quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

O humano reduzido ao indivíduo

Em consequência de todo este ambiente que nos envolve, parece instalar-se na sociedade a vacuidade e a estagnação. “Já nenhuma ideologia é capaz de inflamar as multidões, a sociedade pós-moderna já não tem ídolos nem tabus, já não possui qualquer imagem gloriosa de si própria ou projeto histórico mobilizador; doravante é o vazio que nos governa”.
Daqui nasce, segundo G. Lipovetsky, “um perfil iné­dito do indivíduo nas relações consigo próprio e com o seu corpo, com outrem, com o mundo e com o tempo”. A faceta mais notória deste perfil é o fascínio pelo autoconhecimento e pela autorrealização. Do mesmo modo que a planetarização não evita o nacionalismo (na Europa) e o tribalismo (em África), também a convivência social não tem impedido a afirmação do indivíduo.
Sucede que esta afirmação tende hoje a fazer-se de forma unilateral e prepotente. A individualidade é enten­dida e assumida não já como dimensão irrenunciável da pessoa, mas como critério supremo de atuação. Neste contexto, o relacionamento humano deixa de ser pautado pelo princípio da convicção. Já não interessa dialogar ou con­vencer, mas atrair e seduzir.
Acontece que, no fundo, esta estratégia volta-se con­tra os que a executam. O culto exacerbado do indivíduo conduz inevitavelmente à objetivação das pessoas. O outro aparece não como parceiro ou destinatário, passando a ser visto como objeto de que se desfruta e que se abandona quando não nos é útil. É assim que a nossa época é tam­bém a época da solidão no meio da multidão.
O individualismo desponta, portanto, não apenas como uma opção, mas sobretudo como uma imposição. Não se pode falar, neste sentido, de um acréscimo de felici­dade para o homem. O deslumbramento das conquistas depressa deu lugar ao ceticismo, ao medo e até ao deses­pero. Com efeito, muitas pessoas, apesar de disporem de recursos para viver, mostram não ter “um sentido pelo qual viver”
Este dado é patente na procura desenfreada de formas de evasão e torna-se particularmente visível no consumismo sexista, na violência (quase) institucionalizada e na corrupção incontrolada. O êxito imediato parece ser o único estímulo, ficando as preocupações últimas da vida remetidas para uma contínua penumbra.
Facilmente se compreenderá que, numa situação como esta, é especialmente problemático o acolhimento da men­sagem eclesiológica do Concílio, centrada na afirmação da comunidade e dirigida para a consumação escatológica do Reino.
In "Continuará o Concílio atual?"

Sem comentários: