segunda-feira, 2 de setembro de 2019

As férias não são um luxo. São uma necessidade

Passei a última quinzena de agosto com familiares no Algarve.  Foram dias calmos, repousantes e humanamente ricos. O encontro com irmãos e cunhados, sobrinhos e segundos sobrinhos foi muito afetuoso e acolhedor. Agradeço-lhes por isso e por toda a generosidade demonstrada.
O percurso casa-praia fazia-se muito bem a pé. Isso possibilitou a libertação da escravatura do automóvel e do andar a toque de horas. Cada um ia e vinha quando entendesse, sendo certo que as refeições eram horas sagradas onde ninguém se dava o direito de deixar os outros à espera. Havia quem gostasse de ir para a praia cedo e mais cedo regressasse; havia quem gostasse de levantar mais tarde e  fosse e viesse mais tarde da praia.
As caminhadas para a praia, os passeios à noite ao fim do jantar, a estadia do grupo no mesmo espaço do areal, algumas deslocações a outros locais, as refeições sempre alegres … tudo criou um bom e belo ambiente humano.
Então com os meus sobrinhos e sobrinhas era uma festa pegada. Brincadeiras, ironias, provocações, partidas. Como raramente nos encontramos porque a vida é como é, aproveitamos ao máximo este tempo juntos. Claro que também tivemos debates a sério, uma vez ou outra nem tão pacíficos assim. A amizade, o envolvimento humano, a atenção mútua, o à-vontade teceram um ambiente fantástico.
Viagem e passeios
A viagem até Lisboa e de Lisboa a Manta Rota foi calma, sem sobressaltos nem engarrafamentos. Já o regresso, meu Deus! Dois quilómetros antes de entrar na A2, as filas eram compactas. Depois durante a travessia do Alentejo, com um calor imenso, o pára-arranca era constante. A A13 fez-se bem, apenas com algum engarrafamento no acesso à A1 durante cujo percurso o trânsito, embora intenso, decorria fluentemente. O IP3 e a A24 sem problemas.
Em agosto Lisboa nem parece Lisboa no que toca a trânsito. Muito mais calma.
No Algarve visitámos locais  de que gostamos na região onde estacionámos. Tavira, Loulé, Praia Verde, Albufeira… Com um saltinho a Aiamonte e as suas famosas "tapas".
Manta Rota faz parte da freguesia de Cacela, concelho de Vila Real de Santo António.  É uma praia muito familiar, com imensas famílias nesta altura, sem grandes e modernos parques de diversão noturna. É por isso um bom espaço para descanso.
Como é costume - já peguei o gosto aos meus familiares - gosto de passear no areal, junto ao mar. Quantas vezes fiz o percurso praia da Manta Rota - Cacela Velha e a sua famosa ria!!! Ao domingo, após a Missa, descíamos, atravessávamos a ria a pé ou de barco, dependendo das marés, e ficávamos por lá o resto do dia.
Image result for praia da manta rota
Praia da Manta Rota. "Banho Santo" no dia de São João da Degola (Martírio de São João Batista)

No Algarve não adoeça pela sua saúde!
Sei-o por experiência própria. Há alguns anos passei 19 horas em hospitais algarvios por causa de uma espinha entalada na garganta.
Este ano um familiar meu teve um problema  e precisou de ir ao hospital. Atendido nas urgências, a médica recomendou-lhe que aparecesse no dia seguinte para ser visto por um especialista. Apareceu. Só que o especialista era único e estava sempre a ser chamado para urgências, adiando as consultas. Exasperado pela demora, o meu familiar teimou em regressar a casa. Felizmente que o problema resolveu-se.
Temendo a espera no hospital público, recorreu ao privado. Afinal sem resultados…
A saúde é o primeiro bem. Como queremos atrair turistas se depois nem o 1º bem somos capazes de lhes oferecer condignamente?
Algo tem que ser feito por quem de direito. Para ontem!

Sem comentários:

Publicar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.