segunda-feira, 7 de abril de 2014

Bispo, um arauto da paz



Na sua entrada solene na diocese, o novo Bispo do Porto saudou a assembleia com a fórmula ritual tradicionalmente reservada ao celebrante detentor do caráter episcopal “A Paz esteja convosco!”.
Tal forma de saudação remeteu-me para a instrução do Papa Francisco que insiste em clamar que o Bispo é “quem seguiu Jesus desde o início e é constituído com os Apóstolos testemunha da sua Ressurreição”. “Também para nós” – diz o Papa – é este o critério unificador: o Bispo é aquele que sabe tornar atual tudo o que aconteceu a Jesus e sobretudo sabe, juntamente com a Igreja, fazer-se testemunha da sua Ressurreição” (discurso à Congregação para os Bispos, 27-02-2014). Ora, se o bispo é sobretudo uma testemunha do Ressuscitado, é natural que saúde os irmãos com as palavras do Ressuscitado “A Paz esteja convosco” (cf Lc 24,36; Jo 20,21.26). E a paz, a paz de Cristo, é o maior dom de Deus às consciências, à sociedade e ao mundo – dom pelo qual os homens hão de ansiar e procurar merecer, na oração e no trabalho, como pretende a mística beneditina (Pax Christi através do ora et labora).
Mas Dom António Francisco dos Santos afirma-se desejoso de testemunhar com a diocese portuense as Bem-aventuranças. E estas giram em torno do Reino da Paz, que, se formos dela construtores, nos torna filhos de Deus, e em prol da justiça, que nos fará arrebatar o Reino de Deus, mesmo sofrendo perseguições. Elas assumem a pobreza em espírito para que a pobreza material seja erradicada da Terra, por meio da mansidão dos determinados pela pureza de coração (com o olhar de Deus) e pelo conforto dos que choram. Na justiça se forja a paz.
E Dom António afirma não entrar no Porto com um programa pré-determinado. E isso é extraordinário: vai construir o projeto de condução da diocese, em termos humanos, segundo uma das metodologias mais recomendadas – a da abordagem sistémica. Ele o refere por suas palavras: “As linhas do projeto pastoral e os campos de ação têm de ser refletidos e decididos em comum. Todos os diocesanos são necessários e todos são imprescindíveis neste trabalho conjunto da Igreja” (in entrevista a VP, 2 de abril). E na homilia da Eucaristia a que presidiu no momento de sua entrada solene afirmou contar com todas as estruturas diocesanas pastorais – centrais e vicariais – os bispos, os vigários gerais, os sacerdotes, os diáconos, todos os consagrados e consagradas, todos os servidores da Igreja e da Sociedade (cf entrevista citada), os crentes e os não crentes.
Mas o Bispo do Porto entende dever seguir ao mesmo tempo ao pé de uma outra perspetiva – a do Espírito. Por isso, os planos e programas de ação “[…] surgirão à medida do sonho de Deus para a Igreja do Porto. Desejo estar atento ao espírito de Deus”. E tentará conciliar as duas vertentes de projeto – a espiritual e a sistémica: Tanto assim que promete: “Procurarei ler com lucidez evangélica e espírito conciliar os sinais dos tempos. Tudo devo delinear, programar, decidir, realizar e avaliar em comunhão e corresponsabilidade com as pessoas e as estruturas diocesanas, vicariais ou paroquiais” (id et ib). Confessa a consciência de não dever replicar experiências vividas noutros contextos, mas querer “assumir a história e a memória da Igreja do Porto”, tanto do passado remoto como do mais recente, o que referiu de algum modo na referida homilia. Por outro lado, na citada entrevista, o prelado diocesano assegura desejar “viver, sentir e trabalhar com todos e com cada um para que à volta da mesa de todos e habitando a casa comum, que é a Igreja, saibamos ser casa de comunhão e escola de todos e para todos”. 
É óbvio que um bispo que insiste tanto na participação e na comunhão, na casa e na escola será seguramente o arauto da paz, o filho de Deus entre os filhos de Deus. E então é de clamar com o profeta: "Como são belos sobre as montanhas os pés do mensageiro que anuncia a paz". (Is. 52,7).
Há, entretanto, um ponto que não quero deixar passar ao olvido por o considerar demasiado importante. Aquele acento no “sonho de Deus”, na “lucidez evangélica” e no “espírito conciliar” de atenção aos “sinais dos tempos” levou-me a Dom José Policarpo, ao concílio, a João XXIII ou ao Evangelho (Lc 12, 54-56). Porém, fez-me pensar sobretudo se o bispo desta diocese quer seguir os modos de deliberação do concílio de Jerusalém referido no livro dos Atos dos Apóstolos (cf Act 15,1-40): “ resolvemos de comum acordo”; “o Espírito Santo e nós resolvemos…”. A institucionalização desta boa prática dará uma boa forma de atuação, que não somente de estilo, mas de vertebração de ação pastoral com fundamento no antigo conceito de dogma, “aquilo que parece mais acertado” (do grego dogma, dógmatos: opinião, decisão, decreto, sentença; cognato do verbo dokéo: parecer, ter boa aparência, julgar, parecer bem haver por bem; cognato de dóxa: parecer, opinião, crença, conjetura, juízo, fama – de que derivou o verbo doxázo: opinar, crer, pensar, julgar, supor, imaginar). Deste decidir em comunhão com os colaboradores e com o Espírito Santo é tão inimiga a indecisão como a decisão autocrática.
Bem creio que, pelo perfil que apresenta ao Povo de Deus, recheado de experiência pastoral e educacional, de “sabedoria” (enquanto gosto da ciência e capacidade de reflexão), humildade firme e determinação dialogante, Dom António Francisco dos Santos, forjado nos rigores do Montemuro, de mãos dadas com os pobres – que efetivamente não podem esperar – temperado com a maresia de Aveiro, será o pastor que a cada momento saberá discernir se deve marchar à frente do “rebanho”/povo, para lhe indicar o caminho, se ao meio, para o manter unido e neutralizar debandadas, se na retaguarda, para evitar que alguém se atrase ou desgarre, mas, fundamentalmente, porque o próprio rebanho é dotado de olfato para encontrar novos caminhos: o sentido da fé (cf Francisco aos Bispos de Timor Leste, 17 de março).
Resta-me, daqui, do canto da discrição, saudar o nosso Bispo, novo no Porto, mas velho amigo de outras andanças pastorais e pedagógicas.
2014.04.06
Louro de Carvalho

Sem comentários: