sexta-feira, 23 de setembro de 2016

A vaidade é a osteoporose da alma

Custa-me que as pessoas andem desligadas para o que as rodeia.
Magoa-me que muita gente atue como se fosse permanecer para sempre neste Mundo. Causa-me uma enorme tristeza saber que muitos nós somos apenas um número.
A verdade é que tudo isto é "Vaidade das vaidades, tudo é vaidade.".
Não restará nada neste Mundo.
As luxuosas casas desaparecerão.
O grandioso trabalho que temos extinguir-se-á.
O poder que achamos ter acabará num dia.
"Todo o nosso PIB, toda a nossa história, toda a nossa cultura e arte, todo o nosso conhecimento, tecnologia, criatividade e legados que deixamos. Tudo se irá extinguir num certo momento."
É bom que nesta nossa passagem tenhamos consciência que tudo voltará ao pó. Precisamos de ter bem presente que demasiadas complicações e preocupações nos impossibilitarão de ver o essencial.
Não nos deixará ver a alegria de um convívio à volta de uma mesa.
Não nos deixará ver o amor que é transmitido numa troca de olhares.
Não nos deixará sentir a vida que acontece em cada um de nós quando abraçamos alguém.
Não saberemos o que é estar vivos se nunca tivermos amparado alguém.
As preocupações deste Mundo nunca nos deixarão ver a quantidade de palavras que são soltas nas lágrimas.
Enquanto permanecermos assim estaremos apenas a enganar-nos.
Estaremos a fugir à verdadeira realidade do Homem.
Temos de aceitar esta fragilidade.
Temos de perceber o nosso espaço no meio da vida.
Assim conseguiremos perceber a importância de todos os momentos.
Conseguiremos aproveitar ao máximo cada segundo, cada minuto e cada hora...
Tudo será uma bênção.
Tudo será uma dádiva.
Por isso, tu que estás a ler este texto para...e pensa: com o que te preocupas? Valerá realmente todo esse stress?
Não desperdices momentos neste pequeno lugar.
E lembra-te destas palavras: "Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.".
Afinal... o que te preocupa mesmo?
Não deprimas por tudo ter um fim.
Alegra-te por essa finitude conseguir dar tamanha importância à tua vida.
E caminha...
Caminha em direção a tudo o que é essencial.
Não caminhes para as coisas do Mundo. Caminha para o que realmente dá sentido à vida. Não te esqueças que só há uma ficha em jogo...

Sem comentários: