sexta-feira, 15 de janeiro de 2016

Uma invulgar lição no Ano da Misericórdia


 


Poderia tratar-se duma postura de mimetismo alinhante num gesto folclórico de cariz religioso. Porém, Dom Nereus Rodrigues, o reitor da referida Basílica, diz que “todos estão ansiosos para receber o sacramento da reconciliação”.  

Como se entende isto se para aceder ao sacramento da reconciliação é necessário ter recebido o Batismo, o sacramento porta de entrada na comunidade eclesial?

O predito reitor, que todos os dias atende de confissão os penitentes, como o padre Aniceto, o vice-reitor, explica:

Muitos não cristãos vêm aqui, ficam na fila e depois ajoelham-se diante do padre e sentam-se no confessionário. Falam baixinho e pedem o perdão dos pecados”.

Dom Nereus Rodrigues reconhece que, desde o início do Ano Jubilar, vem crescendo o número de pessoas de outros credos que visitam a basílica. E, para aumentar nessas pessoas o interesse pelo cristianismo, o bispo instalou painéis que explicam as obras espirituais e corporais de misericórdia, sublinhadas pelo Papa Francisco para este Jubileu. Assim, “os peregrinos podem ler, conhecer e depois praticar as obras de misericórdia”.

***

O facto mostra que a noção de pecado está presente no espírito dos crentes, qualquer que seja o credo da sua pertença religiosa, já que espelha a séria consciência das limitações e das falhas humanas na relação de cada um consigo mesmo, com o transcendente e com o próximo, bem como a crença na possibilidade de reconversão e mudança de vida. Depois, fica patente a possibilidade de cada um se apresentar perante Deus conforme as suas próprias condições independentemente da entidade que tenha tomado a iniciativa de mobilizar os povos para a prática das obras de misericórdia (que não são exclusivo de ninguém) na sua dimensão de interioridade espiritual e na sua vertente social e comunitária.

Os preditos ministros do sacramento ensinam-nos, com a sua atitude de compreensão para com a unidade na diferença, que é possível e desejável o acolhimento a todos. Todos têm acesso, por vontade de Deus, aos benefícios da salvação. E a Igreja deve sentir-bem tanto na obra da dilatação da fé como na humildade de dar testemunho da salvação de que é serva, discípula e apóstola. Mais do que interpretar ao pé da letra o aforismo Extra Ecclesiam non erit salus, importa fixarmo-nos no princípio de que a Igreja é instrumento da salvação para todos os homens e terá de testemunhar perante eles a realidade do Ressuscitado e perante o Ressuscitado testemunhar os dramas de todos os homens. Por outro lado não pode desistir de fazer discípulos em todas as nações e tentar levar todos à fé em Cristo. É a força da missão entrosada com o diálogo inter-religioso! E, se a Igreja tiver a consciência apurada de comunidade de serviço e missão, não se fecha em seu casulo grupal nem se estriba em qualquer sentido de superioridade e autorreferencialização. Ao invés proclama as bem-aventuranças, praticando e promovendo a prática sincera e eficaz de todas as obras de misericórdia.

***

Transcrevo as obras de misericórdia na versão portuguesa do Pontifício Conselho Cor Unum:

OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAL

1. Dar de comer a quem tem fome.

2. Dar de beber a quem tem sede.

3. Vestir os nus.

4. Acolher os forasteiros.

5. Assistir os doentes.

6. Visitar os presos.

7. Sepultar os mortos.

OBRAS DE MISERICÓRDIA ESPIRITUAL

1. Aconselhar os duvidosos.

2. Ensinar os ignorantes.

3. Admoestar os pecadores.

4. Confortar os aflitos.

5. Perdoar as ofensas.

6. Suportar pacientemente as pessoas molestas.

7. Rezar a Deus pelos vivos e pelos mortos.

Sobre as obras de misericórdia, o cardeal Pietro Parolin, Secretário de Estado do Vaticano, comentando o livro-entrevista do Papa sobre a misericórdia e o atentado terrorista em Istambul (que matou 10 pessoas) no passado dia 15, reiterou o convite à misericórdia, ressaltado no livro por Francisco. E assegura que é ela que garante a justiça no respeito por cada um nos seus direitos e necessidades e obviamente satisfazendo estes pressupostos da dignidade de toda a pessoa humana. É nesta linha que o purpurado afirma que as obras de misericórdia “devem tornar-se uma dimensão social” contra a postura meramente pietista de muitos, que rezam para que haja pobres e desvalidos a fim de encontrarem espaço para a prática da caridade (?!).

Mais garante Parolin que, em face dos males que estão acontecendo e, mesmo condenando sem margem para dúvidas todos os massacres, “o único remédio é a misericórdia” contra a pura sanha vingativa ou contra o ambiente generalizado de medo e de insegurança.

É preciso ir “ao encontro das necessidades dos homens como expressão da misericórdia” e como “expressão de justiça”. Porém, “tudo tem de começar com uma atitude do coração que se abre ao irmão e vê um irmão em cada pessoa” e “também com o perdão”, porque, “se não perdoamos, o ciclo de violência e conflito não vai se romper”.

E o mesmo cardeal explicitou aso jornalistas:

“A misericórdia vai além dos méritos; de outra forma, não seria misericórdia. O Senhor veio para aqueles que abrem a porta, para aqueles que têm a intenção de lhe abrir a porta”.

E sublinhou:

“Se há uma superabundância de misericórdia, certamente deve haver uma atitude de abertura por parte da pessoa. A graça de Deus não pode fazer nada com aqueles que permanecem fechados; ela não pode entrar. O próprio Jesus disse no Apocalipse: ‘Eu estou à porta e bato; se alguém me abrir, eu entro’. E se alguém não abre, Ele não entra”.

***

Enfim, que o Ano Jubilar constitua um jorrar da misericórdia divina feita misericórdia entre os homens, plasmada na intensa e generalizada prática da justiça e que haja paz.

Todos entendem a linguagem da misericórdia, mesmo aqueles que abusam os misericordiosos!

2016.01.14 – Louro de Carvalho

Sem comentários: