terça-feira, 22 de agosto de 2017

Férias? Apenas 5 dias de descanso

`
Praia do Areão. Água gélida.
Para muita gente a praia é um divertimento, um meio de relaxar, um prazer. Para mim é, antes de mais e cima de tudo, uma necessidade. Sem um tempo de praia a saúde ressente-se - e de que maneira! Por isso não cessam as recomendações médicas: praia, praia, praia.
Por motivos vários, não me foi possível tirar mais do que cinco dias.
Foi até ao meu T1 na Vagueira onde já não ia há cerca de 2 anos.
O tempo esteve excelente, contudo a água não estava fria nem quente, mas gélida, pelo que não fui ao mar. Aproveitei para longos passeios na areia e nos passadiços como tanto gosto. Felizmente que atualmente existe um passadiço que vai da praia da Vagueira até à praia do Areão.
Com água muito fria não consigo, ponto.
Foto de Carlos Lopes.
Praia do Areão. Mariolas.
No domingo à noite fui até ao Porto com familiares. Aproveitei a segunda-feira para conhecer mais um pouco da Cidade Invicta.  Como cidade, gosto muito mais de Lisboa do que do Porto. Aqui há dois espaços que me agradam, o Estádio do Dragão - ao passar por lá até pareceu que os pelos se levantaram, tal a emoção - e a zona da Foz.


ALGUMAS IDEIAS:
1. Agradeço às pessoas que me acompanharam nestes dias, pela simpatia, paciência e delicadeza.
2. A Vagueira continua a ser um belo sítio para descansar, mas não para banhos de mar dada a baixa temperatura da água e o "mau feitio" do mar. Quer o espaço junto ao mar quer o espaço de construção e circulação estão muito simpáticos.
Foto de Carlos Lopes.
3. Pessoas amigas costumam pedir-me o pequeno T1 para uns dias de descanso, o que sempre cedo sem qualquer encargo para quem o usa. Pelo contrário, como se entende, a conta do gás, eletricidade e água dispara nestas alturas,  sobrando para mim...
O que me custa é que, ao chegar, sempre encontro alguma coisa estragada... Uma fechadura, uma torneira, loiça que certamente se partiu e não foi reposta, espaços sujos, etc, etc, etc... Já não falando quando me pedem aquilo para duas ou três pessoas e depois vão muitas mais...
Acho que é de elementar bom senso deixar-se tudo impecável e se algo está avariado zelar pelo seu conserto. Peço perdão pelo desabafo, mas estas situações são constantes...
O descanso dos caminhantes
4. Nunca caminhei tanto. No sábado eu e meus amigos caminhámos mais de 10 km. E fui o culpado. Agradeço-lhes o esforço e a amizade.
No tabuleiro superior da Ponte D. Luis, Porto
5. Gostei de apreciar a vida intensa de Porto e Gaia ribeirinhos, tanto nas margens como no rio, onde o movimento de barcos turísticos e de atividades desportivas era intenso.
Mas não entendo o aspeto degradado de tantas e tantas casas, muitas delas de bela traça mas em péssimo estado de conservação, oferecendo uma mau espetáculo aos muitos turistas estrangeiros que visitam a cidade.
Também a limpeza e o ordenamento dos espaços ribeirinhos deixa imenso a desejar. Por exemplo, um dos miradoiros sobre o Douro do lado de Gaia estava engalanado por um bravo silvado.
6. Não posso propriamente falar de férias, mas de uns dias de descanso. Mas infelizmente muitas pessoas nem isso podem ter. Pelo que não me posso queixar.
Para o ano será melhor, se Deus quiser.

Sem comentários: