quinta-feira, 26 de julho de 2018

As férias não são um luxo, mas uma necessidade


Direito a férias

Resultado de imagem para férias

Segundo o Artigo 59.º da Constituição da República Portuguesa,  Alínea d, “Todos os trabalhadores têm direito  (….) ao repouso e aos fazeres, a um limite máximo da jornada de trabalho, ao descanso semanal e a férias periódicas pagas.”

O direito a férias é considerado, por princípio, irrenunciável e insubstituível. E artigo nº 238 do Código do Trabalho regula a sua duração e modo de execução.

Há quem pode ter férias e as goza; há quem as pode ter e delas não usufrui; há quem as não pode ter, embora o desejasse e até precisasse muito – veja-se o caso das famílias com doentes a cargo e sem ter onde os deixar, cidadãos com baixos rendimentos e reforma muito pequenas, pequenos agricultores, etc.

As férias não são um luxo, mas uma necessidade. O equilíbrio emocional, o refazer das baterias, a necessidade de tempo para si mesmo, a família e os amigos exigem as férias. Sem elas, o rendimento baixa no trabalho, as relações com os outros tendem para o conflito, a capacidade de acatar, discernir, compreender e decidir deterioram-se, o estado emocional esvazia-se.

Mas que tipo de férias? Há quem chegue mais exausto das férias do que quando partiu. Quando se faz

 delas um espaço de contínua estroinice, sorvendo os prazeres até ao tutano, vivendo servilmente para “gozar a vida”, fazendo continuamente da noite dia, tornando o ventre o seu deus, gastando mais do que as posses permitem, então as férias deixam na pessoa o trago amargo do vazio, da desilusão, do efémero e, tantas vezes, da doença.

Mas quando as férias são tempo para a serenidade, o convívio com amigos e familiares, brincadeiras sãs, aventuras e descobertas saudáveis, então tornam-se num terreno fértil onde medrará, profícuo, o novo ano de trabalho.

Leve um livro do seu agrado, tome para si um tempo a sós, relaxe na água do mar ou da piscina, estenda-se ao Sol na praia (com moderação e demais cuidados), passeie descontraidamente pelo areal, converse e ria com amigos e familiares, quanto possível desprenda-se de horários rígidos, faça uma ou outra aventura. Se preferir, conheça Portugal. Verá que em cada canto ficará agradavelmente surpreendido pelas pessoas, natureza, património, cultura. Os portugueses, herdeiros dos Descobridores, possuem espírito aventureiro. Muitos viajam pelo estrangeiro. Se gosta e o pode fazer, aproveite. Somos cidadãos do mundo. Só nos enriquecemos quando nos abrimos à universalidade.

Uma coisa lhe pedimos: faça férias com Deus. Não faça férias de Deus.

Sem comentários:

Enviar um comentário