sábado, 24 de agosto de 2013

A importância de se chamar Chelsea

 
Bradley Manning é o jovem soldado norte-americano condenado a 35 anos de prisão por ter divulgado, no âmbito do caso Wikileaks, 700 mil documentos reservados. É, não, era: ao canal norte-americano NBC declarou ser mulher. Apesar de Bradley, que, segundo a sua defesa, sofre de problemas psicológicos, se sentir feminino desde a sua infância, só agora pretende iniciar o tratamento hormonal que o converterá na menina Chelsea.
A declaração de Manning envolve várias questões. De facto, a sua projectada transformação não é prestigiante para as mulheres. Talvez alguns machistas entendam que é essencialmente feminino o delito pelo qual foi julgado e condenado, mas nem uma tão injusta injunção atenua o aspecto ofensivo da projectada alteração de identidade. Que ocorreria ao belo sexo se todos os vilões "virassem" mulheres?! Ou vice-versa?!
Embora mantenha o aspecto viril, Bradley já se intitula Chelsea, o que deve gerar alguma confusão no sistema penitenciário. De facto, se prevalecer a sua identidade actual, Manning é varão, mas, se se aceitar a sua declaração, é mulher. Ora não há prisões para delinquentes de sexo indefinido, ou em transição, e em nenhuma cadeia masculina se aceita uma detida nem, num presídio feminino, um recluso. Se pega a moda, é de temer que outros presos se sirvam do mesmo subterfúgio para evitarem a segregação sexual a que o regime presidiário obriga.
Reconheça-se a Manning o direito à sua identidade e à aparência que quiser, mas não se lhe permita que use a ideologia de género para falsear os mais elementares princípios éticos.
Fonte: aqui

Sem comentários: