificado
 O Papa Francisco proferiu hoje a sua primeira homilia na missa que assinalou o final do Conclave, na Capela Sistina, com todos os cardeais que participaram na eleição que decorreu entre terça e quarta-feira.
 A celebração, vista como o primeiro momento em que o Papa apresenta o seu "programa", contou em 2005 com uma homilia em latim de Bento XVI, mas Francisco optou por falar em italiano, sem qualquer texto, durante seis minutos.

- "Esta vida é um caminho e quando paramos, as coisas não correm bem."
- Francisco admitiu que existem forças que impedem a caminhada e puxam "para trás" e que alguns querem seguir Jesus "sem a cruz".

Pelo que tenho lido e escutado, a reacção das pessoas é muito favorável e confiadamente expectante. Os gestos e palavras do Papa Francisco estão a cair bem.
Mas...
Tive o cuidado de ver alguns blogues e sites conservadores e ultra-conservadores, normalmente propícios à exaltação da figura do Papa. Nestes espaços, a prudência predomina. Este Papa começa a inquietar esta gente. E ainda bem! E então algumas palavras do Papa Francisco  certamente que os deixam com as orelhas  a arder, pois o Pontífice admitiu que existem forças que impedem a caminhada e puxam "para trás".
Os conservadores - e ainda mais os ultra-conservadores -  gostavam de um Papa, estilo Pio XII (cujos méritos, historicamente contextuados, nem se quer me atrevo a contestar).
Mais, esta gente apreciaria mais um  "Papa- Imperador" do que um "Papa-Pedro".
Oxalá que eles, como todos nós, não cessemos de quer caminhar, como belamente nos desafiou o Papa Francisco.

Mas o que mais me abanou foi a reacção de alguns (poucos) jovens. Segundo estes, o Papa é velho demais, é muito liberal e fala pouco. Destes, há quem gostasse de um Papa mais conservador, mais rígido e inflexível.  E há quem assim pense e que no futuro próximo será chamado a responsabilidades na Igreja!!!
Porquê?
Será o medo da desinstalação que as palavras e os gestos do novo Papa propiciam?
Será o receio de perder  privilégios?
Será o pânico de sair do alto da cadeira confortável das certezas e princípios?
Será o incómodo de caminhar com as pessoas, sujando os pés nos caminhos da História?
Será o medo de um Cristo crucificado?

Eu e o Diác. Adriano estamos contentes pela Papa que Deus ofereceu à sua Igreja.  Serenos, mas saudavelmente expectantes.

Sem comentários: