terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Imposição das cinzas


A tradição de impor as cinzas vem da Igreja primitiva. Naquela época, as pessoas colocavam as cinzas na cabeça e apresentavam-se, diante da comunidade, com um “hábito penitencial”, uma espécie de saco de sarapilheira, dispostas a cumprir uma penitência em reparação dos seus pecados graves; cumprida a penitência, regressavam na Quinta-Feira Santa, antes de iniciar o Tríduo Pascal, para receber a graça da reconciliação, voltando à paz com Deus e com a Igreja. A Quaresma adquiriu assim um sentido penitencial, para todos os cristãos, por volta do ano 400, e, a partir do século XI, a Igreja de Roma passou a impor as cinzas no início deste tempo da Quaresma a todos os fiéis, porque todos somos penitentes. A cinza é, portanto, um símbolo e não apenas um gesto puramente exterior; a Igreja conserva-o, como sinal da atitude do coração penitente que cada batizado é chamado a assumir no itinerário quaresmal. A cinza, como sinal de humildade, recorda ao cristão a sua origem e o seu fim: «És pó e ao pó voltarás» (Génesis 3,19). É assim que começamos a Quaresma. Ela convida-nos a entrar em nós mesmos para nos mergulhar, nas fontes da vida e da alegria, que jorram do lado aberto de Cristo Crucificado, morto e Ressuscitado.

Sem comentários: