quinta-feira, 13 de abril de 2017

Não me revejo...


O FC Porto venceu o Benfica esta quarta-feira em andebol. Mas deste jogo ficou um cântico da claque Super Dragões: "Quem me dera que o avião da Chapecoense fosse do Benfica".
Tal  desencadeou um mar de revolta nas redes sociais. Isto porque o cântico é uma referência direta à tragédia que vitimou a equipa de futebol brasileira, no passado dia 29 de novembro de 2016.
Não me revejo nestes cânticos que em nada apoiam quem está dentro de campo. Qualquer que fosse o clube são inadmissíveis atitudes destas... Espero que a Direcção do Futebol Clube do Porto tome atitudes concretas... Fomos todos Chapecoense e agora devemos todos lutar contra o que se passou ontem no Pavilhão.
Li que a Direcção do Porto se demarcou claramente deste gesto de uma da suas claques logo após o jogo. Registe-se o facto positivo. Mas chegará?
Li ainda que os Super Dragões já pediram desculpa pela brincadeira e disseram que voltam a cantar isso novamente. Valha-nos isso, pois estamos sempre a tempo de reconhecer erros e de os corrigir. Desejamos que assim seja.


Agora não adianta esconder. Ao visitar certa imprensa parece que só as claques azuis-e-brancas é que têm atitudes inadmissíveis. A História aí está para recordar aos mais esquecidos gestos e posturas condenabilíssimos de adeptos de outros clubes portugueses.
As ações condenáveis são sempre condenáveis venham de adeptos vierem.

Sem comentários: