quarta-feira, 27 de agosto de 2014

"O motor da sociedade é a juventude»

antonio_couto_mg_5598
A família, a baixa taxa de natalidade e o futuro da Igreja estão entre as preocupações do bispo de Lamego. Para António Couto, aos domingos, os horários de trabalho poderiam ser mais flexíveis para que as pessoas tivessem mais tempo livre.
«A Igreja pode e deve chamar a atenção para certas leis que escravizam as pessoas, como por exemplo trabalhar aos domingos», afirmou António Couto, bispo de Lamego, em declarações à FÁTIMA MISSIONÁRIA, à margem do Curso de Missiologia, que está a decorrer em Fátima.
Para o prelado, se por um lado os hipermercados estão «abertos a toda a hora» e «facilitam a vida às pessoas», por outro lado «escravizam-nas». «Escravizam porque as pessoas ficam a ser escravas daquilo. Têm que fazer aqueles horários: ao domingo, à segunda, seja em que dia for. E ficam quase sem liberdade para ter um dia como tínhamos antigamente. Um dia em que as pessoas podiam estar à vontade. Hoje não temos esse dia», lamentou.
Segundo D. António Couto, as «leis podiam ser mais flexíveis» e os horários de trabalhos poderiam ser «diferentes». «Aos domingos, em vez dos funcionários trabalharem oito horas, podiam ter um horário mais reduzido e flexível» que deixasse algum «tempo livre mesmo àqueles que ao domingo têm de fazer algum trabalho», afirmou.
Aludindo às famílias e à oração, António Couto lamentou a fraca participação destas na Eucaristia. «Estamos num tempo em que é raro encontrar uma família na missa. É muito raro ver uma família a rezar», referiu. Referindo-se à baixa taxa de natalidade em Portugal, o prelado disse que o aumento do número de nascimentos é «profundamente importante». «Quem leva o mundo para a frente são as crianças e os jovens porque têm uma mudança de hábitos. O motor da sociedade é a juventude», frisou.
Vi aqui

Sem comentários: