sábado, 1 de fevereiro de 2014

No que ao respeito diz respeito


O termo respeito e outros que tais da mesma família gramatical são utilizados em contextos tão diversificados que o conceito por eles veiculado se torna manifestamente plurívoco. Desde o governo que protesta respeitar o Tribunal Constitucional, mas prepara legislação em parte contradicente dos seus acórdãos, à pessoa que assegura não ter medo de uma trovoada, mas um certo respeito, passando pela simples referência “a respeito de…”, tudo serve, até o envio de “os meus respeitos” à pessoa que recentemente me apresentaram. Afirmações como “a pessoa que se preza dá-se ao respeito e exige que a respeitem”, “é preciso respeitar a autoridade”, “respeitar os valores axiológicos”, “respeitar a distância entre veículos” e “respeitar os direitos dos trabalhadores” ou “respeitar o código do trabalho” são princípios comummente aceites. Já não serão para levar a sério estribilhos como “o trabalho é sagrado: respeita-o, não lhe toques”. E é de ingénua enunciação, de desviante entendimento ou de interpretação muito restrita a asserção popular que ouvi quando a RTP, em 1985, apresentou o filme “O obcecado”: perante o facto de um indivíduo que sequestrou uma mulher e lhe infligiu os piores tratos pondo-a, por várias vezes, às portas da morte, algumas telespectadoras comentavam: “Que grande safado! Tratou-a de resto, mas, graças a Deus, não lhe fez mal, nunca lhe falou ao respeito”.

Perante um panorama lexical e semântico tão diversificado, entendi dever dar-me à sinecura de apurar os significados conceptuais do vocábulo “respeito” e de alguns dos da mesma família de palavras. E, uma vez que se trata de palavra cujo étimo latino é o “respectum”, acusativo do singular de respectus, us da 4.ª declinação, consultei F. Gaffiot, em Dictionnaire Latin-Français (1934, Librairie Hachette), e Francisco Torrinha, em Dicionário Latino-Português (1945, Edições Marânus, 3.ª ed). No primeiro (pg 1352), podemos ler, para respectus, 1 action de regarder en arrière; 2 consideration, égard; 3 possibilité de regarder vers quelque-un ou quelque chose, c’est-à-dire de compter sur quelque-un ou quelque chose, recours, refuge. No segundo (pg 748), encontramos 1 ação de olhar para trás; 2 vista, espetáculo (para quem se volta para trás); 3 consideração (deferência), respeito, atenção; 4 asilo, refúgio. Ambos relacionam o vocábulo com os verbos respicere e respectare, que têm significados muito próximos do nome masculino de que ora tratamos, bem como com o nome feminino species, ei, da 5.ª declinação (que significa aparência, vista, rosto ou espécie), e com os verbos specere ou spicere (avistar, ver, olhar) e spectare (olhar, contemplar; observar, considerar, prestar atenção, esperar, ter em vista, analisar, apreciar, julgar, relacionar-se, pertencer, referir-se).

O Dicionário da Língua Portuguesa, da Porto Editora (2011, pgs 521.929.1385-1386), da coleção Dicionários Editora, tem a recensão de respeito (nome masculino, com a origem latina em respectu, já com a apócope de -m) e as correspondentes derivadas com os prefixos des- e in- (ir-, por assimilação consonântica) e com vários sufixos  em diversas aceções – 1 ato ou efeito de respeitar; 2 consideração, apreço; 3 deferência, acatamento, veneração; 4 homenagem, culto; 5 temor, receio; 6 relação, referência; 7 aspeto, ponto de vista; (no plural, respeitos) cumprimentos – e integrado em locuções, como a respeito de, com respeito a (relativamente a), conter em respeito (manter a distância, não deixar aproximar-se), de respeito (notável), dizer respeito a (ter relação com, referir-se a), faltar ao respeito a (ser descortês com, ser inconveniente com), por respeito a (em atenção a). E temos entradas lexicais para: respe ou réspice (descompostura, repreensão); respeitabilidade; respeitado e respeitador; respeitante, respeitável e respeitavelmente; respeitoso; respetivo e respetivamente; e outras com os prefixos des- e in-.
Sendo assim, o que é o respeito? Tudo o que fica dito no primeiro parágrafo condiz com a noção de respeito. Porém, o respeito pela trovoada é mesmo medo; o trabalho, por ser sagrado, não implica que se lhe não toque, mas que seja considerado ou tido em conta; e é preciso banir a hipocrisia de quem diz que respeita uma decisão, mas não a acata, ou seja, age em sentido desviante ou mesmo contrário.

Por seu turno, a Wikipédia (enciclopédia livre, acedida em 2014.02.01), que passamos a seguir de perto, esclarece que o respeito consiste num sentimento positivo de estima por uma pessoa ou para com uma entidade e também abrange ações específicas e condutas representativas de tal estima. Pode mesmo corporizar um sentimento específico de consideração pelas qualidades reais do outro ou a conduta de acordo com uma moral específica. Nestes termos, “ser rude é considerado uma falta de respeito (desrespeito) enquanto ações que honram a alguém ou a alguma coisa são consideradas respeito”. Muitas culturas dispõem de morais específicas de respeitos às quais atribuem uma importância fundamental.

Porém, “respeito” distingue-se de “tolerância” porque tolerância não compagina necessariamente nenhum sentimento positivo, e não é compatível com desprezo, o contrário de respeito. Vindo, como vimos, a palavra respeito do latim respectus, que, por sua vez, provém de respicere que significa olhar para trás e se prolonga semanticamente em respectare, evoca a ideia de julgar alguma coisa em relação ao que foi feito quando é valioso ser reconhecido. Além disso, a noção de respeito implica a sua aplicabilidade a uma pessoa que fez algo certo, mas também a qualquer coisa afirmada no passado como uma promessa, a lei, etc.

Por isso, assumo atitudes de respeito quando: respeito o nome de Deus não O invocando em vão, porque é sagrado e Lhe presto o culto latrêutico; cumpro a lei e os regulamentos; reconheço os direitos humanos; guardo as distâncias em relação aos perigos e às pessoas a quem devo reverência (recorde-se a “mesura” das cantigas de amor medievas); ajudo aqueles com quem devo colaborar ou que precisem da minha atenção e auxílio; acato as decisões de quem de direito e obedeço aos meus superiores hierárquicos naquilo que não contrarie a lei e a consciência pessoal e profissional; sigo escrupulosamente a minha consciência, contra as pressões, ambições, oportunismos e acomodações; relaciono-me com as pessoas, cumpro os meus deveres e exerço os meus direitos ou a contento ou reivindicando-os com firmeza e persistência; abordo as diversas matérias em que me sinto competente por força do conhecimento ou por disposição legal e mobilizo todos os assuntos relacionados com elas consoante a sua pertinência; preservo o alheio, o sagrado, o valioso; e curvo-me perante os símbolos das realidades imateriais ou das coletividades que integro ou que outros integrem. Mas, sobretudo, disponho-me a olhar para trás, ou seja, a refletir responsavelmente sobre as minhas opções de vida e de ação e os meus atos em concreto, a ver o que pode melhorar, e até que ponto há alguém que precise de ser ouvido, atendido ou ajudado. Por outro lado, numa linha de convivência sadia, dou livremente a minha opinião, sem a impor, e considero as opiniões e a postura dos outros, evitando qualquer juízo precipitado ou desnecessário. E não deixo de cumprir o que prometi no quadro da fidelidade à palavra dada ou aos juramentos e declarações em que empenhei a minha palavra de honra.

E, ao mesmo tempo, não descuro os deveres para comigo, tanto materiais e corporais como culturais e espirituais, na convicção de que, se não me habituo ao autorrespeito, cuidando de mim e dos meus legítimos interesses, não estou capacitado para respeitar os outros nem para deles exigir respeito.

Enfim, o cidadão que se preze autorrespeita-se, respeita, dá-se ao respeito e faz-se respeitar!
2014.02.01

Louro de Carvalho

Sem comentários: